2º day of burning art | “BURNING SONG ouvi dizer”

2º day of burning art | “BURNING SONG ouvi dizer” | cena do meu filme RASGANÇO

“In Portugal the european policies of austerity implemented by the actual government extinguished the ministry of Culture.

What is a people without culture, without art, without identity?
A slave people. A people who doesn’t live, only survives.

As an artist, I refuse to give up.
Raquel Freire 2012”

July 10 until July 19 | 2012
ART PROTESTERS

http://artprotesters.wix.com/artprotesters#!home/mainPage

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

9 respostas a 2º day of burning art | “BURNING SONG ouvi dizer”

  1. mala.testa diz:

    ó miga,
    desculpa lá dizer-te isto, mas já devias ter feito isto há muuuuito tempo… e já agora o outro da grávida que fura a barriga também

    são fases… experiências que uma pessoa faz. depois deixa de fazer sentido. são como nós.

  2. Kirk diz:

    Off Topic
    Os serviços de saude deste país estão parados dois dias devido a greve dos médicos como forma de protesto contra a politica de destruição do SNS deste governo e nem uma palavra sobre isso neste blogue?!!!
    K

  3. raquel freire diz:

    não me trate por miga, que quem não se identitifica meu amigx não é de certeza.
    nem tenho paciência para paternalismos bacocos.
    e já agora, por si também se queimavam uns livroas não? sei lá…os do saramago, para começar, os da isabel barreno… tudo o que incomoda.
    a arte não deixa de fazer sentido. nem a criação artística. nem a cultura. são essenciais à vida.
    sabe o que são “experiências que uma pessoa faz”?
    os seus comentários. aí cito-o: “depois deixa de fazer sentido”. são como você.

    • luxemburgo diz:

      O institucionalíssimo saramago, prémio nobel e tudo (ao incómodo Joyce não o deram) incomoda? quem?

      • De diz:

        Há aqui qualquer coisa que não funciona.
        Agora fala-se em Saramago por ser “institucional”?
        É uma piada certo?É que nós não nos esquecemos das polémicas com um secretário de estado e que motivaram a saída do escritor de Portugal.Antes do Nobel,dirão alguns.Sim,mas o presidente da república portuguesa portou-se vergonhosamente na hora da morte de Saramago.E os comentários da cáfila dos borra-botas do regime encheram as páginas dos media que replicam as vozes do dono.Um deles,lembro-me bem, um tal Camilo Lourenço, berrava contra Saramago (ainda em vida deste),feito histérico, a condizer com o seu perfil de *** em serviço.

        É que essa treta de se comparar escritores (como se isso fosse necessário) com base no putativo incómodo de uns e outros é um assunto que apenas demonstra uma coisa.A falta de coragem de se mostrar ao que vem e o que o traz

    • Rivera diz:

      Dos piores filmes que alguma vez vi, mesmo assim não merece ser queimado

  4. licas diz:

    Óh *fêmea de homo sapiens sapiens * ( o anterior postador teve
    que ouvi-las por errado endereçamento . . .):
    ESSA COOOOOISA de queimar cópias, não o original,
    da tua obra-prima do cinema nacional tenho de dizer-lhe
    que é IMBECIL, FÚTIL e PUERIL pois não chega a ser,
    sequer um acto (ato) de protesto, como todo o ser racional compreende.

    • raquel freire diz:

      alguém que começa um texto dirigido a uma pessoa por: “Óh *fêmea de homo sapiens sapiens *” só me merece um comentário – fêmeas são xs animais, mas há alguns humanos que são umas verdaeiras bestas.

Os comentários estão fechados.