Amadora: polícia reprime moradores

Esta manhã, cerca de quarenta moradores dirigiram-se à Câmara Municipal da Amadora (CMA) para entregar uma carta ao presidente desta instituição, tendo tirado a respetiva senha e esperado ordeiramente até serem atendidos.

Os serviços da CMA decidiram, contudo, chamar a polícia municipal para dispersar os moradores. Foram mobilizados trinta agentes para o local, que solicitaram aos moradores que abandonassem as instalações, pedido este que foi satisfeito.

Já à porta do edifício, os agentes terão começado a hostilizar os presentes. Um dos moradores, agredido verbalmente, foi levado, com recurso à força, para a esquadra da Mina e é acusado de injúrias contra as autoridades. Uma ativista da Plataforma Direito à Habitação foi agredida com um bastão na cabeça e teve que ser encaminhada para o hospital. Outro ativista foi atirado ao chão, tendo-lhe sido retirado o cartão da máquina fotográfica, com a qual o mesmo havia registado as agressões.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

48 respostas a Amadora: polícia reprime moradores

  1. António diz:

    Adoro esta descrição factual. “Os moradores foram pacificamente e ordeiramente manifestar-se, entretanto chegou a polícia que começou a agredir verbalmente e fisicamente as pessoas…”
    Vocês acreditam mesmo no que escrevem ou pensam que os leitores são todos atrasados mentais?

  2. Pisca diz:

    Toninho já percebi, para si é simples o primeiro que piar leva nos cornos ou à maneira do rio trancão do porto, é entaipado é isso ?

    • António diz:

      Não, pixa, não é assim tão simples! Mas parece-me que és daqueles que não vale a pena explicar como é. Não costumo dar pérolas a porcos.

      • Baresi88 diz:

        Dar pérolas a porcos… não quero ofender os porcos, mas não sei se são eles os porcos, ou se és mesmo tu!

      • De diz:

        Os “pacientes” do “António” saberão o que está por trás do personagem?
        Não é altura de revelar o porquinho escondido atrás de?

  3. M.D. diz:

    Dúvida: qual a descrição de funções da profissão Activista? Quanto ganha um Activista? Para quem trabalha um Activista?

    • antónimo diz:

      Meu deus, meu deus, a falta que faz um bocado de vida cívica (ou mesmo de vida) a esta rapariga.

    • notrivia diz:

      Tendo em conta que nem toda a actividade tenha que ser classificada como profissão:

      Função – Actividade politica mas a um nivel diferente dos chamados ‘politicos profissionais’. Geralmente estão mais perto das bases (população) ou deveriam estar. Neste caso estão.

      Remuneração – Em principio nada. Se bem que deve haver por aí profissionais o que põe em causa as reais intenções… É que esta é daquelas funções que se desempenha devido a um impulso de consciência (se bem que andam pra aí uns denominados de activistas de extrema direita e aí o impulso deve ter vindo das bandas dos intestinos…)

      Patronato – Isto é como tudo, há quem precise de donos, capatazes, pastores e lideranças, há quem se mexa de iniciativa própria. Mas em circunstancias normais não me cheira que seja o tipo de actividade que se possa empregar a cobardia do ‘só estou a cumprir ordens’ como desculpa para actos intestinais, excepção talvez na malta intestinal da extrema direita que só vai lá com alguém a berrar nos ouvidos, etc.

      Há mais no mundo para além de classificações, remunerações e patronatos. É pena que ainda não tenhas percebido.

      • M.D. diz:

        Se bem percebi o Activista trata de, por um impulso de consciência, colocar à disposição o tempo dele (talvez em excesso) para ajudar causa alheia de outros, que sem a sua ajuda não teriam defesa possível. Ah, e à borla.

        A pergunta que se impõe é, quem lhe paga a àgua, luz, e a net para ligar o iPad?

  4. ISR diz:

    Ordeiramente, ontem 20,30 horas um cidadão entra nos terrenos da minha habitação e leva uma bicicleta que esta estacionada. Nem sequer teve vergonha de quem estava à porta esperando por alguém. É tudo nosso e leva-se. Ainda questionei se valeria apena participar a ocorrência, mas para quê, se este Estado de direito não existe?Se a autoridade neste país funcionasse eu perguntava a estes cujos se estão legais neste país, porque se não estão, putas com eles. É assim que faz a América e o Canadá. Ao fim de semana tenho medo de andar nos comboio de Sintra. Mas atenção, os bons, podem ficar.

    • antónimo diz:

      Este nem o que está no seu terreno defende e é com pró-burgueses destes que a direita se propõe revolucionar o país e colocá-lo na senda do crescimento?

    • notrivia diz:

      Que raio de personagem és tu, que vês alguem a sacar te a bicicleta do quintal, nem tuges nem muges e depois vens prá aqui com esse vomito nazi dos ‘emigrantes bandidos que cá andam,etc.’?
      Faz me lembrar o outro nazi grego que bate em gajas em directo na tv e depois aplica para licença de porte de arma…

      • Baresi88 diz:

        E vem claramente dizer que o maior Estado Nazi é que está a proceder correctamente! Coitado, não tens cura!

    • Rocha diz:

      Ó fascista se tens saudades do Salazar vai ter com ele! Metes nojo!

      • M.D. diz:

        Definição de facista: não gostar que lhe roubem a bicicleta, ou qualquer outro bem. Deportar quem está ilegal no país. Ter medo de andar nos comboios da linha de Sintra porque bandos de delinquentes fazem o que querem impunemente. Querer que a autoridade funcione. Ok…

        • antónimo diz:

          Não sei qual será a definição de “facista” (deve ser gralha, mas nunca fiando) mas alguém que valoriza a propriedade, deixa roubarem-lhe o que é seu, tirado da sua própria propriedade, não pergunta a nacionalidade ao ladrão, e se cala muito caladinho, com receio, quiçá escondido, e depois apela à vigorosa intervenção do Estado policial contra os estrangeiros…

          E oh, Madalena, convenhamos, deportar por deportar podiam começar por portugueses que roubam a sério, mesmo envolvidos em casos com submarinos, sobreiros, bancos, comissões privatizadoras e de negociação de parcerias público privadas. O resto, peanuts. Até porque desde que estes foram para o Governo acabou-se a criminalidade perigosa. Deve ter sido por terem encontrado emprego.

          • M.D. diz:

            Por mim a prisão dos criminosos de colarinho branco não invalida a dos criminosos de pé descalço.

          • antónimo diz:

            O pequeno drama é que fui eu que sugeri por duas vezes que ISR devia ter feito algo contra o ladrão da bicicleta (onde é que já vi esta história?), não reparou?

            Não é a mim que se pode acusar de duplicidade de critérios.

        • De diz:

          Não.
          Por si a madame já disse e muito.Veio-se lastimar aqui, no 5 Dias,que os crimes de colarinho branco eram inevitáveis dada a natureza humana das “pessoas”.E aproveitou para tentar colocar em causa o dito “estado” que a dona pretende como uma entidade abstracta e sem cor.
          A forma como MD fala nos crimes dos pés descalços é arrepiante e reveladora da natureza de um neoliberal a esconder os tiques pesporrentos.
          Criminosos de colarinho branco andam por aí.Quantos estão presos,quantos foram condenados?Alguns estão no governo.Outros governam-se à grande e à francesa.Dão postas de pescada e fogem aos impostos enquanto pregam histórias de moral hipócrita e canalha.
          MD não tem vergonha.
          Mas não passa

  5. thestudio diz:

    Mais um momento mágico aqui no 5dias. A fonte deste post é nada mais nada menos que o pasquim do Berloque. E o modus operandis do Berloque é sobejamente conhecido, basta lembrar a incursão do seu líder a Sevilha, quando se sabia perfeitamente que a fronteira tinha sido encerrada. Quando a Guardia Civil comunicou ao grande líder da Esquerda portuguesa que não podiam prosseguir, este começou a levantar a garipa e a crescer para os polícias até que estes acabaram por reagir empurrando para trás o grande líder. A partir daí começou a vitimização, que a malvada polícia tinha agredido o coitadinho do líder.

    Respondendo à M.D. sobre os activistas: Activistas são pessoas limitadas intelectualmente, formadas em sociologias e afins, que vivem à custa de subsídios do Estado e que se dedicam à arruaça e a provocar distúrbios. São idênticos aos hooligans com a diferença de pertencerem a partidos políticos em vez de pertencerem a clubes de futebol.

    O que se passou na câmara da Amadora foi claro: Um bando de arruaceiros liderou uma turba de ilegais que vive à custa de subsídios do Estado para exigir casas, pagas com o dinheiro dos contribuintes, para estes. Um indivíduo entrega uma carta, quarenta são uma ameaça latente. Perante esta ameaça a polícia foi chamada ao local tendo de imediato sido insultada e provocada. À mínima reacção da polícia, os arruaceiros vendo-se em desvantagem optaram pela estratégia da vitimização.

    • M.D. diz:

      Exacto. E a arma mais uasada hoje pelo Activista é a camara de filmar. Assim dá para depois publicarem no Facebook as “provas” do crime. Claro que normalmente usa-se um iPad que dá sempre mais estilo, como aquele que lia os discursos na acampada do Rossio!

      • De diz:

        Algo de repelente sai da boca desta neoliberal que quer o estado limitado às funções de polícia e de juiz.
        Eis que esta MD tem o desplante de verberar o registo dos acontecimentos.Não quer provas incómodas?
        Há algo de perigosamente fascistóide em tal apelo à censura.A mostrar mais uma vez as afinidades ideológicas entre o designado “neoliberalismo ” e o pinochetismo

        • M.D. diz:

          Lá está. A sua definição de facista é tudo aquilo que está à sua direita. Vai longe assim…

          • De diz:

            Não diga disparates.
            Qual “facista” qual carapuça. Quem lhe disse que quem está à minha direita é “facista”?
            A dona mais uma vez aldraba.Apanhada em contra-pé numa atitude censória própria de um estado policiesco, a dona foge e refugia-se na manipulação pura e dura.
            E que tal ler de novo?E ser mais honesta da próxima vez?

    • De diz:

      Estúdio:
      Vossemecê responde a MD?
      Vossemecê não responde a MD.Vossemecê finge que responde a um alter ego.
      O resto não é nada.Apenas escrita na areia em que abunda o ódio e o ranger dos dentes a quem não segue a trela da canalha neoliberal pesporrenta.
      Está lá tudo,naquele pivete insuportável dos pedantes à procura de serem reconhecidos pelos bosses:o “limite intelectual” com que tentam brindar quem ousa pensar de forma diferente, a classificação profissional dos ditos activistas ( “sociólogos ou afins” segundo o papaguear do estúdio, repetindo os estribilhos ouvidos pelos goebbels de ocasião),os “subsídios do estado” que o denunciam como mais um capanga neoliberal ao jeito do pinochetista Gaspar e a tentativa de estigmatizar quem da política não tem a concepção de um pulha de direita caciqueira.
      O rapazote bolsa?
      Bolsa. E vem vitimizar-se feito vitimizador de quem lhe denuncia as pulhices dos comparsas.
      Bolsa.E insulta, enquanto faz o seu trabalho, qual vero amigo íntimo de Portas.

      • M.D. diz:

        A grande diferença entre nós, é o facto do DE não conseguir falar da direita sem um chorrilho de insultos. Alguém que ouse estar nem que seja ligeiramente à sua direita (o que não é dificil) é automáticamente um pulha, um pesporrento, canalha, etc. A si dão-lhe uma palavra e você disserta um conto sobre o carácter de pessoas que nem conhece. Vindo de um comunista cuja ideologia não funciona, nunca funcionou, não sem que pelo caminhosso aniquilassem milhões de almas, é caricato. Para si alguém que ouse pensar à direita é um criminoso, e serve-se do Pinochetismo para o ilustrar… Ó DE, tenha paciência, o Maoismo, o Estalinismo, o “Pol-potistmo”, o “Cheguevarismo”, o “Kimismo”, e muitos outros não o abandonam por mais que queira. Aprenda a ser tolerante. Não é por eu ser uma liberal que não ache que esses pulhas desses politicos, da direita à esquerda, devam ser julgados pelos crimes que cometem. O que vale é que com o seu nível de argumentário, dificilmente sairão do pantano ideológico por onde navegam…

        • De diz:

          “A grande diferença entre nós”?
          Oh MD por favor,não insulte a nossa ( de ambos) inteligência.
          🙂

          MD.Ainda não reparou que a si não lhe chamo o que chamo a quem é responsável pelo estado a que chegámos, cumprindo fielmente o seu papel de classe?

          Fica ofendida pelo chamar o nome aos bois da canalha que nos governa?
          Paciência.

          MD.Quer desviar o tema para o comunismo porque sabe que o Capital não tem mais nada para oferecer?Mais uma tentativa da arte da fuga,qual ave canora em desespero por ter sido apanhada?
          🙂

          (MD.Pol-potismo?Aquele que foi derrotado pelo Vietnam que já tinha derrotado os EUA?EUA que sustentaram PolPot contra os comunistas vietnamitas?
          Ignorância ou simplesmente má-fé?
          🙂 )

          • M.D. diz:

            Sim, é esse mesmo, do Partido Comunista Indochinês, posteriormente chamado de Partido Comunista Khmer. Utilizando o mesmo inglês tão usual nos seus comentários, Ring any Bell?

            Ou ainda acha que a palavra “vermelho” em Khmer Vermelho, é fruto do acaso…

          • De diz:

            Sory MD mas parece que o leu nas entrelinhas não lhe permitiu perceber o essencial.
            Pol Pot foi aliado dos EUA e foi defendido por Kissinger.Do lado oposto da barricada.Por isso pode chamar-lhe o que quiser.Até farinha Amparo em pacotes baunilha
            Sorry MD.
            Antes, de uma forma indirecta:
            “To hear Henry Kissinger deny recently that the United States and especially the Nixon Administration bore any responsibility for Cambodia’s horror was to hear truth denigrated and our intelligence insulted. For Cambodia’s nightmare did not begin with Year Zero but on the eve of the U.S. land invasion of neutral Cambodia in 1970. The invasion provided a small group of extreme ethnic nationalists with Maoist pretensions, the Khmer Rouge, with a catalyst for a revolution that had no popular base among the Cambodian people. Between 1969 and 1973, U.S. bombers killed perhaps three-quarters of a million Cambodian peasants in an attempt to destroy North Vietnamese supply bases, many of which did not exist. During one six-month period in 1973, B-52s dropped more bombs on Cambodians, living mostly in straw huts, than were dropped on Japan during all of World War II, the equivalent of five Hiroshimas. Evidence from U.S. official documents, declassified in 1987, leaves no doubt that this U.S. terror was critical in Pol Pot’s drive for power. “They are using [the bombing] as the main theme of the propaganda,” reported the C.l.A. Director of Operations on May 2, 1973. “This approach has resulted in the successful recruitment of a number of young men [and] the propaganda has been most effective among refugees subjected to B-52 strikes.”

            E depois de uma forma directa e activa:
            “What Kissinger and Nixon began, Pol Pot completed. Had the United States and China allowed it, Cambodia’s suffering could have stopped when the Vietnamese finally responded to years of Khmer Rouge attacks across their border and liberated the country in January 1979. But almost immediately the United States began secretly backing Pol Pot in exile. Direct contact was made between the Reagan White House and the Khmer Rouge when Dr. Ray Cline, a former deputy director of the C.I.A., made a clandestine visit to Pol Pot’s operational base inside Cambodia in November 1980. Cline was then a foreign policy adviser to President-elect Reagan. Within a year some fifty C.l.A. and other intelligence agents were running Washington’s secret war against Cambodia from the U.S. Embassy in Bangkok and along the Thai-Cambodian border. The aim was to appease China, the great Soviet foe and Pol Pot’s most enduring backer, and to rehabilitate and use the Khmer Rouge to bring pressure on the source of recent U. S. humiliation in the region: the Vietnamese. Cambodia was now America’s “last battle of the Vietnam War,” as one U.S. official put it, “so that we can achieve a better result.”
            The Friends of Pol Pot de John Pilger

            Há mais.Muito mais.Virá com o tempo.

            Mas vossemecê não tem um mínimo de estremecimento por se mostrar tão ignorante e ficar-se pelas bocas sobre a cor vermelha?

            Sublinhe-se o que já aqui sublinhei:
            “MD.Quer desviar o tema porque sabe que o Capital não tem mais nada para oferecer?Mais uma tentativa da arte da fuga,qual ave canora em desespero por ter sido apanhada?”
            Mais elucidativo não poderia ser.
            🙂

        • Rosa peixeira diz:

          Força, Mê Dê !

        • licos diz:

          Boa MD
          Esqueceu aí o Bashar al assad, apoiado pela união sovietica do Putin. Só esse matou mais num mês, que o Pol Pot durante a vida
          Formatados à Marx….

          • De diz:

            Isso mesmo
            Mais do que.
            Ou de como a direita trauliteira nem sequer consegue mais do que isto.
            Arrastam-se e pode-se reconhecer o seu trajecto pelos fluidos orgânicos que deixam atrás de si.
            🙂

  6. Tima diz:

    Isto da democracia tem destas coisas. Um grupo de amigos abre um blogue de esquerda e aparece pessoal nas caixas de comentários com saudadinhas do Botas e a querer um polícia a cada esquina e deportar todos os cidadãos “ilegais”!
    Já agora segundo a Constituição Portuguesa e o Direito Humanitário Internacional da Convenção de Genebra o que é mesmo um cidadão ilegal? Como é que os pró-fascistas (pessoa que não é mas que imita na perfeição) colocam um ser humano à luz das leis nacionais e internacionais na condição de ilegal? O que é que é ilegal? A existência dele? O facto de ele se poder locomover? Dele respirar? Não tem direito a pisar o solo do planeta Terra? Pode sequer ter o direito a pensar? Tem que pedir alvará para estar vivo?
    Vão lá até ao 31 ou ao Insurjas ou mesmo ao Blasfas que eles recebem-vos de braços e coração aberto!

    • M.D. diz:

      É bem mais simples que isso tudo. É um cidadão ilegal aquele que não tem os documentos de identificação em dia, nomeadamente o visto (existem vários tipos).

      • De diz:

        Bem mais simples?Hum….
        Ou de como este paleio faz lembrar os dos apoiantes dos nazis em vésperas da segunda guerra mundial
        E de como os refugiados fugidos à barbárie nazi eram tipificados pelos fascistas portugueses.O Visto!!! gritavam sem quererem saber se eram honestos cidadãos.
        Das Visum !!! berravam os nazis.
        Depois encaixotavam-nos para os campos de concentração.E para a morte.

        • M.D. diz:

          Em que Gulag foi isso…?

          • De diz:

            Nao sabe?
            Mas afinal não era v. que “adooorava História”?
            Então deixe-se de manhosices rasteirinhas próprias de quem odeia o seu semelhante e porte-se com alguma dignidade.. Bolas um neoliberal tem um conceito estranho e carunchoso da existência humana.
            Os crimes cometidos pela extrema-direita são sempre esquecidos pelos MD de serviço…

    • De diz:

      Vê Tima que podemos estar de acordo?
      (Já agora leu a minha resposta a uma interpelação sua por ocasião de um post do Bruno sobre a “Vitória alemã”? Só para que não fiquem dúvidas… 🙂
      Cumps

  7. M.D. diz:

    Portanto, toda a argumentação do DE assenta no facto de que se o Americanos apoiaram Pol-Pot, este não poderia ser um comunista…

    Ok, é o argumento possível, tal e qual aquele que usa recorrentemente: Vitimas do comunismo? Qual comunismo…?

    • De diz:

      MD?
      Mais uma vez a dona não prima pela honestidade.
      Eu quero lá saber do que Pol Pot se reclama ou do que não se reclama.Eu procuro saber o que é justo ou não e de que lado se posiciona na luta emancipadora da humanidade.Doa a quem doer.
      E saber o que se faz para cumprir o que se defende.
      Crer (é mesmo crer) que Freitas do Amaral ou Sá Carneiro foram socialistas só porque advogaram o socialismo para Portugal é o mesmo.Uma brincadeira.A cheirar a fados balofos e requentados.
      Pol Pot foi um criminoso e foi-o tanto mais que teve o apoio do império.O apoio cúmplice e criminoso e execrável e nojento do império
      E acabou por ser derrotado às mãos dos comunistas do Vietnam.
      Entendeu ou quer explicações mais detalhadas?Do número de mortos ou das atrocidades praticadas pela dupla USA/Pol Pot?
      Por exemplo Durão Barroso reclamou-se também disso mesmo.De ser comunista.Acabou nos braços dos americanos , cúmplice na agressão criminosa ao Iraque.Como Portas até “jurou” que tinha visto as provas das armas de destruição maciça.

      Mas calcule vossemecê que este post é de denúncia da violência policial.Sabia ou está a fazer mais um esforçozito para não se debater o que deve ser debatido?

      • M.D. diz:

        Exacto, era sobre violência policia até lá em cima, logo no inicio, o argumentário de um seu camarada se resumiu a “Fasssista”. Claro, e a descrição do que faz um Activista, também foi gira.

        • De diz:

          Era não era?
          Então não era mesmo?Pois era.
          Pena que tenha sido v. a fazer os derivativos necessários.

          Agora vá aprender como se escreve a palavra que põe entre aspas e reler a questão sobre o que é um activista. Desencadeada exactamente por …si

Os comentários estão fechados.