Proletariado, Consciência de Classe e Futuro Histórico

Assim foram recebidos em Madrid os insurrectos Mineiros das Astúrias. Haverá mais lições a tirar ou podem considerar-se enterrados os fundamentos teóricos quer do pós-modernismo quer do neo-liberalismo?

Hoje, em Lisboa e no Porto, haverá igualmente actos de solidariedade.
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

15 Responses to Proletariado, Consciência de Classe e Futuro Histórico

  1. Antonio diz:

    Explique la porque é que devemos ser solidarios com os mineiros? Porque sao mineiros? Isto inundar os blogs com imagens epicas da classe trabalhadora e nao dar explicaçoes é que nao dá com nada. Faz a minima ideia do que defendem? Porque protestam? Porque lhes vao acabar com a mama? Ajude-nos vá….

    • Renato Teixeira diz:

      Porque são mineiros, épicos, parte da classe trabalhadora e merecem a nossa solidariedade para acabar com quem lhes anda pendurado nas mamas.

    • maria diz:

      António, onde é que andas a mamar?

    • Francisco d'Oliveira Raposo diz:

      Não sou, como é patente, advogado do Renato.
      Mas o António dá-se conta que introduziu na sua pergunta a verdadeira razão da pergunta? Repare:
      “Porque lhe vão acabar com a mama?”
      Deve ser verdadeiramente uma “mama” trabalhar nas minas de carvão.
      Deve ser verdadeiramente uma “mama” destruir comunidades inteiras que dependem da minagem de carvão.
      Deve ser verdadeiramente uma “mama” acrescentar desemprego e desespero a profissionais que trabalham – por força da ganância dos patrões/gestores – em condições de crescente definhamento da segurança e saúde.
      Pela sua não pergunta o António sabe. Sabe mas não partilha, pelos vistos. Apenas larga a “mama”.
      Mas que lhe incomoda nesta luta?
      É ver idosas a enfrentar os “armários” da repressão de Estado?
      É ver aldeias inteiras em verdadeira “luta de guerrilha” para defender – sem tibiezas e calculismo – a sua sobrevivência?
      É a crescente solidariedade entre os trabalhadores, desempregados e jovens do Estado de Espanha?
      É a frustração de não conseguir resistir ao que o afecta?
      É o receio que esta luta alastre, ou sirva de exemplo?
      Enfim… à perguntas que não são para responder, pois não, António?

  2. mb diz:

    No mínimo emocionante a atitude do povo espanhol .
    Por cá o desgoverno vira os portugueses uns contra os outros e instala uma politica de medo com sucesso .
    Por cá é mais do tipo a minha manifestação é melhor do que a tua e se por acaso resultar que se fodam as outra manifestações.

    • Vasco diz:

      mb: É sempre melhor lá longe, não é, onde podemos ter solidariedade (e ainda bem) mas não temos nada mais a ver com ela… Lá longe, que é fácil, é sempre melhor… Cá, dá trabalho, temos que vencer ilusões e desilusões, medos e resignações e, infelizmente, também alguns que se montam em tudo o que mexe (nada tendo feito para que mexa) em busca de protagonismo… Mas, ainda assim, tem que ser feito – pois ninguém o fará por nós!

  3. Kirk diz:

    Off Topic
    Os serviços de saude deste país estão parados dois dias devido a greve dos médicos como forma de protesto contra a politica de destruição do SNS deste governo e nem uma palavra sobre isso neste blogue?!!!
    K

    • Renato Teixeira diz:

      kirk, repare que um blogue não é uma agência de notícias. Se alguém tiver algo a acrescentar acrescentará, caso contrário não faz grande sentido republicar o que já foi publicado, não lhe parece?

  4. Vasco diz:

    Ó António, entre outras coisas defendem o direito ao trabalho, aos direitos nesse mesmo trabalho e à continuidade da laboração das minas – fonte de riqueza, senão para os donos das minas, para o Estado espanhol. Parece-lhe pouco?

    Quanto aos 7%, não sabia que o Renato estava nas sondagens. Está a falar de quem?…

  5. Pingback: Povo A(r)mado | cinco dias

Os comentários estão fechados.