O RELVAS DO SÓCRATES: “Houve alturas em que eu queria e não podia ser, houve alturas em que eu queria e havia pessoas mais bem colocadas, houve alturas em que não queria. Essas perguntas não se fazem em abstracto, fazem-se no momento certo, quando as oportunidades existem. (…) Se me perguntar se eu posso ser guarda-redes do Benfica, digo-lhe claramente não posso ser guarda-redes. Ser secretário-geral do PS é diferente. Acho que tenho algumas qualidades que poderia mobilizar a favor dessa função. É uma pergunta que se pode fazer em abstracto, não se pode é responder em abstracto”

Depois de aberto o caminho, António Costa deu mais um passo rumo à liderança do Partido da Abstenção Violenta.

O Pajem do Sócrates, qual Relvas do anterior primeiro-ministro, anunciou o princípio do fim da patética figura e diz-se na posse de “algumas qualidades” para trazer de volta o que ninguém de bom senso pode ter saudades.

Compete à esquerda derrubar o governo antes que esta gente esteja preparada para repetir tudo de novo.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 Responses to O RELVAS DO SÓCRATES: “Houve alturas em que eu queria e não podia ser, houve alturas em que eu queria e havia pessoas mais bem colocadas, houve alturas em que não queria. Essas perguntas não se fazem em abstracto, fazem-se no momento certo, quando as oportunidades existem. (…) Se me perguntar se eu posso ser guarda-redes do Benfica, digo-lhe claramente não posso ser guarda-redes. Ser secretário-geral do PS é diferente. Acho que tenho algumas qualidades que poderia mobilizar a favor dessa função. É uma pergunta que se pode fazer em abstracto, não se pode é responder em abstracto”

Os comentários estão fechados.