Derrubar o Dr. Relvas é, também, derrubar a austeridade.

Alerta Vermelho – A partir de agora só manifestações pela revolução socialista. Qualquer coisa abaixo disso trata-se de uma capitulação sem palavra, uma violação a gosto e sem preservativo. Pena é que o Lenine não tenha vivido o suficiente para escrever o livro “Sectarismo – a doença senil do comunismo”. Elaborar a realidade para que ela não choque com as nossas teorias tem efeitos perversos, um dos quais, está visto, é não ver as vantagens políticas que tem o derrube do Dr. Relvas. Para lá de se mostrar onde está, de facto, o poder, há ainda a fragilidade que isso gera no governo e na austeridade. A sua continuidade, para lá de garantir uma boa fonte de inspiração para os humoristas, não acrescenta nada. Os de baixo continuarão com a terrível sensação de impotência e os de cima reforçarão a sua ilusão de impunidade. O Impeachment a um é meio caminho andado para a saída de cena de todos os outros e o Bruno Carvalho devia meter os olhos no PCP que além de estar farto de exigir que rolem cabeças (e outra, e outra) também já veio pedir a demissão do Dr. Relvas.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.