Não é a primeira vez e não será a última

No Delito, conspira-se contra a opinião e suspira-se pela censura.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a Não é a primeira vez e não será a última

  1. Antónimo diz:

    Para se justificar, autora recorre ao facto de ter sido jornalista.

    Quando um jornalista defende este pluralismo onde os jornais fazem escolhas editoriais que não previram a crise e escolhem comentadores que ajudaram a provocá-la, das duas uma: ou é parvo (o que não se descarta) ou defende as cores dos que nos trouxeram até aqui.

    • Antónimo diz:

      e mais acrescento que sendo dos que não sendo parvos e defenderam as cores dos que nos trouxeram até aqui ou que são daqueles que acham que os outros são parvos (e são também eles parvos) ou desses outros que acham que o jornalismo só é jornalismo quando lhes defende os pontos de vista e não quando tenta ser pluralista o que também os reduz à situação de parvos.

      Ou seja, a gaja (aposto que o termo a irrita, mas não é por isso que o uso é mesmo por uma ausência de paternalismo sexisticamente comprometido ) é parva, olhe-se por onde se olhar.

  2. Ricardo Gonçalves diz:

    Venho deste modo apresentar-lhe o meu novo projecto. Trata-se de um novo blog que pretende fazer uma análise clara e concisa sobre a actualidade nacional e internacional.
    Este projecto surgiu no seguimento do término da minha licenciatura na Faculdade de Economia do Porto (FEP). Sempre me interessei bastante pelas questões macroeconómicas, mas entendi que só após a minha licenciatura estaria preparado para abordar estas questões com o rigor que se lhe exige. Gosto de fazer análises credíveis e baseadas sempre em estatísticas credíveis, como irá reparar ao visitar o blog.

    PS: o link do blog é http://ecoseconomia.blogspot.pt/

    • Tima diz:

      Este Ricardo tem uma lata apreciável. Um neo liberal a publicitar-se num blog de esquerda. Sugiro fechar o seu blogue e abrir já um ferro-velho porque lata não lhe vai faltar.

  3. Pingback: Fenomenologia de um Jornanalista | cinco dias

Os comentários estão fechados.