Piquetes da Cares

Bem sei que os mineiros nos enchem a alma, mas enquanto eles entravam em Madrid os médicos portugueses fizeram a mais bem sucedida greve contra a austeridade – o seu lugar na reprodução do capital e os custos da paragem concertada de todos revelaram-se incomportáveis. O que sobrar do SNS, até agora, será a eles que devemos. Começou em várias indústrias a greve às horas extraordinárias contra a nova lei laboral. Por cá, os trabalhadores da Cares lutam pelo emprego. Por esse país fora piquetes, greves, acontecem sem que a comunidade, fora dos militantes dos partidos e das famílias dos trabalhadores, seja envolvida. Os trabalhadores da CARES chamaram os movimentos sociais para a eles se juntarem. O MSE e outros estiveram lá, ao lado dos sindicatos. Podem criar-se dinâmicas de solidariedade desde que as lutas sejam mais importantes do que a disputa partidária dos quadros que lutam. Até porque nenhum partido vai ganhar nada nem ninguém em cima de derrotas.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 Responses to Piquetes da Cares

Os comentários estão fechados.