Privatização dos infantários da Segurança Social: Uma meia-vitória

Apesar da luta encetada, não se conseguiu evitar que a gestão de mais de 20 infantários da Segurança Social fosse entregue a IPSS’s. No caso de Valbom, o que conheço melhor, o Centro Infantil foi entregue à Cruz Vermelha.
Mas graças à luta encetada, conseguiu-se pelo menos salvar os postos de trabalho. No início deste processo, os responsáveis da Segurança Social eram taxativos: a 1 de Setembro, todos os funcionários dos infantários a privatizar deviam apresentar-se nos respectivos Centros Distritais. Se o processo de privatização não estivesse completo, seria contratado pessoal externo em regime de outsourcing. Afinal, o Governo acabou por recuar e a maioria dos funcionários continua ao serviço nas mesmas instituições e a auferir dos mesmos direitos e garantias.
Não é um momento de felicidade. Porque não se evitou a privatização, com a consequente degradação dos serviços prestados às nossas crianças. E porque, apesar do que se conseguiu, não permanecem todos os funcionários ao serviço nas instituições que sempre foram as suas.
Parafraseando um indivíduo cujo nome não me apetece mencionar, a história não acaba assim. No dia 15 de Setembro, há um novo episódio.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

0 respostas a Privatização dos infantários da Segurança Social: Uma meia-vitória

  1. kur diz:

    Ou, uma meia derrota?????