Como o bloco central se protege

Para Fernanda Câncio o mais grave da história que Helena Roseta contou é não ter sido denunciado antes. Como se houvesse centenas de Secretários de Estado declarados culpados por tentar beneficiar empresas de amigos. O que Fernanda Câncio parece desconhecer é que há muitos que beneficiaram mesmo empresas de amigos, sem terem tido qualquer condenação. Relvas, neste caso concreto, nem conseguiu levar a sua avante. Pelo menos junto da Ordem dos Arquitectos…

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a Como o bloco central se protege

  1. antónimo diz:

    Bem longe de mim concordar com Fernanda Câncio (tirando em questões de costumes), mas também acho que não se percebe por que motivo esperou Helena Roseta tanto tempo.

    Também não percebo o sentido que neste post dá à sequência de duas frases.

    «Para Fernanda Câncio o mais grave da história que Helena Roseta contou é não ter sido denunciado antes. Como se houvesse centenas de Secretários de Estado declarados culpados por tentar beneficiar empresas de amigos.»

    Não percebo exactamente onde quer chegar com o «Como».

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      Como (mais uma vez) se essas práticas de favorecimento fossem altamente vigiadas e punidas pela justiça portuguesa.

  2. Armando Cerqueira diz:

    Mas ó Tiago, não percebo porquê o espanto?!

    É uma estória enternecedora, cheia de carinho e afecto por esses inefáveis Engenheiros Relvas e Coelho.

    Já reparou como Relvas rima bem com Coelho, e tudo termina num adorável panorama bucólico, bem tradicional e porteguesíssimo, com retornados, oportunistas e outras glorias de agora e de antanho…

    Cumprimentos

    Armando Cerqueira

Os comentários estão fechados.