A Capital Europeia da Cultura e a arquitectura

Guimarães 2012 não ficará para a história somente pelas vaias a Cavaco Silva. Colocando-me à margem da discussão sobre o conhecido despudor com que o bloco central nomeia administradores, matéria importante mas que exigiria outros caracteres, importa valorizar o seu contributo para as discussões em torno da arquitectura.
Gabriela Vaz Pinheiro e a sua equipa conseguiram organizar o acontecimento mais heterogéneo dos últimos anos, lançando temas militantemente ignorados neste tipo de eventos. O reconhecimento do papel central de Nuno Portas no urbanismo e na crítica de arquitecta foi diagnosticado numa exposição de carreira organizada por Nuno Grande. A par de muitos acontecimentos promoveram-se concursos dos quais saliento o de intervenções nos espaços públicos, “Performance Architecture”, comissariado por Pedro Gadanho, que obteve 240 candidaturas. Por último, classifico como de especial interesse o projecto de investigação Devir Menor, concebido por Inês Moreira e Susana Caló, no qual se pretende registar no contexto ibero-americano práticas marginais e potencialmente transformadoras. Em Devir Menor valoriza-se as arquitecturas de intervenção, social e politicamente empenhadas.
Regressado a Lisboa, oiço o director-geral das Artes anunciar a representação portuguesa à Bienal de Veneza descrita como uma “embaixada” da “melhor arquitectura portuguesa” para que “potencie os seus protagonistas e projectos”. Segue-se uma repetição de nomes e projectos presentes em todas as exposições do regime, numa linha cada vez mais sectária de uma certa Lisboa, enquadrada e, supostamente, qualificada pela presença de alguns nomes maiores, que mais não farão do que deixar filmar-se ou fotografar-se.
Será Veneza a última música da banda do Titanic? A Trienal de Arquitectura de Lisboa o dirá.

Publicado hoje no i

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

Uma resposta a A Capital Europeia da Cultura e a arquitectura

  1. Baresi88 diz:

    Fica para a história pela falta de Ministério e por usar um acordo que mata a língua portuguesa. Logo como pode ser capital europeia da cultura?

Os comentários estão fechados.