A CGTP está disposta a fazer cá o que aplaude na África do Sul?

1) Os culpados da violência não são a polícia, o governo e a mineradora? Porque a posição do NUM é prender os dirigentes do sindicato rival que dirige a greve, independentemente das características do referido sindicato?

2) A violência policial dá sinais de regressar? Em que mundo vivem os companheiros? – A violência policial é uma realidade na terra da heróica luta contra o apartheid…

3) Qual o grau de colaboração do NUM com as mineradoras? É possível ignorar todas as fontes sul-africanas sobre o tema (basta dar uma passada nos materiais disponíveis na internet sobre o tema? É uma casualidade que o diretor do NUM, Frans Balena, receba 105 mil rands mensais (ao redor de 13 mil dólares), enquanto um “rock driller” receba 4 mil? Isso nada tem a ver com o fato de que haja um setor considerável da massa operária que esteja buscando outra alternativa sindical?

4) Bom, muito provavelmente não tenhamos acordo, mas há algo pior: após o massacre, a mineradora deu um ultimato até amanhã para acabar com a greve, sob pena de demissão (isso está em todos os jornais, dispenso-me a colocar citações), em um momento em que além disso nem esfriou o sangue dos massacrados e a CGTP não se posiciona contra isso de forma incondicional?

Como o Waldo Mermelstein, também eu “queria entender melhor uma posição como essa para evitar tirar conclusões demasiado fortes e definitivas…”. As perguntas que coloca ao Bruno Carvalho e ao Augusto Praça permitem dissipar todas as dúvidas, pelo que não podiam deixar de ter o devido destaque. Assim venham a ter uma resposta mais capaz do que a simples reprodução do lamentável comunicado da CGTP.

Num artigo do NYT, sugerido pelo João Valente Aguiar, a natureza dos “queridos camaradas da COSATU”, o carácter do sindicato da NUM – o tal entusiasticamente aplaudido pela CGTP – e algumas das razões para tanto disparate, começam a ganhar forma e tem a clareza que importa conservar num debate com esta importância.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

30 respostas a A CGTP está disposta a fazer cá o que aplaude na África do Sul?

  1. André Silva diz:

    Renato,

    A tua “interpretação” do comunicado é tão estúpida que nem sei como tu e a Raquel continuam a insistir nela. Só estão a fazer figura de palhaços. A CGTP mostrou solidariedade aos mineiros e vocês tentam pegar nas palavras, tergiversá-las e apresentá-las ao contrário.

    Arranja uma desculpa melhor para não ires à marcha da CGTP em Outubro. Essa não pega. Consegues melhor.

    • Renato Teixeira diz:

      André, face à clareza do comunicado da CGTP, são os dirigentes da central que deviam esclarecer querem que sejam julgado.

      A Raquel falou da posição do Partido Comunista da África do Sul, que é ainda mais grave, diga-se, do que o inqualificável comunicado da CGTP.

  2. JÊPÊ diz:

    Ó Renato, tás com azia porque tu e os teus muchachos não conseguem fazer nada alem de se colar às iniciativas da CGTP e dos sindicatos?

    Tenho muita pena que tu, que afirmas à boca cheia que defendes a unidade, sejas o mais agressivo divisionistas dos trabalhadores. Continua lá a brincar às revoluções digitais e deixa os locais de trabalho para quem trabalha. Porque quem fala como tu falas é porque nunca teve e porque não quer, mais nada que manter o poleiro de incendiário-mor do regime.

    • Renato Teixeira diz:

      Não me lembro de nada mais divisionista que este comunicado da CGTP e acredite que, nesta tónica, não me verá muito mais vezes a apelar à unidade.

      Não lhe apraz um comentário sobre o assunto?

      • JÊPÊ diz:

        Mas ó meu amigo, divisionista aonde? Isso de pegar numa coisa e transformar no que se quer, só mostra uma falta de tomates assustadora.
        Eu sou sindicalizado num sindicato da CGTP, foi com esse sindicato que consegui um contrato efectivo de trabalho, foi com o trabalho competente que consegui ganhar um processo e ficar a trabalhar com contrato efetivo, como trabalhador pouco politizado olho para esse texto e não vejo nada de ofensivo aos trabalhadores. Já ao teu comentário vejo coisas do mais absurdo e sem nexo possível, que me faz lembrar os tempos de escola e do “vocês não brincam comigo vou meter-vos cola nos sapatos durante a aula de ginástica”.
        Deixe-se de ofensivas hipócritas e trabalhe para a luta, a começar na marcha de dia 5 de Outubro que também pode ai apelar à unidade.

  3. Oui,m'a non plus diz:

    Contra a CGTP,marchar,marchar…
    Isto está mal?É a CGTP e,não a ‘elite’ empreendedora banksteira q só ‘trabalha’ para o bem da sociedade.Ing.Jardim Gonçalves,Paulo Teixeira Pinto,Dias Loureiro,vocês foram os nossos salvadores para agora a CGTP arruinar o vosso abnegado esforço para engrandecerem a Pátria.
    Renato teixeira,eu até avcho q se deveria prender o chefe da CGTP.Obrigado por este vosso artigo.Vocês saõ os meus olhinhos.cumprimentos à malta de Langley

    • Renato Teixeira diz:

      E sobre o julgamento dos grevistas, algum desabafo?

      • A.Silva diz:

        E sobre a informação do Bruno de que houve trabalhadores do NUM que foram assassinados por membros do AMCU o provocador Renato tem alguma coisa a dizer, ou vai ficar como aldrabão?

        • Renato Teixeira diz:

          Nunca disse nada sobre esse tema e o Bruno não trouxe essa informação. Há fontes para além do Pravda lá do sítio que provem que isso aconteceu e em que contexto?

          Imagino que não haja nenhuma aldrabice no comunicado da CGTP.

  4. Ulhó diz:

    À semelhança de outras tentativas, julgo que este tb não vai ser publicado – o Renato e a Raquel não publicam os meus comentários, será que dava trabalho a responder?)

    Em relação a esta matéria só uma má fé inqualificável e a desonestidade intelectual do costume, permitem ler e retirar do comunicado da CGTP-IN coisas que lá não estão ditas, para daí partir para o anti-comunismo visceral a que nos vêm habituando por estas paradas, desde a justificação das bombas atómicas sobre o Japão devido à URSS, ao resto do relambório a que V.Exas diariamente se dedicam e que esta leitura do Comunicado da CGTP-IN é exemplo paradigmático!

    No comunicado é prestada solidariedade aos mineiros, condolências às famílias, e exigido que os culpados seja julgados!

    Só mesmo a vossa cegueira intelectual e ressabiamento permanente poderiam levar à leitura que fazem…

    Se não der muito trabalho, publica lá isto…

    • Renato Teixeira diz:

      Oh Riky Zabal, se não for pedir muito deixa lá acusações sem sentido para se centrar na polémica.

      No comunicado, como diz, “é prestada solidariedade aos mineiros, condolências às famílias, e exigido que os culpados seja julgados!”. Nesse parágrafo, como poderá perceber, inclui os interpretes da violência, que no entender da NUM são também os grevistas selvagens que cindiram com a postura governista desse sindicato.

      • Ulhó diz:

        Oh Renato, a polémica que queres criar só existe na tua cabeça, resulta de leitura abusiva e manifesta desonestidade intelectual (acho que não és burro)

        O comunicado da CGTP-IN é taxativo, além de referir que “Nada pode justificar os bárbaros assassinatos pela polícia, a sangue frio, a que assistimos” .

        Repara no rebuscado exercício que fazes ao dizer “Nesse parágrafo, como poderá perceber, inclui os interpretes da violência, que no entender da NUM são também os grevistas selvagens que cindiram com a postura governista desse sindicato”.

        Sabes que o momento actual, em Portugal e no mundo, faz o capital precisar de tipos como tu a raquel e tantos, tantos outros, que debaixo da máscara do anti-capitalismo e tal (nem sei se és isto…) estão sempre a incitar à confusão, presos ao acessório, e apostados em destruir as mais poderosas formas de organização dos trabalhadores…

        Mais uma vez, lá estás tu, no lado errado da barreira, de braço dado com o capital…

  5. von diz:

    Deixando de lado os comunicados, e atendendo a uma questão fundamental, diga-me Renato: um grevista culpado de actos de violência deve ficar impune só por ser grevista?

    • Renato Teixeira diz:

      Em greve e face a um massacre, sim.

      • Von diz:

        Resumindo, dá aí a justificação, que eu por aqui avio os que forem precisos… Essa máxima, ó Renato, pode ser aproveitada para qualquer fim… por qualquer um… Lamentável esse espírito revolucionário totalitarista. Você na NYPD ou LAPD, fazia-se…

      • Manuel Z diz:

        “Em greve e face a um massacre, sim.”??????

        Caro Renato, os homicidios cometidos contra mineiros filiados na NUM, por gente da AMCU não foram cometidos “face a um massacre” ou para se defenderem de qualquer massacre. Foram cometidos noutras ocasiões, de forma calculista sem qualquer propósito de ligitima defesa.

        Para além do mais, quem massacrou mineiros foi a polícia, não a NUM. Pelos vistos, para si, isso justifica toda e qualquer violência por parte da AMCU, inclusivé (preferívelmente até) contra outros mineiros e sindicalistas.

        Das duas uma, ou a sua lógica é doentia ou o Renato não passa de uma “travesti” político. Obviamente a hipótese mais realista é a segunda.

        Pagam-lhe bem? Quanto “rende” ser um esbirro desinformador e provocador?

        • Renato Teixeira diz:

          Vá, ide, zute daqui para a África do Sul. Mande cumprimentos à COSATU, mas tenha cuidado para não sujar as mãos de sangue no cumprimento. Verá que ganha o quê e a soldo de quem.

          • Manuel Z diz:

            A policia mata mineiros.
            A “sua” AMCU mata mineiros (da COSATU).
            A COSATU (e a CGTP) exigem justiça.

            Para Renato Teixeira a COSATU (e a CGTP??) têm sangue nas mãos!!!!!!!

            O Renato não é estúpido, (é espertalhão), mas julga que os outros são idiotas para engolir as suas patranhas.
            O Sr. é um esquerdista à moda de Barroso e Pacheco Pereira….. espertalhão 😉

          • Renato Teixeira diz:

            Upa, upa. Vá ler o que dizem os seus camaradas sobre o assunto. Dói, é verdade, mas vai ver que fica mais esperto.

  6. Armando Cerqueira diz:

    Renato Teixeira,

    mais que inqualificável, ‘aquela’ parte do comunicado da CGTP é repugnante. Engels falava muito na prova da prática, e na prática esse comunicado é uma condenação dos mineiros e do sindicato dissidente que se opuseram ao patronato e ao Estado – opressor e explorador – da África do Sul.

    A ANC mostrou claramente o seu verdadeiro carácter de classe.

    Para minha perplexidade a CGTP- não o esperava , apesar da sua estreita dependência de burocracias/nomenklaturas partidárias – difundiu um comunicado em que se coloca nos antípodas do que sempre pensei ser a sua razão de ser – a defesa intransigente e independente dos trabalhadores e dos seus legítimos interesses e direitos.

    Não tenhamos medo de pegar o boi pelos cornos. O comunicado da GCTP coloca-a ao nível dos que, noutras épocas e situações, incensaram os massacres perpetrados por Estalines, Francos, Pinochets, ou pelas forças da ‘ordem’ contra os trabalhadores africanos nas colónias portuguesas, etc. Os polícias sul-africanos pós-apartheid atiraram convicta e intencionalmente para matar, tinham aparentemente ordens para tal.

    A internacionalmente irrelevante CGTP (a Intersindical de Daniel Cabrita e de outros democratas progressistas deve estar neste momento a dar saltos de indignação no caixão!) pôs-no bico dos pés, matou o seu passado e solidarizou-se com os exploradores e os assassinos e condenou os trabalhadores e seus defensores.

    A CGTP apoiou assim os aliados dos seus inimigos, deu uma grande ajuda à UGT e à CIP e mais um passo em direcção ao seu suicídio.

    Ó Sr Augusto Praça, o senhor que é um génio da táctica contra os trabalhadores, provoca-me náuseas violentas. Vão longe os tempos da Intersindical clandestina, democrática, anti-fascista e anti-capitalista.

    Armando Cerqueira

  7. Ulhó diz:

    Um sobressalto assalta a Raquel… o que é ser oportunista? pergunta-o de forma quase desesperada aos “amigos” do esquerda.net.

    A raquel revela sabedoria – quem melhor para lhe responder ao que é ser oportunista?; não sei é se quer saber a resposta… pode revelar-se penoso e passar das perguntas “o que é ser oportunista?” para a contestação, “mas, mas, então tb eu sou oportunista?”

    Vai raquel, não desistas, encontra as respostas a tão importantes questões!

  8. José Brandão diz:

    Ora bem, em relação à notícia de Assange, estás contra o Equador e aqui estás contra a CGTP.
    Ora, define-te lá: esquerda ou direita?
    É que para presumível esquerdista revolucionário (de pacotilha fora de data), manobras muito à direita.

    • Renato Teixeira diz:

      Estou pelo Equador ser for consequente e estou com a CGTP quando esta tem razão. Devo ser de direita, portanto.

  9. Pingback: Os sindicatos enquanto satélites do sistema |

  10. Pingback: “Criação da Burguesia” | cinco dias

  11. Nuno Cardoso da Silva diz:

    O meu problema com a CGTP – e estou sindicalizado num sindicato da CGTP – vai muito mais longe do que esta questão sul-africana. O meu problema é a CGTP parecer estar perfeitamente conformada com o sistema capitalista que diz combater, limitando-se a procurar sacar mais algum para os trabalhadores, sem pôr em causa o próprio sistema que está na base da exploração. É evidente que a CGTP se declara anti-capitalista, mas nada faz para subverter esse capitalismo. Faz umas manifestações que não podem levar a parte alguma, porque não se quer que elas levem a lado nenhum. É para fingir que são uma força, quando não têm força nenhuma. E aquela que poderiam ter não querem utilizar, para não inquietar a oligarquia.

    A luta contra a oligarquia capitalista devia centrar-se em duas áreas:

    1. Retirar à oligarquia o controlo da banca.

    2. Retirar, progressivamente, à oligarquia a posse dos meios de produção, ocupando e mantendo a funcionar, sob o controlo dos próprios trabalhadores, todas as empresas em vias de encerramento ou de deslocalização.

    Curiosamente não se vê uma única iniciativa da CGTP num ou noutro sentido. Apesar da sua vulnerabilidade (não se pode deslocalizar) a banca fica intocada por qualquer acção reivindicativa. E nenhum esforço se faz no sentido de incentivar os trabalhadores a ocuparem as empresas em risco, nem de os ajudar a manter a sua ocupação e a efectuar a sua posterior gestão. Os trabalhadores ficam abandonados à sua sorte ou, no melhor dos casos, apenas recebem da CGTP mensagens de solidariedade e reivindicações que se sabe perfeitamente que nunca serão satisfeitas. A CGTP não é um instrumento da luta dos trabalhadores contra o sistema que os oprime. É apenas uma espécie de sopinha dos pobres que finge que ajuda mas nada muda de essencial. Na linguagem de que tanto gostam, a CGTP nada mais é do que um aliado objectivo do capitalismo e da burguesia. Os resultados práticos da sua acção são absolutamente nulos.

  12. Pingback: Alguém perdeu de vez o juízo na Soeiro Pereira Gomes | cinco dias

  13. Pingback: A cor da exploração | cinco dias

Os comentários estão fechados.