Marikana no Esquerda net

O Esquerda net acaba de publicar um artigo sobre Marikana, um editorial de uma revista sul africana que desconheço (e cuja linha política também não nos é dada a conhecer). Imagino que tenha sido seleccionado por ser um bom artigo. Digamos que é um  artigo de princípio contra a actuação da polícia, de denúncia das condições de vida dos mineiros. Até aqui o meu acordo total. O que não compreendo, e fica por explicar no artigo, é este parágrafo:

«É também um fracasso do Sindicato Associativo da Construção e Minas (AMCU), que age de forma oportunista, esforçando-se por recrutar membros descontentes do NUM, mobilizando os trabalhadores com reivindicações irrealistas e não condenando a violência por parte dos seus membros».

O Esquerda.net publica um artigo onde chama oportunista a um sindicato por recrutar membros dissidentes do NUM. O NUM para quem não sabe é o sindicato pró-Governo. Eu não sei o que é o AMCU, se é bom ou mau (e quem está a fazer o Esquerda net também não sabe mas sobretudo não se esforçou por saber) mas pergunto-me: É proibido, errado, um sindicato recrutar membros descontentes com outro sindicato? Isso faz dele oportunista? Os trabalhadores não escolhem o sindicato que querem? O que são reivindicações irrealistas? Ao chamar-se oportunista ao sindicato e burros aos trabalhadores por irem atrás de “reivindicações irrealistas” não podíamos pelo menos ter ficado a  saber que “reivindicações irrealistas” são essas? Porque é que  sindicato deve condenar a violência dos trabalhadores? É por estas razões que um sindicato se torna oportunista?

Para ler mais e melhor aqui, aqui

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a Marikana no Esquerda net

  1. Nuno Cardoso da Silva diz:

    Não há nada de espantar. Para alguns as organizações sindicais não são instrumentos de libertação, são instrumentos de controlo dos trabalhadores. Sindicatos únicos, em centrais sindicais únicas ligadas a partidos únicos é que é bom, para o modelo que lhes é querido. A ditadura do proletariado só pode ser a ditadura dos controladores do proletariado – que é o verdadeiro objectivo – se essa unicidade não for perturbada. Quem não os conhecer que os compre…

    • Zuruspa diz:

      Este fascista gosta imenso de “sindicatos de partido”, especialmente dos amarelos.
      Nos países onde as pessoas säo formadas civicamente os sindicatos säo únicos, e trabalham a uma só voz na defesa dos seus membros, sejam eles de que cor política forem. As eleiçöes para a sua Direcçäo säo disputadas entre listas afectas a vários (se näo a todos) os partidos (Esquerda, Direita, Independentes), e todos aceitam a vontade da maioria. Especialmente porque sabem que desunidos é que näo väo a lado nenhum. E como as pessoas säo formadas civicamente o seu voto näo é “clubístico”.

      Nos países do Sul é onde existem os sindicatos amarelos, e sem coincidência é onde o movimento sindical é mais fraco. Divide et impera. como gostam os fascistas tipo NDdS.

  2. Luís Branco diz:

    Raquel, quando dizes que vais citar um parágrafo deves citar o parágrafo inteiro e não apenas a parte do parágrafo que mais convém ao teu argumento… Aconselho aos leitores do 5 Dias a leitura do artigo completo, mas reproduzo aqui apenas o que realmente diz o tal parágrafo, para que quem leia o teu post não se sinta enganado por ele:

    “É infelizmente também um fracasso da liderança sindical: em primeiro lugar do NUM, que considera qualquer oposição à sua liderança como criminosa, criada seguramente pela Câmara das Minas [a associação patronal do setor mineiro]. Isto obviamente não é verdade. É também um fracasso do Sindicato Associativo da Construção e Minas (AMCU), que age de forma oportunista, esforçando-se por recrutar membros descontentes do NUM, mobilizando os trabalhadores com reivindicações irrealistas e não condenando a violência por parte dos seus membros.”

    • Raquel Varela diz:

      Luís,
      Quando se acusa um sindicato de oportunista explica-se, no mínimo porquê. Idem para as « reivindicações irrealistas». Usar argumentos formais – sendo que eu linkei o artigo todo – para justificar um erro político (publicar um texto errado) não é uma boa maneira de discutir política.

      • Luís Branco diz:

        Raquel, no debate político a honestidade nunca é um formalismo.
        No teu post quiseste passar a ideia que o artigo defendia o NUM contra o AMCU e omitiste metade do parágrafo que dizias citar por inteiro. Logo por acaso era a metade que desmentia a tua tese, com os autores a afirmarem que (do ponto de vista sindical) atribuem ao NUM a maior fatia da responsabilidade pela situação que foi criada naquelas minas.

        • Raquel Varela diz:

          Luís, não creio que discutir intenções seja de bom tom, de boas e más está o inferno cheio. No vosso artigo chamam oportunista a um sindicato, é uma acusação grave que merece ser no mínimo justificada. Foi isso que escrevi.

  3. JgMenos diz:

    O que são reinvidicações irrealistas?
    Porque condenar a violências dos trabalhadores?
    Perturbadores questões? Não, trata-se sim de uma grave quebra de consistência ideológica por parte da RV!
    Irrealista é toda a reividicação dirigida à nomenklatura que há-de conduzir os proletários ao seu glorioso destino socialista.
    Violência condenável é toda a violência não dirigida aos exploradores capitalistas e aos seus lacaios.
    Onde está a dúvida?

  4. Luis Reis diz:

    Ora Raquel, então não sabe?Lá é irrealista, porque são de outra cor sindical ,vivem em barrcas,trabalham sem condições algumas,e, se preciso for até podem comer merda, e agradeçer ao governo” revolucionário” do ANC!! E que dizer daquela filha da puta , comissária da policia, e as suas ameaças, antes do massacre? Viu? Eu vi! É pá, se fosse “branquinha” dava tanto jeito pá…aí sim, era rácismo, e do mais purinho. é por estas e por outras,que estes tipos não merecem o apoio e voto de tantos portuguêses.
    Não dá mesmo…

Os comentários estão fechados.