Sectaríçes…

Bruno, o KKE teve 4% não 7%, perdeu metade, metade dos votos. É este o resultado que a brilhante liderança do KKE tem para apresentar numa Grécia que vive um intenso ascenso na luta social. Resultados detalhados das eleições aqui. Aqui os resultados em detalhe do KKE que perde em toda a linha. O insulto fácil a Louçã não esconde estes factos.

E se houve partido e líder atacado pela imprensa “burguesa” e “imperialista” foi a Syriza e o seu líder Tsipras… Pelo menos no planeta terra esses são os factos, talvez na Brunolândia as coisas sejam diferentes… E como diz o Renato nem percebo esta sanha de malta do PCP em defender o KKE, até parece que o Jerónimo anda para aí a apelar abertamente à saída do euro e à implementação do Poder popular em Portugal.

A ver se temos “reformistas” e “socias-democrats” deste calibre na Europa… já esteve mais longe.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

8 respostas a Sectaríçes…

  1. De diz:

    Nota importante:
    Por favor:este meu pequeno comentário não é para publicar( se possível)É apenas para evitar que se entretenham com o secundário, deixando o essencial por discutir.(Independentemente da minha opinião sobre o conteúdo da posta).

    Sectarices….e não com sectariçes
    Isto não tem importância nenhuma e resulta da escrita à flor dos dedos.Mas não interessa dar azo a que se achem saídas pelo lado desprezível da questão

    E também não é para agradecimentos.Tenho a certeza que faria o mesmo se fosse eu a .

  2. André Silva diz:

    Francisco,

    Deves mesmo viver noutro mundo.

    Qualquer pessoa medianamente informada sabe que o PCP, foi e é contra o Euro.

    E é claro que o PCP é pelo poder popular, ou achas que e o quê? Por mudanças social-democratas no sistema capitalista?? Ou está na luta para colocar outra classe no poder?

  3. antónimo diz:

    Bem, a sanha do PCP em defender o KKE – mas feita sem atacar o Syriza – não tem de facto comparação com a sanha do BE em atacar o KKE (veja-se aqui o porta-voz oficioso da corrente social-democrata para a imprensa: http://arrastao.org/2561434.html) ou as declarações de Louçã, o líder que caucionou experiências como Alegre e Sá Fernandes, no post http://5dias.net/2012/06/17/loucanices/

    Sectarismo, por sectarismo, parece que há bem pior, Chico. E se bem que auto-alegadamente com menos fama, com muitíssimo maior proveito.

  4. Caro Francisco Furtado (repetindo o que ja escrevi),
    Uma coisa é a justeza, ou não, da linha política de um partido revolucionário que defende a transformação da sociedade capitalista.
    Outra bem diferente é a expressão eleitoral dessas propostas políticas, económicas, sociais e culturais.
    Um Partido pode ter propostas políticas coerentes e correctas e não obter expressão eleitoral.
    Ou seja, não ser capaz de fazer passar a «mensagem». Por erros próprios. Mas, no fundamental porque, em TODOS os países capitalistas, quem detém o poder económico, detém igualmente o poder político. E comanda e dirige o aparelho ideológico.
    É sintomático que, em Portugal, Vital Moreira, e Zita Seabra, e…, tenham vindo a terreiro com os argumentos falaciosos que vieram logo à 1ª quebra eleitoral do PCP (1987)…

  5. João Lopes diz:

    Francisco, já te conheço há muito e sei bem que tu és sempre o dono dos factos, os outros estão sempre a sonhar. Refresca a memória ok? Recorda-te da posição que o teu partido teve na AR aquando da votação da “ajuda” à Grécia. Votaram a favor do pacto de agressão ao povo grego. Aposto que o Louçã se esqueceu o dizer nos comícios do Syriza em que foi convidado. O Bloco votou favoravelmente a agressão ao povo grego porque por detrás do verniz “radical” está um partido que quer a todo o custo salvar a UE tal como ela está. Um bloco capitalista e imperialista.

  6. um gajo qualquer diz:

    preferia a vitória do syrisa aos 2 golos do ronaldo…

  7. Loura diz:

    Já agora, Francisco, tire a cedilha do título, por favor.

  8. Pedro Pinto diz:

    Solidariedade, meu caro, conhece a palavra e o seu significado? Não é pormo-nos às cavalitas de uns quando estão – ou parece – quase a ganhar e esquecê-los quando tomam uma posição «incómoda» à luz da linha dominante. Não. É solidariedade. Verdadeira. Franca. Comunista.

    Não sabe o que isso é, está visto…

Os comentários estão fechados.