No Sábado, sejamos inseparáveis – como o Calvin & Hobbes

O Movimento Sem Emprego (MSE) realiza esta quinta-feira, em Coimbra, três acções de protesto contra o despedimento colectivo no call center da Zon. O tempo em que os despedimentos de sub-empregados se consumava sem qualquer denúncia ou resistência, acabou.

Faltam dois dias para a Manifestação Pelo Direito ao Trabalho

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , . Bookmark the permalink.

21 respostas a No Sábado, sejamos inseparáveis – como o Calvin & Hobbes

  1. Tima diz:

    Convém também não esquecer o encerramento do “call center” (e neste caso pior por trabalharem para o Estado) da Segurança Social em Castelo Branco onde mais 400 pessoas vão falar para o boneco.
    E já agora! Esse apelo do sectarista Renato aos inseparáveis é pena que só se faça em manifestações (trabalhar para o número de participantes). Mas aqui pelo blogue os caviares do Bloco é só para estas ocasiões que convém aparecer. Porque quando toca a unir em termos políticos o Bloco é tratado ao nível de cão… Em dias bons!

    • Renato Teixeira diz:

      Oh Tima, unidade na luta diz-lhe alguma coisa? É que para isso não é preciso que haja unidade de pensamento.

      • Tima diz:

        Claro que não. As críticas e o bota abaixo ao BE por aqui no blogue seguem depois da manifestação. Até lá pax romana…

        • Renato Teixeira diz:

          Antes, durante e depois. A unidade de acção, caso o BE e os seus acabem por ir, não pressupõe a supressão da liberdade crítica.

          • Tima diz:

            “A unidade de acção, caso o BE e os seus acabem por ir, não pressupõe a liberdade crítica.”

            Frase curiosa esta… A unidade na luta não pressupõe a liberdade crítica… Claro! Pensamento único é o que conta por certo.
            E nunca se esqueça das suas prioridades! Contra a Esquerda marchar… Você deve ser assim uma espécie de redskin. Tudo o que não é por si à esquerda é para destruir. Enfim… Assim vão as glórias de quem ainda se julga de esquerda.

          • Renato Teixeira diz:

            Leia melhor. Não pressupõe a supressão da liberdade crítica.

  2. Kirk diz:

    Renato
    Com tantas duplas de qualidade no universo da BD logo tinha que ir arranjar um puto americano que ainda por cima é atrasado mental. Porra p´rá sorte.
    K

  3. Rocha diz:

    Viviane Reding, vice-presidente da Comissão Europeia: “Chegou a hora de uma federação europeia”.

    Uau! Abram o champanhe “europeístas de esquerda”, defensores na permanência no euro e internacionalistas monetários. Finalmente o colonialismo vai ser oficial, façam festa de arromba. Com milhões de desempregados e biliões de lucros, com credores e enforcados, chegamos à tão aguardada fase da Federação/Império.

    Vamos lá esmagar povos um após o outro até ao ponto em que entre gregos e alemães vai ser só beijos e abraços pelo tanto que uns fizeram pelos outros em nome da revolução internacional, claro está! Nada como um genocidiozinho para espalhar a fraternidade entre os povos!

  4. pedro pix diz:

    Estas manifestações não têm qualquer valor, impacto, simbolismo ou importância, uma vez que não têm a mínima cobertura mediática. Alguém tem de perceber que estas ações têm de ter visibilidade para serem um grau de eficácia que mereça o esforço de às mesmas comparecer. O que se prepara pela Europa e começou nos países do Sul é o maior assalto a direitos sociais e noções como fundamentais como (verdadeira) democracia e estado de direito que têm vindo a ser conquistados gradualmente desde o o séc. xix e que estão na iminência de ser arrasadas em 10 ou menos anos. Que as pessoas se manifestem pacificamente enquanto este capitalismo destrói coisas pelas quais tantos no passado deram a vida, será, no futuro, visto como uma das páginas mais negras da história da humanidade. Deixamos que nos façam isto sem esboçar o mínimo gesto de revolta, satisfeitos com o facto podermos exprimir a nossa indignação, esquecendo-nos que seremos vistos como aqueles que tiveram a melhor oportunidade para mudar o curso da história e não o fizeram por cobardia e comodismo. Da nossa geração, a história rezará pelos piores motivos. Nunca estive tão certo de que pertenço a uma geração rasca e eu próprio mereço esse epíteto; a única via que nós pode salvar é declarar guerra sem tréguas e combater, não com palavras mas ao abrigo do Convenção de Genebra, as forças do da corrupção e do neo-liberalismo que, em Portugal, estão determinadas a arrasar as nossas vidas, o futuro dos nossos filhos, pilhando ao povo as riquezas do país.

    • Renato Teixeira diz:

      As manifestações são um meio. Não o fim.

      • Tima diz:

        Alteraste a frase e não admitiste? E vens me atirar com areia para os olhos?
        Afinal jogas rateiro e só acabaste agora por confirmá-lo… Que coisa sem categoria. E podes cortar o comentário à vontade. Pessoalmente já sei o que vales… É nas pequenas coisas que se vêem os grandes homens (neste caso a sua ausência).
        Tenho a página de comentários gravada sabias? Se quisesse agora fazia-te passar um mau bocado mas realmente não vales a pena.

        • Renato Teixeira diz:

          Alterei a frase muito antes do seu comentário chegar. Não se devia dar ao trabalho de editar à posteriori o que não lhe fez confusão num primeiro momento.

          Não prefere discutir as razões pelas quais o BE é destratado? E pelas quais independentemente das diferenças à esquerda deve haver unidade de acção?

  5. Diogo diz:

    Manifestações, palavras de ordem, cartazes, discursos e canções não têm resultado nenhum. Até quando se vai continuar a apostar nestas estratégias inúteis.

    • Renato Teixeira diz:

      Já a aposta útil é?

      (Note que os objectivos do MSE não se esgotam nesta manifestação).

      • Tima diz:

        [Tima, entenda, o seu tempo de antena nas minhas postas já era. Ide pregar para outra freguesia que para a sua verve acabou-se a paciência. RT]

        • Tima diz:

          Quem sabe no sábado não vou à tua procura na manifestação… Espera lá! Mas um tipo que diz uma coisa agora e passado um pouco altera o que acabou de dizer e dá o dito por não dito merece esta atenção toda?
          De facto não. Já sei quem és. Apenas um pessoa sem palavra e desleal para com a luta que julgas fazer parte.
          Tu não tens mesmo sequer a capacidade de entender do quão baixo foste com esse teu pequeno gesto. Uma coisa te garanto. Ratos nunca serão gente!

          • Renato Teixeira diz:

            Pronto. Passa esta para as despedidas, para que os restantes leitores tenham noção da corja que temos que aturar e, claro, as razões da censura a este Tima, que por aqui não volta a meter os coutos.

          • Tima diz:

            Então fui censurado? Eu a julgar que só alteravas o conteúdo e o sentido de textos e comentários afinal também assumes censura. E não volto a meter aqui os coutos? Está encontrado então o dono do 5 dias. Eu que até troco mails com outros membros do blogue e não sabia que te tinham dado poderes de banir pessoas unilateralmente.
            E depois tentas manipular os leitores?
            Eu diria que a Stasi ia ficar orgulhosa num membro como tu.

          • Renato Teixeira diz:

            Aqui cada um manda no que escreve e atura quem quer. Sei que é difícil de perceber esse nível de liberdade, mas se experimentar vai ver que não quer outra coisa.

  6. Pingback: Lutar é vencer! | cinco dias

Os comentários estão fechados.