Sobre as eleições gregas

A 23 Fevereiro de 1975, num comício em Coimbra,  o secretário geral do PCP* dirigiu-se às forças social-democratas da seguinte forma:

Entretanto, se a social-democracia portuguesa (e quando falo da social-democracia falo no sentido mais amplo, englobando portanto também o PS) se não se lançar em alianças com a direita reaccionária numa tentativa de isolar as forças revolucionárias impulsionadoras e garantes do sucesso da democracia no nosso país e das transformações profundas que a sociedade portuguesa exige, se houver uma modificação dessa política de divisão e a sua substituição por uma política de cooperação, ainda que limitada e condicional, é possível, e a nossa ver seria necessário, desanuviar a tensão existente actualmente, melhorar as relações entre partidos, ainda que incertas e condicionais.
Pela sua parte, o PCP, está pronto a considerar em comum todos os problemas de interesse comum e as formas possíveis de cooperar.

CUNHAL, Álvaro “Discursos Políticos IV″, edições Avante (1975), pp. 288

Como tenho vindo a referir, penso que o tempo histórico que se vive na Grécia é semelhante ao que se vivia, em Portugal, em 1975. Não porque tenha havido um processo revolucionário, mas porque a democracia está em causa – importa não esquecer que nos últimos meses a Grécia teve um governo não eleito presidido por um antigo quadro da Goldman Sachs.
Esta intervenção de Álvaro Cunhal, escolhida entre muitas no mesmo sentido, é um bom registo sob a forma como o PCP encarava e procurava trabalhar com as forças social-democratas naquele contexto histórico – por mais que essas mesmas forças social-democratas encarassem o PCP como o seu principal inimigo.
O Syriza pode contar com os apoios mais duvidosos e até pode titubear nos termos em que critica o capitalismo,  mas se hoje vencer as eleições (possibilidade que vejo como muito difícil), isso traduzir-se-á numa pesada derrota para as forças reaccionárias que dominam a Europa e numa vitória para a luta do povo grego.
Mas isto não quer dizer que, se votasse na Grécia, o meu voto fosse parar ao Syriza. O Syriza é uma coligação que balança entre partidos que não têm necessariamente  identidades e ideologias compatíveis. Caso saia vencedor das eleições, quanto mais esquerda (e, sobretudo, comunistas) houver no Parlamento, mais útil será para a luta do seu povo que não se esgota no dia das eleições. Por isso é decisivo que o KKE também saia reforçado. Que o bom resultado de uns, não implique um mau resultado dos outros.
Aos comunistas gregos (e portugueses**) compete fazer a luta com o KKE e com todos aqueles que estejam disponíveis para enfrentar a escalada das forças reaccionárias na Grécia e na Europa.


_____

* A declaração de Álvaro Cunhal é feita na qualidade de secretário geral do PCP. A invocação desta frase não implica que, hoje, Álvaro Cunhal, se ainda estivesse vivo, subscrevesse a minha opinião. Não sou guardião do seu legado, nem pretendo ser interpretador oficial do seu pensamento.

** Noto, com agrado, os termos com que o PCP prestou solidariedade ao KKE, bem diferentes dos termos deste outro manifesto.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

15 Responses to Sobre as eleições gregas

  1. João Pais diz:

    Enfim, alguma clareza…

  2. Pascoal diz:

    Um vídeo de 2010 para comemorar o afastamento do KKE da actual situação grega.

  3. anon diz:

    quando cair a mascara do embuste social democratizante que é o syriza quero ver quem vai ter os tomates para admitir que andou enganado

  4. Rocha diz:

    Tenho muitas discordâncias contigo Tiago neste teu texto, inclusive com esta citação do Álvaro que creio ultrapassada e equivocada, mas creio que a tua conclusão final merece a minha concordância: se o Syriza for o mais votado e romper com o poder imperial da União Europeia é uma importante derrota das forças reaccionárias.

    Eu considero a situação grega como de natureza muito diferente de Portugal em 1975, mas também considero que não há menos potencial revolucionário na Grécia de hoje.

    A situação grega, quer queira a social-democracia (e seus acólitos) quer não, é uma situação de conflito entre a Grécia e a União Europeia, com muitíssimo potencial se alargar nos próximos a uma situação de conflito entre toda a periferia e todo o centro da Europa. Nada disto aconteceu em 1974 em Portugal ou no Maio de 68 em França. Isto é uma completa novidade.

    No entanto eu considero isto uma boa novidade. A Europa nunca será nem solidária, nem de esquerda, nem sequer democrática enquanto não enfrentar o carácter imperialista que continuam a ter, com uma tradição ininterrupta, os seus países centrais (até a Espanha periférica é imperialista no tratamento de bascos, catalães e galegos). O carácter imperialista da Europa tem hoje nome e estrutura, está corporizado até à ponta dos seus tratados pela União Europeia.

    A velha social-democracia referida no discurso do Álvaro (dos PSs e SPDs e da Internacional Socialista) é na questão imperialista, decisiva para o futuro da Grécia, Portugal e Europa, um elemento totalmente inseparável da classe capitalista e da sua natureza imperialista. Toda a Internacional Socialista (excepto um ou outro partido de Terceiro Mundo que está lá quase por indigência a pedir esmolas aos ricos) é de direita inequivocamente e uma parte da burguesia mundial que toma parte da dominação imperialista planetária, como dizem no movimento Occupy “são os 1%”.

    O Syriza faz parte da nova social-democracia, tem uma natureza de classe pequeno-burguesa, e distingue-se claramente da velha social-democracia quer em termos políticos quer em termos de classe. Mas naturalmente toda a social-democracia tende a ser absorvida/cooptada pela burguesia, pois é esse o desenlace final de um processo de conciliação de classes.

    Voltando ao discurso do Álvaro, se o PCP em 75 fosse muito longe em cooperar com o PS acabaria por liquidar o seu próprio carácter marxista-leninista – isto é liquidar-se a si próprio – como aconteceu com o PCF que foi atrás de Miterrand e com o PCE que foi atrás do PSOE, já para não em Carrillos e Berlingers. Ainda hoje o PCE está a implementar políticas de austeridade com um brutal corte de salários dos funcionários públicos no governo autonómico da Andaluzia. É vergonhoso!!!
    Este tipo de partidos já não são comunistas. Deixaram de sê-lo quando deixaram de ser marxistas-leninistas.

    No entanto a situação actual da Grécia é diferente. O que o KKE deve fazer está claro (para os camaradas gregos) que não é entrar numa dúbia e nebulosa “cooperação” com o Syriza mas sim apoiar e pressionar o Syriza em todas as medidas que cumpram as suas promessas de rasgar o memorando e nacionalizar a banca – as medidas que efectivamente vão no sentido anti-imperialista e revolucionário de golpear o capitalismo europeu. O KKE deveria estar disponível para dar apoio parlamentar (sempre que for justo) e também creio que devia aceitar convites para reuniões transparentes (e não à socapa) com o Syriza. Mas faz muito bem em não aceitar ficar “debaixo da asa” do Syriza e ser o partido independente da classe trabalhadora que sempre foi.

  5. Augusto diz:

    Tretas, o KKE o o Financial Times estão neste momento, do mesmo lado da barricada, o resto é conversa para entreter papalvos.

    • Baresi88 diz:

      Sim claro, e mais nada?

    • De diz:

      A um bom texto (torno-o a repetir e faço minhas as palavras de João Pais), responde este “papalvo” desta forma, com o rancor próprio de quem se preocupa mais com o umbigo pessoal e partidário do que outra coisa.
      A um bom e esclarecedor texto,responde este, com o financial times debaixo dos braços.
      Esclarecedor

  6. Pedro Penilo diz:

    E eu não o escreveria melhor, caro Tiago. Apesar de alguém pensar que a crítica e a dúvida embotam necessariamente a análise política justa, no sentido comunista que ela no nosso caso tem.

  7. Pedro Penilo diz:

    E um vídeo a lembrar a incontornável participação do KKE na luta contra o garrote financeiro e a democracia-fantoche.

  8. De diz:

    Um bom texto!

  9. eu diz:

    É engraçado é que como um blog do uptodate,NINGUÉM falou dos mísseis disparados pelos Russos no Mediterrâneo e na Noruega-foi só para inglês(americano e israelita) ver…
    Anda tudo adormecido e embrutecido-se a organização terrorista do atlantico norte invadir a Síria,vai ser o bom e o bonito….A III guerra Mundial está ao virar da esquina,face à politica Imperialista dos ‘democratas’…depioius queixem-se,pq desta vez pode cair na massa merdosa dos votantes europeus..

    • licas diz:

      Uma (pequena) lição de História . . .

      De onde vêm os *amores dos Stalinistas* de cá e de lá e a pelos Estados Árabes e a *sanha* por Israel podem perguntar os mais novos?
      Lá vai um apontamento Histórico . . .
      A coisa começou quando o Canal do Suez (Egito), internacional, mas sob domínio da Grã-Bretanha, de importância vital para a livre circulação das mercadorias provenientes do Oriente, foi subitamente tomada (1956) pelas tropas do presidente Gamal Abdel Nasser. Foi o início da chamada Crise do Canal. Israel, Reino Unido e França reagiram pelo que, na ótica da Guerra Fria, levou a União Soviética a declarar-se então (ou já tinha sido estabelecido antes) ao lado do Egito na pretensão de nacionalizar o Canal. Recorde-se que este, no século XIX, foi construído (Lesseps) e pago pela França. Israel invade o Egipto que vencido pede tréguas; depois a paz é restabelecida. Não foi a primeira vez que as nações africanas utilizaram as tensões, o terror nuclear, URSS-EUA, para em proveito próprio se libertarem da situação colonial: nós, portugueses sofremo-lo na pele . . .

  10. Armindo das Couves diz:

    “A declaração de Álvaro Cunhal é feita na qualidade de secretário geral do PCP. A invocação desta frase não implica que, hoje, Álvaro Cunhal, se ainda estivesse vivo, subscrevesse a minha opinião. Não sou guardião do seu legado, nem pretendo ser interpretador oficial do seu pensamento.”

    LOL… tu deves ser grande tótó, não Tiago?

  11. Pingback: Grécia e Europa: Um dia Decisivo | cinco dias

  12. Pingback: Será que Alexis Tsipras é assim tão diferente do que a Ilda Figueiredo? | cinco dias

Os comentários estão fechados.