A Festa

Durante este fim-de-semana realiza-se a 36ª Festa do “Avante!”. Ao contrário de outras festas organizadas por outros partidos comunistas europeus, a Festa do “Avante!” não perdeu escala nem relevância nos últimos anos. A Festa, como os fiéis a tratam, é sem grande margem para dúvidas o mais importante acontecimento político-cultural do país.
Sem a capacidade financeira e mediática dos inúmeros festivais de Verão é curioso perceber que não há empresa de espetáculos que tente rivalizar. Os comunistas marcam o seu fim-de-semana e os festivais acomodam-se. Se Bernardo Sassetti afirmou um dia que nunca havia tido um público “tão bom e genuíno” como o da Festa, essa sintonia revela-se todos os anos num ou noutro concerto, memorável e irrepetível. Mas nem são os concertos que mais impressionam.
Ano após ano os comunistas põem de pé uma cidade nova – todos os anos diferente – à custa do seu trabalho militante. Trabalho militante que não revela somente dedicação ao partido, mas também uma imensa vontade de mostrar o que poderia ser uma sociedade mais fraterna e igualitária. Três dias em que todos se tratam por “tu”, em que vereadores e presidentes de câmaras municipais fazem turnos no espaço da sua terra e em que a política e a cultura se discutem e cruzam em cada esquina. Por outro lado, se o cerco da ASAE fez com que se tivesse deixado de encontrar uma boa parte dos produtos caseiros produzidos um pouco por todo o país, não conseguiu desvirtuar o fortíssimo carácter identitário na afirmação das culturas nacionais e regionais, dos seus povos e das suas lutas.
Mas esta não é apenas uma festa dos comunistas. Esta é a festa da esquerda que é Esquerda e de todos os que a visitam, ano após ano, para estar, conviver, discutir e sonhar à sombra do sol de Setembro num país cada vez mais nublado e cinzento.

Hoje no i

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

2 respostas a A Festa

  1. Anónimo diz:

    Esta é a mesma festa do Avante onde não há muito tempo os terminais de MB eram do BES, abundando a publicidade a este banco? Foi um momento muito esclarecedor da pureza ideológica do PCP…

Os comentários estão fechados.