Vantagem Competitiva

Para tentar provar a impossibilidade epistemológica do socialismo, a direita beata e radical tem que se travestir de liberal, usufruir do financiamento do Estado e dedicar-se à transmutação de chickenshits em quadros. Já para aferir da impossibilidade epistemológica da economia de mercado, porém, bastam os resultados, que falam muito alto, da economia de mercado itself. Não há devoção, fé ou respeito capaz de escamotear a realidade produzida pelo único sistema que não precisa da ajuda de ninguém para eutrofizar.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

34 respostas a Vantagem Competitiva

  1. anti-fanáticos dos pópós diz:

    a parte mais engraçada de toda a conversa é que a criatura, coitada, presume que quando está a falar com comunistas, “joga xadrez” melhor que toda a gente! (no matter how well i play chess…)
    mas será que de facto sr samuel sabe sequer “jogar xadrez”? ou o melhor que ele consegue “jogar” é só mesmo esta pobreza argumentativa e lógica falaciosa que o próprio apresenta orgulhosamente?

    ps – entretanto renato, desculpe lá qualquer cosinha. também se o gajo não o acusasse dos insultos ia acusá-lo de outra coisa qualquer, por isso não se preocupe.

  2. oui, mais non diz:

    Não entendi a referência à recolha de alimentos para justificar a inefabilidade do capitalismo – é suposto crer-se que a fome é algo exclusivo dos sistemas capitalistas? Só devia haver gordos na URSS, então…

    • Renato Teixeira diz:

      Mesmo tendo em conta o seu ponto de vista, no máximo pode concluir-se que ambos os sistemas falharam, não a superioridade de um face ao outro e muito menos a superioridade da economia de mercado face ao que quer seja.

      • oui, mais non diz:

        Ah muito bem. Então concluímos que as hiperligações com a clara intenção de mostrar as falhas do Capitalismo eram inválidas visto que a falha é algo existente em qualquer sistema político e aliás predominante nos países com governos mais à esquerda, sim?

        É que terei todo o gosto em discutir os prós e contras deste tipo de assuntos (certamente noutro sítio), mas com decência nos argumentos usados, i.e. quem tem telhados de vidro não atira pedras.

        • Renato Teixeira diz:

          Não. A esquerda da economia de mercado não serve de contraponto à economia de mercado.

          • oui, mais non diz:

            Comunistas, seja. Cuba tem um governo admitido Comunista e não é exactamente conhecido pela nutrição dos seus habitantes (já para não falar na impossibilidade legal de fazerem roteiros gastronómicos para fora da ilha).

          • Renato Teixeira diz:

            Cuba tem muitos defeitos, é verdade, mas a fome não é um deles.

          • Oui,m'a non plus diz:

            Sr.Oui poderia por exemplo,deixe-me escolher um ao calhas,contrapor Cuba/Bangladesh cujo o último é um paradigma da ‘livre iniciativa’…

          • Oui, mais non diz:

            Portanto já chega de pintar Cuba como um paraíso alimentar e passámos a outros campos?

          • Renato Teixeira diz:

            Claro. Podemos voltar à eutrofização da economia de mercado.

          • De diz:

            Mais uma vez o tal comentador decente tenta esconder os seus telhados de vidro…atirando pedras e depois fugindo.

            Cuba terá muitos problemas,mas a fome não é um deles.Por mais que este “decente comentador” tente provar o contrário.

            Vejamos:
            Na apresentação do Informe sobre o Estado da População Mundial 2011, o Fundo de População das Nações Unidas, além de analisar o fato de que o mundo chegou aos 7 bilhões de habitantes, assegurou que Cuba é a nação com mais alto desenvolvimento humano latino-americano, chegando a afirmar que conta com um desenvolvimento equivalente a um quarto de século de avanço em relação aos demais países da América Latina e do Caribe.

            Isso ocorre devido aos baixos níveis de mortalidade do país, a elevada esperança de vida, seu acesso à saúde e educação, sua saúde sexual e reprodutiva, e os indicadores de envelhecimento de sua população, todos com valores similares e, inclusive, maiores aos de nações industrializadas.

            Com respeito ao enfoque sobre os 7 bilhões de pessoas no mundo, a UNFPA não só evidenciou dados demográficos, como também o aprofundamento das problemáticas sociais e econômicas que implicam no crescimento da população, onde se alguns questionamentos foram levantados: De que maneira reduzir as lacunas entre ricos e pobres e retificar as desigualdades entre homens e mulheres, e entre meninos e meninas? Ou ainda: Como alcançar que as cidades sejam lugares aptos para viver?

            O documento mostrou os grandes contrastes sociais e as necessidades de trabalharmos unidos pelo progresso, como, por exemplo, a questão da natalidade. Enquanto nas nações européias mais industrializadas nascem 1,5 crianças por mulher, na África – de alarmantes indicadores sócio-demográficos e grande pobreza –, nascem cinco bebês por mãe. Esta conquista de Cuba se soma a sua reconhecida luta contra o racismo, a desnutrição infantil e sua comprovada qualidade em todos os níveis de educação.”

            Ah,já agora…o tal jornalista não viveu 30 dias como um cubano.Viveu 30 dias como um americano em Cuba.

            Mais uma volta ao roteiro gastronómico do comentador decente em busca aflitiva de argumentos para esconder o seu excesso de peso?
            Há mais.

          • Oui, mais non diz:

            1 – Dizer que Cuba tem a melhor situação alimentar da América do Sul é como dizer que de um grupo de anões, o nº 4 é o mais alto. É claro que não estamos a falar da Libéria, mas se comparássemos com os critérios mínimos Europeus seria eclipsada.

            2 – Ah agora como houve realmente alguém a passar fome em Cuba já vivia em excessos… que eu saiba a premissa da reportagem era viver em Cuba com o salário que aquele paraíso paga aos seus funcionários públicos, mas se tem informações em contrário partilhe!

            3 – Vê como escrever algo mais do que disparates de sentido oculto sobre baba (wtf) não é difícil =)

          • Renato Teixeira diz:

            Se comparado à Grécia e a Portugal, a antecâmara do futuro da Europa, acho que não temos razões para sorrir.

          • De diz:

            Sim mas não:
            Não sou eu que o digo.É um relatório de uma organização das nações unidas.
            Sei que talvez isso lhe custe a perceber.Mas o que quer?Contra factos não há argumentos.Só talvez …uma baba?
            Lol

            O partilhar de informações será possível.
            mas o que quer?Exige-se algo mais do que neologismos e comentários tontos e tolos sobre gordos e sobre fome.Daí que faça um esforço para ver se compreende tão inefável ou se quiser tão críptica afirmação.
            Eu repito:o tal jornalista não viveu 30 dias como um cubano.Viveu 30 dias como um americano em Cuba.

          • De diz:

            Mais um pormenor de como a ignorância se confunde com o pendor de “atirador de pedras”,disfarçado de decente comentador:
            Falo em América latina e do Caribe.
            O tal “sim,mas não” fala em América do Sul para no fim se refugiar nos “critérios mínimos europeus”

            O que dizer de tal?
            Talvez …baba desonesta,não?

            Mais o resto atente aí no comentário do Renato sobre o caso

          • Oui, mais non diz:

            Portanto é de concluir que a fome é um maior problema em Portugal e na Grécia do que em Cuba? Oh Renato….

        • Antónimo diz:

          Mas o que é ter telhados de vidro?

          POde votar-se num partido com a mesma designação de outros noutros lados, mas isso não faz com que esse partido tenha governado nesses outros lados (e ligações institucionais ou elogios de realpolitik…)

          • Oui, mais non diz:

            Tem razão, um partido dito Socialista não será o mesmo em Portugal que na Alemanha ou nos Estados Unidos. Estava a referir-me mesmo a governos auto-proclamados comunistas.

          • De diz:

            Mais uma vez a pressa em pontificar traduz-se no disparate?
            Ou na má fé?
            A discussão passava e cito palavras do Oui mais non:”É que terei todo o gosto em discutir os prós e contras deste tipo de assuntos (certamente noutro sítio), mas com decência nos argumentos usados, i.e. quem tem telhados de vidro não atira pedras.”

            Ou seja, a discussão sobre a situação implicava lisura de procedimentos e seria aberta à discussão pelos vários campos doutrinários e pelos diferentes comentadores

            De repente e após o post oportuno de Antónimo, eis que Oui mais non se acantona aos ditos “governos auto-proclamados comunistas”.Era afinal ao que ele se referia segundo o próprio.

            Em última análise como ninguém por aqui esteve num governo auto-proclamado comunista, para quem se dirigirá a enigmática frase sobre os tais “atiradores de pedras”?Dirigentes ou ex-dirigentes governativos auto-proclamados comunistas?Em processo de ocultação identitária?Esses sim proibidos de atirar pedras pelos motivos invocados?

            Efeitos dos microfones condicionados via zita?

    • De diz:

      Até nestas questões comezinhas se prova a ignorância um pouco primária.
      Esta de se insinuar que a ausência da fome encontra a sua prova na presença de gordos…(nem vale a pena até convocar todos os ditos)

      Inefabilidades de quem argumenta assim…
      ( e que reivindica até “decência nos argumentos” )

      • Oui, mais non diz:

        Talvez não tenha sido claro: a referência a gordos era alegórica. Foi adorável ver como se fez de desentendido, mas vou ser claro: havia fome na URSS. Há fome em Cuba. Quando quiser fazer uma contribuição apreciável podemos discutir o tema.

        • De diz:

          Pelo contrário foi muito claro.
          Apenas deixou transpareccer a sua pequena baba.
          Já não adianta defender o indefensável.Torna-se assim necessário apontar as pedras para o telhado ao lado
          lol

          Como alguém diria:
          “adorei,adorei ,adorei.”

          Fui claro o suficiente para o inefável adorador?

        • De diz:

          E sabe…quando a baba escorre solta como parece ser o caso,saltam os tais disparates que se disfarçam de alegorias.
          E que depois se pintam como…adoráveis
          🙂
          Há mais.

          • Oui, mais non diz:

            “Fui claro?”
            Nada. Enquanto não acabarem as metáforas e outros criptismos fico na mesma. O que aliás deve durar pouco, visto as horas que são.

          • De diz:

            Não fui claro?
            Oh diacho!
            Continue a tentar que talvez chegue lá.
            (Mesmo atendendo às horas do dia)

          • De diz:

            “Criptismos”?

            Eu até gosto de neologismos…mas utilizar este para englobar as metáforas…
            Talvez resulte tão somente do desconhecimento do que é uma metáfora.E do seu acantonamento como algo críptico para o decente comentador
            Talvez assim se perceba a dificuldade em compreender algumas coisas

          • Oui,m'a non plus diz:

            O xor, oui quelque chose,lembre-se e esteja recatado uma vez que a reserva pedófila ,perdão moral do PSD, morreu na semana passada!Mas,há ainda uma reserva vivente do mesmo calibre.Quanto a Diplomas,o ‘dr.’ relvas fez o pleno face ao sócas.De ladrões de alto gabarito destaca-se o dr. dias loureiro,amigo dum dealer de armas ao terrorismo da v ossa prestimosa alqaeda,tropa de choque da plutocracia mundial banksteira.Corruptos,também pode falar,gajos como ferreira do amaral,cardoso e cunha,……Até assassinos de velhinhas vocês teem.Portanto,feche a matraca,pq não passa dum reles lambedor de botas e volte para o esgoto que é o seu espaço.Não merece respeito gente como você,não passa dum Terrorista social/sociopata!!!!

          • Oui, mais non diz:

            ಠ_ಠ
            Vou assumir que simplesmente pegou num gerador aleatório de frases e colocou o output no seu comentário. Mas parabéns, ultrapassou o De em termos de criptismo, se bem que se deixou para trás em referências a excreções corporais.

        • A.Silva diz:

          Oh ignorante, fome em Cuba?

          Nunca ouviste dizer que neste momento há milhões de crianças que não têm um tecto para dormir, mas nenhuma é cubana!

          Saberás tu, ó ignorante que Cuba ocupa 0 13º lugar no ranking de medalhas das olimpíadas de Londres.

          Saberás tu, que apesar de todas as filhas da putice dos EUA, de todos os bloqueios CRIMINOSOS, em Cuba todas as crianças bebem leite.

          Fica-te pois com todos os gordos americanos, imagem clara da hipertrofia de um sistema em estado terminal.

          • Oui, mais non diz:

            Antes de mais pedia-lhe alguma contenção na maneira como se dirige a alguém que não conhece de lado nenhum.

            Em segundo, está a dizer-me (sic) que não há uma
            única criança sem tecto em Cuba? Milagre! Nem sei porque tenta tanta gente fugir a nado de lá!

            Não sabia que ocupar uma boa posição nos Jogos Olímpico era sinal das boas condições alimentares de uma nação. Ou era mesmo por desespero de argumentos que teve de ir buscar qualquer coisa?

            Não entendi as referência aos EUA. Aparentemente para se achar que Cuba é uma ditadura criminosa tem de se amar os Estados Unidos.

  3. Edgar diz:

    Estas discussões filosóficas …!
    Sugiro em alternativa o seguinte tema: a influência da epitimologia na discussão sobre a impossibilidade epistemológica do socialismo.
    Talvez assim possam aprofundar o conhecimento dos motivos por que “ambos os sistemas falharam” e “Cuba tem muitos defeitos”.

    Já não há pachorra para os que sim e para os que nim!

Os comentários estão fechados.