CGTP-IN toma posição sobre acontecimentos na África do Sul

Queridos camaradas da COSATU,

É com muita preocupação que a CGTP-IN, central sindical portuguesa, e os seus sindicatos filiados, incluindo o dos Mineiros, seguem os mortíferos confrontos na mina de platina em Lonmin.

Expressamos, em primeiro lugar, as nossas mais sentidas condolências aos familiares das vítimas e condenamos todos os atos de agressão, particularmente por parte da força de polícia.

Concordamos inteiramente com a posição do vosso filiado, o Sindicato Nacional dos Mineiros (NUM) ao declarar que “a perda de vidas humanas foi desnecessária e a violência nunca poderá sobrepor-se ao diálogo”. Nada pode justificar os bárbaros assassinatos pela polícia, a sangue frio, a que assistimos.

Estamos conscientes de que o contexto por detrás da violência em Lonmin reside no facto de a empresa mineira sabotar os processos e estruturas de negociação e de ignorar o atual contrato coletivo, tentando ao mesmo tempo dividir os trabalhadores e os sindicatos.

É preocupante que a violência e a repressão policial possam estar a dar sinais de regressar ao país de Mandela, que foi um brilhante exemplo de uma das mais corajosas lutas pela democracia, pela liberdade e pela igualdade que o mundo jamais conheceu.

Queridos Camaradas,

Como afirma o NUM “os culpados da violência e dos assassinatos, alguns já presos, têm de ser condenados”.

Finalmente, transmitimos a nossa fraterna solidariedade à COSATU, aos trabalhadores e ao povo da África do Sul, neste momento de dor, mas também de construção de uma sociedade de paz, desenvolvimento e justiça social.

Augusto Praça
Secretário Internacional
Comissão Executiva da CGTP-IN – Portugal

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

9 respostas a CGTP-IN toma posição sobre acontecimentos na África do Sul

  1. waldo mermelstein diz:

    Bom, claro que não concordo com esta declaração. Mas, para não abundar, algumas perguntas:
    1) Os culpados da violência não são a polícia, o governo e a mineradora? Porque a posição do NUM é prender os dirigentes do sindicato rival que dirige a greve, independentemente das características do referido sindicato
    2) A violência policial dá sinais de regressar? Em que mundo vivem os companheiros? A violência policial é uma realidade na terra da heróica luta contra o apartheid
    3) Qual o grau de colaboração do NUM com as mineradoras? É possível ignorar todas as fontes sul-africanas sobre o tema (basta dar uma passada nos materiais disponíveis na internet sobre o tema? É uma casualidade que o diretor do NUM, Frans Balena, receba 105 mil rands mensais (ao redor de 13 mil dólares), enquanto um “rock driller” receba 4 mil? Isso nada tem a ver com o fato de que haja um setor considerável da massa operária que esteja buscando outra alternativa sindical?
    4) Bom, muito provavelmente não tenhamos acordo, mas há algo pior: após o massacre, a mineradora deu um ultimato até amanhã para acabar com a greve, sob pena de demissão (isso está em todos os jornais, dispenso-me a colocar citações), em um momento em que além disso nem esfriou o sangue dos massacrados e a CGTP não se posiciona contra isso de forma incondicional? Queria entender melhor uma posição como essa para evitar tirar conclusões demasiado fortes e definitivas….

  2. Renato Teixeira diz:

    “os culpados da violência e dos assassinatos, alguns já presos, têm de ser condenados”

    Curioso não sublinhares a parte mais significativa do comunicado, nem sobre ela dares um ar da tua graça.

    Conseguirás explicar porque quer a CGTP prender grevistas?
    http://5dias.net/2012/08/19/a-cgtp-quer-julgar-os-grevistas-na-africa-do-sul/

    • José Manuel diz:

      Renato:

      Não pode haver grevistas culpados? Ser grevista implica imunidade ou inocência automáticas?

      O comunicado não diz para se “prender grevistas”. Diz que os culpados devem ser chamados à justiça, seja quem forem.

      • Renato Teixeira diz:

        Um comunicado que, face a um massacre, se deixa cair na teia da equidistância e que admite que os trabalhadores sejam julgados diz, com todas as letras, que aceita prender grevistas. De resto, e porque este sindicato considera aquela greve violenta, não sei como lhe podem restar dúvidas sobre quem estão a ser atribuídas responsabilidades.

      • Oui,m'a non plus diz:

        Tal e qual,como os banksters,n’é,nélhinho…..?

    • Curiosa noção de “parte mais significativa” do Renato Teixeira!!!

    • A.Silva diz:

      Felizmente que o Renato à frente do seu computador está a par de tudo o que se passou, basta-lhe navegar pela net e todos os pormenores do que se passou lhe veem parar ao colo.

      Ele sabe quem foram os culpados e os culpados foram a CGTP, o ANC e talvez Mandela, que querem prender e matar todos os grevistas, porque todas estas organizações teem um profundo ódio aos trabalhadores e aos sindicatos.

      Como é que é possivel ser-se tão cretino?

  3. Pingback: A CGTP está disposta a fazer cá o que aplaude na África do Sul? | cinco dias

  4. José Jardim diz:

    O Renato Teixeiraa tem uma evolução fulgurante de símio para grunho,devido á “caganeira” revolucionária,tal qual uma criança bébé que comeu um sopa com couves e toucinho.

Os comentários estão fechados.