Jogo da coragem

Na sequência deste post da Raquel.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

16 respostas a Jogo da coragem

  1. Raquel Varela diz:

    🙂

  2. Pascoal diz:

    A cidadania contra a prepotência.

  3. Kirk diz:

    Ninguem duvida que a luta dos mineiros espanhois é importante, principalemente para o futuro do povo espanhol; mas para o futuro a curto ou médio prazo do povo português a sua importancia é duvidosa.
    Porém iniciou-se ontem uma greve, de dois dias, dos médicos com o objectivo declarado logo no primeiro ponto do pré-aviso de defesa do Serviço Nacional de Saúde, uma das conquistas mais importantes de Abril e que a reacção instalada em S. Bento teima em querer destruir. Isto é que é importante para o nosso povo. Para alem do mais esta greve é mais determinante para a derrota da agressão neo-liberal que o nosso país sofre que a luta dos mineiros espanhois.
    A greve foi decretada pela FNAM (sindicato inscrito na CGTP) e palo SIM (sindicato sem fliação em qq das centrais sindicais). Teve, além disso, o apoio da Ordem dos Médicos e em particular o seu Bastonário.
    Reparei que a luta dos mineiros espanhois, cuja, repito, é importante, mas mais para o povo espenhol que para o português, teve direito a diversos posts.
    Reparei que uma greve decretada por um grupo profissional português, que colheu a adesao de cerca de 90% dos profissionais médicos, que paralisou os serviços de saúde de tal maneira que não houve lugar ás conhecidas mentiras dos malfeitores do governo sobre a representatividade daquela luta e que teve como ponto alto uma concentração/manifestação em frente ao ministerio da saude, onde se calcula terem estado presentes cerca de 2500 médicos, não teve direito a qualquer referencia neste blogue de esquerda, ao contrario do que aconteceu noutros.
    E dizem-me os camaradas que não sao sectários? Não, não sao nada sectários; como é uma greve de médicos mesmo que feita para defender Abril não merece a justiça de divulgação e discussão.
    Podem crer que o ministro Paulo Macedo gostaria que a greve tivesse passado despercebida de todo. Aqui no blogue, ao ignorarem a greve e a dimensão que atingiu só lhe fizeram o jeito. Ele agradece. Tenho a certeza que o povo português lamenta.
    K

    • notrivia diz:

      De certo modo tens razão…
      Mas greves há muitas, lutas a sério contra o aparelho repressor, poucas, em portugal zero.
      Como diria o Coisa (tipo de pedra, cor de laranja..) do quarteto fantastico:
      Tá na hora do pau! 🙂
      E mais, não é de agora que as greves dos médicos registam sempre grande adesão e eles acabam sempre por ter o que querem.
      Provavelmente deves saber que se há profissão com lobby poderoso, então aí está!
      Espero que se safem, mas eles safarem-se não significa que o resto se safe.

  4. licas diz:

    Se eu fosse ao polícia dáva-lhe
    uma chapada que a fazia dar 4 voltas sobre si mesma:
    para não se esquecer que enfrentar /confrontar uma agente
    da autoridade democrática demonstra que, pelo menos, a
    democracia a incomoda.
    Isto é se estivesse no lugar do agente . . .
    Depois quem fez o *boneco* que pretendeu? RESPONDAM !

  5. Edgar diz:

    Imagens destas fazem-me lembrar o fascismo e a coragem de muitos que enfrentavam a polícia armados com a força da razão.

  6. licas diz:

    Estou a pensar nas consequencias do MESMO EPISÓDIO
    numa Plaza de Habana . . .

    • De diz:

      Este miserável agora é apologista da agressão e da porrada?Tal como os camisas castanhas de outrora.
      Um pequeno…

    • licas diz:

      Gostaria de ver o que aconteceria se a cena fotografada
      se passasse numa Calle de Habana, no paraíso socialista
      da Dinastia Castro . . .

      • De diz:

        Miserável.V não gostaria de ver nada.V é um torcionário adepto da porrada e do cacete.Um candidato a um reles pide

  7. Francisco d'Oliveira Raposo diz:

    Ora aqui está um(a) “corajoso(a)”.
    O “respeitinho é muito bonito” e a “coragem” dos anónimos não tem limites

Os comentários estão fechados.