A estória de Helena e dos dois macacos

Eu faço a gestão de dinheiros publicos. Eu contacto uma associação de direito publico para aplicar essas verbas. Eu condiciono a atribuição dessas verbas à escolha da empresa do meu amigo. Eu e o meu amigo, o que somos? Corruptos, não é?

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a A estória de Helena e dos dois macacos

  1. Horizonte XXI diz:

    Assim também eu era empresário e de sucesso, aliás qualquer um era.
    O estado, sempre a maminha do estado.

  2. antónimo diz:

    Ca porra, adapte-se homem, mude o CD. Os governantes e comentadores a puxar o país para a frente e você sempre às arrecuas com intrigazinhas.

    “Empreendedores”, era o que você e o seu amigo seriam.

  3. um gajo qualquer diz:

    cambada de gatunos!

  4. Caxineiro diz:

    A Roseta não me merece respeito nenhum
    A Roseta faz parte do grupo, daquela coisa a que chamam o “arco do poder”, A sua intenção não é lutar contra o compadrio ou corrupção, senão, tinha denunciado o caso na altura em que se deu
    No tempo do Socras eram os PSDs a denunciar os PSs, agora inverteram-se os papeis, mas o resultado final é zero como quase sempre
    Tudo na mesma

  5. Pingback: Artigo 335.º do Código Penal – Tráfico de influência | cinco dias

  6. De diz:

    Este vídeo é precioso.Devia ser “espalhado por toda a parte”.

    E servi-lo frio a quem depois nos vem trautear a cantiga do”empreendedorismo”.

  7. Pingback: Como o bloco central se protege | cinco dias

  8. Paulo Coimbra diz:

    E o coiso, o Procurador da República, onde anda? E a imprensa Duque dependente? O Estado apodrece ao vivo e a cores e quem se ri são os engajadores, os financeiros, os ignorantes assustados e os beatos. Os pobres, os que trabalham e os que não trabalham, que os animem.

Os comentários estão fechados.