Texto do Pedro Rosa Mendes na manifestação contra o Professor Dr. Relvas

«Faz agora um ano, o senhor ministro Relvas mandou um dos seus tutelados desempregar-me. Entre comer-e-calar ou ir à vida, fui estudar. O ano lectivo acabou há pouco. Vou poupar o senhor ministro Relvas à lista das minhas notas, para ele não tomar isso como um insulto. Não estou aliás aqui hoje, nenhum de nós está, para o insultar. Nem é bom nem é preciso. Miguel Relvas é o seu próprio insulto. Citando um seu colega de partido, mentiu nas três modalidades possíveis: mentira pura, omissão relevante, sugestão no erro. Não teve sequer altivez na intrujice. O que fez e como fez é rasteiro, é daninho, é imperdoável.
Quando um gato se faz passar por lebre, é triste. Quando o gato chega a ministro, é grave. Quando o gato se obstina no cargo, é intolerável. Senhor primeiro-ministro, Dr. Passos Coelho, viemos hoje aqui dizer, com o mesmo civismo de há uma semana: aqui há gato! O senhor Relvas não é só o seu ministro da Presidência. É, antes de mais, nosso ministro da República. Mantê-lo em funções é uma vergonha nacional. Nem tudo o que é «legal» é moral.
Julgo que é importante também recordar a essência desta manifestação: muitas coisas são negociáveis em democracia; não, nunca, a dignidade mínima no exercício de funções públicas.”

Pedro Rosa Mendes
Escritor e estudante

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

1 Response to Texto do Pedro Rosa Mendes na manifestação contra o Professor Dr. Relvas

  1. Mário Estevam diz:

    Notícias da reforma agrária em curso. Cañamero y sus paysanos promoveram a ocupação de “Las Turquillas”, Osuna – Sevilha, quinta de 1200 ha, propriedade do exército que usa o espaço para a criação de cavalos.

    “En esta comarca hay un 40% de paro y hay que darle respuesta a esta situación, antes de que el Estado o la Junta terminen vendiendo estas fincas a grandes terratenientes o propietarios privados. Queremos demostrar que, en manos de cooperativas, la finca tendrá otro uso, pensando en la creación de trabajo y en sacar productividad a la tierra y no sólo en subvenciones de la UE”.

    http://www.publico.es/espana/440020/jornaleros-andaluces-ocupan-una-finca-militar-en-osuna

    http://youtu.be/t8Zd9JcwEcQ

Os comentários estão fechados.