Quando tudo vale na provocação e oportunismo

Assaltava-me a dúvida se devia ou não responder às provocações do Renato Teixeira. Revolvi fazê-lo porque me repugna saber que pode haver gente que acredite que a CGTP está contra os trabalhadores sul-africanos. É tão baixo o argumentário do Renato Teixeira que já vem insinuar que a central sindical em que grande parte dos trabalhadores portugueses deposita a sua confiança estaria disposta a fazer cá “o que aplaude na África do Sul”.

Existem dois sindicatos em confronto. Independentemente do que se pense sobre cada um deles é simples. Há o maioritário que se chama NUM e que está ligado à maior central sindical do país, o COSATU, e há o minoritário AMCU, acusado pelo NUM de ser uma criação da burguesia para dividir os mineiros. De facto, nas últimas semanas, houve trabalhadores que foram assassinados por membros do AMCU. É a isso que se refere a CGTP, o NUM e o Partido Comunista da África do Sul quando exigem a detenção dos responsáveis pela violência entre mineiros. Não se trata do que aconteceu depois, o massacre policial.

Ao contrário do que o Renato Teixeira tenta fazer passar, nenhuma destas organizações apoiou a actuação da polícia ou responsabilizou os grevistas pelo massacre. Todas elas condenaram o bárbaro e injustificável massacre perpetrado pela polícia sul-africana. É de facto incrível – ao bom estilo de Zita Seabra – que o Renato Teixeira tente aproveitar-se de um episódio trágico da história do movimento operário internacional para atacar a CGTP. Curiosamente, em momento algum ousa defender os mineiros assassinados pela AMCU. Nem uma palavra para condenar a violência entre trabalhadores.

Pessoalmente, acho que o governo do ANC tem muito a explicar. Há gente a ser demitida, detida e julgada pelo assassinato de quase meia centena de mineiros. Também não tenho quaisquer dúvidas de que o sistema político e económico existente na África do Sul é o capitalismo. A defesa dos direitos conquistados com o fim do Apartheid não pode ser uma barreira mas antes um impulso à construção de um país de progresso e justiça social. São muitas e complexas as contradições que se geraram naquele país mas não alinho em análises superficiais e toscas e, muito menos, alimento a manipulação e o oportunismo.

Eu não digo que o Renato Teixeira é fundamentalista islâmico por apoiar as primaveras árabes. E é sujo acusar a CGTP de coisas que não escreveu. Mas é esta a catadura moral de quem através do Movimento Sem Emprego não tem qualquer pudor em andar frequentemente atrelado às iniciativas da CGTP e, inclusive, de copiar propaganda da central sindical como se fosse sua.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

18 respostas a Quando tudo vale na provocação e oportunismo

  1. A.Silva diz:

    Mas o que é que os cretinos do Renato&Raquel quererão com estas mentiras e provocações?

  2. Pingback: “Criação da Burguesia” | cinco dias

  3. Anónimo diz:

    Copiar apenas a foto de um cartaz de um manifestante, é copiar propaganda? A propriedade intelectual privada é mesmo sagrada para esses lados..

  4. Zuruspa diz:

    Devias pura e simplesmente ignorar. Ou quanto muito fazer uma cópia de segurança para desenterrar mais tarde, se eles evoluírem como a vomitável Zita.

  5. ricardosantos diz:

    O sr bruno claro que aplaude o que se passou porque a cgtp através da direçao resultante da tomada de assalto do sindicato dos metalurgicos quando as coisas não corriam bem na assembleia mandou entrar a policia militar e não dispararam mas malharam que se fartaram embora tenha sido á muito tempo eles não mudam.

  6. Caro Bruno,

    Estou no Movimento Sem Emprego de alma e coração. A acusação que fazes de que o MSE anda a copiar propaganda é algo que me incomoda pessoalmente. Gostaria que por favor concretizasses qual o cartaz que foi copiado, se possível com um link para o mesmo. Entenderás que para demonstrar uma igualdade é necessário mostrar os dois lados da equação: um já está, é o cartaz que já linkaste. Falta o outro.
    É que sabes… enquanto andarmos às turras uns com os outros, a direita agradece.

    Abraço,
    Alcides Santos

    • Bruno Carvalho diz:

      Olá, Alcides. O cartaz que foi copiado é o que deixei no artigo que escrevi. De resto, estou de acordo a direita agradece quando os trabalhadores se dividem e se batem entre si. Nada tenho contra os desempregados que se organizam e lutam de forma consequente. Apenas quis destacar a contradição do Renato Teixeira em atacar desta forma a CGTP quando tantas vezes o movimento em que participa – o MSE – participa em iniciativas em está presente a CGTP.

      Abraço

      • Renato Teixeira diz:

        Logo, porque participo num movimento unitário que se relaciona com a CGTP, não tenho o direito de dizer o que penso de um comunicado abjecto da central. E, face a uma discussão sobre a luta dos mineiros da África do Sul, tem todo o cabimento trazer para o debate um cartaz, alegadamente plagiado, do MSE.

        Em que momento é que te esqueceste da lógica no meio disto tudo?

        • Tima diz:

          Afinal não sou só eu que sei que o Renatito pratica… digamos… a desonestidade intelectual. Agora também pratica a arte do plágio. Só a arte de aprender a ser um homenzinho com um caracter inactacável é que vai levar muitos anos de desenvolvimento.

  7. Catarina diz:

    Pessoal: a direita está unidinha e congraçada a lixar-nos de todas as maneiras. Estamos a ser reduzidos à mediocridade, dizem-nos que nos espera a pobreza, a semi-escravatura, que sei eu…
    E à esquerda, é isto que se vê! Por favor, contem até 25, em grego se for preciso, tomem uns calmantes, façam umas aulas de ioga, oiçam Rui Veloso «Muito mais é o que nos une/ Que aquilo que nos separa». Se não, quando a facção sobrevivente da esquerda finalmente descansar, palitando os dentes com os ossos da facção vencida, já não haverá nada a fazer!

    • Zuruspa diz:

      E depois a Direita palitará suas presas e garras com os ossinho da facçäo vencedora da luta interna da Esquerda, de täo débil que estaräo esses “vencedores”.

      Onde é que foi que eu já vi esse filme? Ah, já sei, Guerra Civil de Espanha!

      Entendo porque querem “o fim da História”… é que de História näo percebem um chavo, quais americanos!

  8. RM diz:

    Anónimo, não é uma questão de propriedade. É de honestidade.

  9. Pingback: O malvado e normal anticomunismo grassa por aqui a uma velocidade que eu não previra… | cinco dias

  10. Jp diz:

    Cristalino, porra!

  11. Herberto Esteves diz:

    Se esta troca de mensagens só tivesse interlocutores de esquerda, seria interessante aprofundar a questão semântica. Assim, é não só contraproducente como altamente ineficiente, para o tempo que temos disponível para fazer o que é preciso e ainda vencer o atrito que os filhos família reacionários vão criando.

  12. Luis Almeida diz:

    Quem deste modo ataca a CGTP será trabalhador, mesmo que no desemprego? O que é que estará na mente de gente assim ? Atacar uma força que, enfraquecida ou a não existir, “eles” já teriam levado tudo de roldão, como um bulldozer!
    Muito bom, Bruno !
    ( um ex-dirigente sindical, no quadriénio 1976-79, e orgulhoso de o seu sindicato ainda pertencer à Intersindical Nacional !)

Os comentários estão fechados.