PCP e BE, KKE e Syriza: Sectarismo e traição

Os tempos que vivemos são decisivos para o futuro da humanidade. Face ao capitalismo, restam poucas dúvidas de que só o comunismo representa uma saída à barbárie. E se é verdade que apenas as gerações vindouras terão a capacidade de avaliar o que cada um de nós fez nas actuais circunstâncias históricas, além das sombras das palavras e dos discursos, espero que haja a claridade para garantir que as análises se façam pelo que se fez e não pelo que se disse. Não é por acaso que a narrativa da nossa época está nas mãos da burguesia. As palavras têm o poder de encandear e distorcer a realidade.

Sempre que a traição levanta o véu e brande a espada sobre os trabalhadores, há quem reclame que não deve ser denunciada. Não se pode apontar o dedo àqueles que se dizem irmãos de luta. O nosso inimigo comum é o capital e não nos devemos degladiar entre os que reclamam um mundo novo. Mesmo quando há quem de vez em quando apoie o inimigo. Por isso, quando se denunciou o apoio do Bloco de Esquerda à proposta da União Europeia, com o aval do PS, PSD e CDS-PP, de ajudar financeiramente a Grécia, todos os que o fizeram foram apelidados de sectários. Para alguns, é melhor ensombrar a verdade do que evidenciar os que dizem uma coisa cá dentro e fazem outra lá fora.

Poderíamos fazê-lo, é certo. Poderíamos esconder, por exemplo, que esta semana as duas eurodeputadas do Bloco de Esquerda se aliaram à direita europeia e aprovaram uma resolução que legitima as bárbaras medidas de austeridade contra várias países. Uma resolução que elogia o orçamento comunitário e as suas prioridades. Dentro do Grupo Parlamentar da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Verde Nórdica, a maioria optou por não aprovar o documento. O PCP votou contra e o BE preferiu alinhar-se com os representantes da oligarquia financeira.

O BE e o Syriza

Ainda assim, a campanha eleitoral grega desatou um coro de indignados com a postura do Partido Comunista da Grécia (KKE). O BE que de tiro em tiro no pé tem vivido os últimos anos tenta agora cavalgar sobre o sucesso temporal do Syriza. As companhias de aviação já devem fazer descontos aos dirigentes bloquistas. É que não há dia em que um deles não pise solo grego para juntar-se à promoção daquela coligação comandada pelo Synapismos.

E das críticas ao KKE tenta-se passar ao ataque ao PCP. Porque a postura dos comunistas gregos é sectária e contribui para a vitória da direita. Porque a posição dos comunistas portugueses não costuma ser muito diferente e sem uma plataforma de entendimento entre o PCP e o BE não será possível derrotar a troika. E mais uma vez se ensombra a verdade. Quantas vezes se aliou o Syriza à direita grega para derrotar o KKE nas autarquias? Quantas vezes se aliou o Syriza ao PASOK no movimento sindical para enfraquecer as posições comunistas?

O BE e o PCP

Por cá, para além das palavras, ficam os factos. Por muito que se acuse o PCP de sectarismo, o BE escolheu pavimentar a sua trajectória com alianças à direita. É certo que os bloquistas sempre acusaram os comunistas de os deixar sozinhos com o Partido Socialista. Como se a reacção do PCP fosse uma expressão de divisionismo e não a postura natural que deveria ter qualquer organização que se diga de esquerda ante um partido de direita como o PS.

Deveria o PCP ter apoiado, juntamente com o BE, o candidato presidencial do PS Manuel Alegre? Deveriam os trabalhadores comunistas ter alinhado com o BE e o PS nas várias propostas reformistas no âmbito do movimento sindical? Deveria o Grupo Parlamentar do PCP ter acompanhado o BE e toda a direita portuguesa no apoio à oligarquia financeira europeia? Deveriam os eurodeputados do PCP ter alinhado com o BE e a direita europeia na aprovação da resolução que elogia o orçamento comunitário?

O facto é que o PCP sempre mostrou abertura para apoiar entendimentos com quem apresente propostas que beneficiem os trabalhadores e o povo. Da mesma forma que os comunistas não têm qualquer pudor em aprovar qualquer proposta bloquista que vá ao encontro das aspirações e anseios do povo português, também não têm qualquer dúvida em combater e denunciar qualquer proposta que beneficie os grupos financeiros e as grandes empresas. Venha ela do CDS-PP, do PSD, do PS ou do BE.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

94 respostas a PCP e BE, KKE e Syriza: Sectarismo e traição

  1. leonor diz:

    xi, que artigo mais sectário! Depois de ter visto o Arménio Coiso a denunciar os vândalos do Chiado e a propôr a perseguição da economia paralela para combater o défice (deste estado que entrega tudo aos bancos), duvido muito que o PCP (mas isso é lá com eles e com os seus eleitores) e a CGTP (isso já me diz respeito, pois caio na alçada das posições sindicais) «não tenham qualquer pudor em aprovar qualquer proposta bloquista que vá ao encontro das aspirações e anseios do povo português, também não têm qualquer dúvida em combater e denunciar qualquer proposta que beneficie os grupos financeiros e as grandes empresas» (com acima está dito). Mas então por que não querem apoiar as “aspirações e anseios” do povo grego? – sendo que esse apoio é só simbólico – a dita solidariedade – e de resto é mais ou menos inútil, se não corresponder a uma vontade equivalente respeitante aqui ao nosso país…

    Agora, acerca das deputadas do BE alinhadas à direita – custa a acreditar! – haveria a bondade de fazer um link para o pessoal que não circula nos meandros da politiquice?

    Na verdade também começo a perceber, deste lado de fora das politiquices, que o apoio ao Syriza é factor divisor da esquerda lusa! Porquê? Estão cegos??

  2. M.D. diz:

    “Face ao capitalismo, restam poucas dúvidas de que só o comunismo representa uma saída à barbárie”

    O nível de alienação racional, o nível de ignorância e/ou má fé, desta frase é revelador duma visão deturpada do mundo, tão grave, que deveria dar direito a internamento imediato!

    Mas qual comunismo é que é a saída? O soviético? O do camodja dos Kméres? O do querido Kim? O do Fídel? O Chinês? Uma mistura de todos? A sério, concretize por favor só para se ter uma noção do nível de demência!

    • De diz:

      MD
      Calma.Os seus sais onde estão?
      Porque termos que ouvir os seus ais…
      Agora respire fundo e vá ler um pouco mais.Valeu?
      Peça aí ao seu patrão para lhe dar mais um tempito livre
      🙂

      • De diz:

        “Internamento imediato” proclama MD
        Ah,esse desejo tão totalitário que faz lembrar Pinochet quando seguiu os mesmos preceitos da dona.
        Não se vedam.
        (Por baixo do verniz, revela-se logo a mandíbula da matilha)

    • Miguel diz:

      “Mas qual comunismo é que é a saída? … O do camodja dos Kméres?”

      Só pode ser uma provocação reaccionária tal afirmação porque não acredito que alguém seja assim tão burro, os Kmeres alguma vez foram comunistas???? O povo do camboja foi libertado pelos comunistas do vietname, enfrentando a morte de muitos vietnamitas contra as forças kmeres que eram apoiados pelos tailandeses sob a coordenação dos estados unidos.
      Menos mentiras e difamação pelo menos num blogue que se diz de esquerda!

    • GB diz:

      E qual o capitalismo possível? O nazismo? O imperialismo americano?

      Sintetize aquilo que é a sua ideia política, para percebermos o que é no fundo: um traidor? um cobarde? um estúpido? um ignorante? um anti-comunista primário?

  3. maradona diz:

    aquilo que poderia ser uma cena coiso, logo fodida por umbiguismo geracional e ignorância voluntária: “Os tempos que vivemos são decisivos para o futuro da humanidade.”bem, nem é só para portugal, ou a europa, não, é logo a humanidade. tipo, a espécie. calhando até para o sistema solar, quem sabe. foda-se, qual era a necessidade desta merda? para quê a exposição a este ridículo? não se percebe que apenas estás interessado em ti (ou no teu colectivo), caralho? tu queres viver em tempos decisivos para o futuro da humanidade, todos os gajos como vocês sempre quiseram viver em tempos decisivos, parece que saem diminuidos se não viverem em tempos decisivios: entyão mas então a vossa ideologia não é a luz nova enterna da humanidade? para quê a necessidade de viver em tempos especiais para impõr?. olha aqui outro momento decisivo: http://malomil.blogspot.pt/2012/06/ruby-bridges-visits-with-president-and.html?spref=tw , mas claro que tu os teus de agora é que vivem momentos decisivos, os outros todos, que morreram aos milhões para que estejas aqui a lagartar posts não, esses viveram momentos irrelevantes para o futuro da humanidade. é como a revista blitz: os tindersticks uma vez revolucionaram a musica. mas a minha avó não, quando fugiu do alentejo para o algarve para escapar à pancadaria e à fome, aí não, não foram tempos decisivos. o problema disto é que é sempre a mesma coisa: os outros que se fodam; o capitalismo tem, parece-me, essa vantagem, essa sim, “decisiva”: todos os seus tempos são importantes, e portanto valoriza de igual modo toda a infinidade de presentes, não se põe cá com historias de futuros especialmente brilhantes e passados particularmente de trevas: interessa-lhes o pilim, que ao menos se pode medir pelos que hoje estão vivos. por deus. um dia que tenham a puta da coragem de tentar transformar as merdas em tempos normais, aí sim, um gajo pode prestar atenção. assim, enfim, resta-vos ler muito, o que de facto vos torna mais interessantes que os restantes, disso não haja duvidas. por vezes, como aqui, ridículos, mas mais interessantes.

    • Bruno Carvalho diz:

      Falava do período que dista entre o fim da URSS e o presente. Sendo que a crise do capitalismo que vivemos com todos os seus perigos e potencialidades se dá num contexto completamente diferente àquele que se vivia antes 1991. Nunca disse que este seria o único momento decisivo da história. Só o seu histerismo é que leva a tal conclusão. Mas entre os comunistas consideramos que sem uma alternativa ao capitalismo podem estar colocadas as condições, inclusive, para o fim da própria humanidade.

      • maradona diz:

        está bem, fui um bocado histérico, mas estou ainda doente de uma bebedeira de medronho no sábado, compreenda-se. eu sei que entre os comunistas vocês “consideram”. vocês “consideram” merdas vai a caminho de dois séculos, umas acertadamente, outra disparatamdamente, o que é algo que vos une a todas as pessoas que alguma vez “consideraram” oq ue quer que seja. jamais me passaria pela cabeça que os comunistas não “considerassem” que o capitalismo põe o fim da “própria humanidade” como horizonte possivel, dado, nomeadamente, vocês “considerarem” sempre merdas que vos possam justificar e beneficiar. o comunismo é o vosso centro; nem é os trabalhadores ou o caralho: é o comunismo, só. pronto. não tem sido um esforço literário deitado à rua, refira-se com veemencia. ando a ler o eagleton com mais atenção do que tinha feito aé aqui: granda gajo, caralho! não percebo metade, mas granda gajo! o vosso problema é que têm que chegar a velhos para serem interessantes. antes dos 50 anos só atraem para a conversa moscas como eu.

        • Jacquerie diz:

          Ó maradona vai dar banho ao cão.
          Tanta coisa de substantivo no post para discutir e tu vens implicar com aquilo que os outros consideram “tempos decisivos”?!. Como se a opinião de cada um não fosse a opinião de cada um. E, sim, se todos os tempos são decisivos para quem neles vive, estes são obrigatoriamente decisivos. Ou estás a viver tudo o que se está a passar como uma brincadeirinha?
          E considerar não se pode? Porquê?
          Eu explico-te: eu estou a considerar, tu estiveste a considerar, ele esteve a considerar. E temos, óbvio, o direito de o fazer.
          Só pegaste em lateralidades e “lana caprina”. Se não te seguisse há algum tempo diria que tentas torpedear argumentos com “fait divers” linguísticos e cortinas de fumo, merdinhas, para não discutires o essencial.
          Responder com tom jocoso e boçalmente jardinesco ou coutinhesco (de merda, portanto) à moda das macacadas da “Causa” (que muito aprecio) não ajuda.
          Vai curá-la.

    • Baresi88 diz:

      para teres escrito tanta porcaria mais valia que tivesses ido à casa de banha esgalhá-lo, ao menos não vinhas dizer disparates.

    • GB diz:

      iá, ó maradona, esse teu texto foi um golo lindo… na própria baliza.

  4. Tima diz:

    E aí continuam eles os alegres sectários e donos do purismo ideológico da esquerda impoluta!
    Pois… O PCP! Esse dono da democracia em Portugal! Esse imaculado partido de esquerda a dar lições de comportamento aos perigosos Bloquistas!
    A TODO o vapor acabar com o BE! Isso do ultra liberalismo do PSD/CDS é apenas um pormenor na luta do PCP em acabar com os seus reais inimigos, a esquerda portuguesa, para depois se arrogarem como os legítimos donos dela!

    • Bruno Carvalho diz:

      Se vivesse em Felgueiras era dos que toleram a corrupção dos autarcas. Parece que o BE pode apoiar a direita à vontade que terá sempre o apoio de alguns.

      • Tima diz:

        E pronto. Ele não sabe sair daqui. Na tentativa sempre inútil e sectária de provar a sua imaculada actuação política continua a meter o Bloco e os seus apoiantes no saco do caso Felgueiras. É esta o melhor termo que lhe ocorre? Acha mesmo portanto que ofendendo e jogando baixo vai levar a água ao seu moinho?
        Dogmáticos até ao fim. E as ruas para que se saiba também são só vossas não é? Realmente eu ainda acredito que haja gente no PCP que não viva numa nuvem vermelha a pensar que estão acima das ideias políticas dos outros e que não use comparações destas absurdas para inviabilizar o consenso.
        Pessoas como o Bruno não fazem falta à esquerda mas dão muito jeito ao PS/PSD/CDS. Eles agradecem a sua cegueira ideológica.

        • Bruno Carvalho diz:

          Eu é que dou jeito ao PS/PSD/CDS mas o BE é que aprova na Assembleia da República e no Parlamento Europeu, ao lado desses partidos, resoluções que abrem caminho às medidas de austeridade e ao apoio aos bancos. Mas eu é que sou cego, claro está.

          • Kirk diz:

            Há dias o Miguel Esteves Cardoso escreveu um artigo em que enaltecia a militancia dos militantes e simpatizantes do PC. Não acha suspeito qur um gajo de Direita se ponha com elogios ao PC? Porque será? será porque o PCP quer MESMO acabar com a burguesia, com a sociedade de classes ou será porque ele sabe que o PC é já um partido institucionalizado na sociedade burguesa, e até o MEC sabe que dali não virá perigo por aí além para a burguesia dominante? Por mim nunca ouvi uma qualquer figura da duireita escrever um elogio tão rasgado aos Bloquistas como o MEC faz ao PC.
            Camaradas do PC deixem-se de merdas de atirar pedras aos ttelhados dos outros e vejam-se ao espelho.
            Bruno, meu caro, você ainda há-de ser avozinho e ainda há-de viver no capitalismo, votar nas eleiçoes “and so on” se continuar a mandar calhaus aos seus vizinhos, meu.
            Acorde e alargue os seus horizontes. Karalho, meu, explique porque é que ao fim de 80 anos de vida o PC consegue ter apenas uma duzia de deputados. Acha que sozinhos vão a algum lado? Deve achar, pois. Sós, mas orgulhosamente, não é?
            K

          • Bruno Carvalho diz:

            Claro, o sonho do Kirk é que o PCP aplauda quando o BE apoia propostas de direita.

          • Bruno Carvalho diz:

            http://www.left.gr/article.php?id=2472

            Não é bem a mesma coisa que ter o apoio do MEC mas…o líder do Syriza já escreve no Financial Times, cita Obama e promete manter-se no euro e na União Europeia, tranquilizando os dirigentes europeus sobre os propósitos do seu programa.

          • Tima diz:

            E o PCP também não votou ao lado da direita para inviabilizar o PEC IV? Mas por que raio julgam vocês que só os outros é que erram?
            É pá PALMAS para a pureza que julgam ter.
            Entretanto há fome e 1 quinto da população no desemprego em Portugal mas o que conta é a porra vossa “pseudo” superioridade moral.

          • Bruno Carvalho diz:

            Mas você queria que o PCP votasse a favor de uma proposta de direita apresentada pelo PS e que foi unicamente rejeitada pelo PSD e CDS-PP por motivos eleitorais? Tenha juízo.

          • Zen diz:

            Há tantos anos a levar na “cabeça”, já deviam ter aprendido alguma coisa … A realidade não existe apenas a preto e branco !!!
            Um exemplo: na vila de Alpiarça, com maioria do PCP na Câmara e Assembleia, o PCP aliou-se ao CDS-PP na Junta de Freguesia para “entalar” os outros, nomeadamente o PS…

            E eu não ando para aí a gritar que o PC é de direita … Isso vê-se pela prática global e não por situações pontuais apresentadas fora do seu contexto real.

            Acredite, sr. Bruno, a intolerância (como a sua), venha de onde vier, é sempre de direita!

        • Rui Loureiro diz:

          Triste, uma esquerda que não assume as suas opções políticas concretas e se esconde atrás se chavões anti-comunistas que costumamos ouvir á direita. Aquilo a que chama cegueira ideológica eu chamo convicções politícas, que é coisa que queima a consciência a muita gente. E o pior de tudo, é que quando os B.E.’s desta vida tramam a vida aos trabalhadores, estes acabam por desmobilizar e achar que “são todos iguais”.

  5. Augusto diz:

    Pois como se deve denunciar o apoio do PCP a regimes DITATORIAIS como o do Irão de Cuba ou de Angola etc

    A esquerda não deve esconder a suas divergència, e sim discuti-las abertamente.

    Mas para isso não deve recusar o dialogo, como ainda recentemente o KKE fez.

    • André Pinto diz:

      E o que dizer do apoio de Rui Tavares do BE aos bombardeamentos da NATO na Líbia?

      Essa dos regimes ditatoriais no Irão, em Cuba e em Angola já parece conversa de direita.

      Aconselho vivamente um cházinho das cinco com as tias de Cascais e a mencionar os ditos regimes ditatoriais. As madames que apoiaram o amigo Jonas Savimbi e as Jamba Tours vão ficar muito felizes.

      • De diz:

        Na mouche.

        Misturar as questões de Angola com as de Cuba e depois com as do Irão é mesmo de quem não quer discutir nada.Quer fazer fumaça,com ou sem pneus. E olhar para o lado a ver se se repete o miserável apoio de uns tantos ao assalto por parte do imperialismo.Como sucedeu com a Líbia.

    • André Silva diz:

      Tomara em Portugal o povo ter 5% do poder que tem o povo de Cuba.

      Mas para os Augustos, isto é uma ditadura tenebrosa.

  6. Nuno Cardoso da Silva diz:

    Tudo isso está um bocado ultrapassado, já que os erros se acumularam dos dois lados. A questão é saber se, em próximas eleições, o PCP e o BE vão continuar a puxar cada um para o seu lado, não para fazer vingar as posições de esquerda, mas para ver quem tem mais votos e se pode arrogar o duvidoso título de principal representante da esquerda em Portugal. Uma coligação eleitoral do PCP, BE, MAS, MRPP e independentes de esquerda, podia atrair uma parte do eleitorado que vota normalmente PS e chegar aos 30%. Não chegaria para governar mas chegaria para marcar posições e ganhar credibilidade para futuros combates. Mas a leitura dos textos neste blog chegam para perceber que os ódios intestinos são mais fortes do que a vontade de derrubar a oligarquia burguesa. Só se forem os movimentos sociais a encontrar a fórmula da união expressa numa candidatura popular de esquerda que reduza o PCP e o BE à insignificância que ambos parecem estar apostados em merecer.

    • A.Silva diz:

      Nuno, como o Bruno refere e muito bem, tudo isto NÃO está ultrapassado, é bem presente e recente.

      E não é uma questão de “ódios intestinos”, é uma questão de clareza, de coerência, de qual é afinal o objectivo das organizações que se dizem de esquerda.

      É que para aldrabões já chega o PS/PSD/CDS.

  7. Rocha diz:

    Brilhante texto. Que sejamos todos julgados à esquerda pelos actos e não pelo que se disse.

    Nesta hora em que à força de uma propaganda bruta se tenta impor a fatalidade de aceitar a zona euro sob pena de algum dilúvio em caso de saída, envio toda a minha solidariedade para os camaradas irmãos do KKE que não estão imunes a erros se comporta como um verdadeiro partido revolucionário!

    Os comunistas são apenas uma parte da classe trabalhadora, mas são uma parte que não se vende, não se dobra, não troca favores por concessões, nem se rende a chantagens e falsos dilemas do bloco imperialista União Europeia.

  8. leonor diz:

    posto de outra forma: haverá alguém (nas águas da esquerda) que não deseje que o Syriza ganhe? desejam o quê então? (e que tal desejar que o povo decida e aceitar isso?)

    • Rui Loureiro diz:

      Eu desejava antes o KKE e não um partido que apenas quer domesticar o capitalismo e não acabar com o seu poder sobre os povos. As tentativas feitas na europa ocidental de domesticar o capitalismo colorindo-o com o estado social só vieram fortalecer os capitalistas, que se serviram das conquistas dos trabalhadores (direitos laborais, direito à habitação, educação, etc) no pós-guerra para vender a ideia que o capitalismo, afinal, funciona. Com o fim do bloco ideológico antagónico o verniz estalou e a besta está de volta. Enfim, os gregos escolheram o Syriza como 2ª força política do país, espero, a bem do povo grego, que o Syriza não esteja à venda e que o povo não esqueça que votou no Syriza e não no KKE, para o bem e para o mal.

  9. Mario diz:

    “O facto é que o PCP sempre mostrou abertura para apoiar entendimentos com quem apresente propostas que beneficiem os trabalhadores e o povo.”

    …excepto no casamento homossexual…

    • André Pinto diz:

      Essa é extraordinária, ó Mário… já só falta castigar o PCP por perseguir os homossexuais portugueses.

      Já só faltava o lobby-gay metido no debate.

    • A.Silva diz:

      Mario é aldrabão ou isso é mesmo só ignorância e preconceito?

    • AJ diz:

      Mario, mentir não vale. “O PCP concorda com o casamento entre homossexuais mas tem dúvidas quanto à adopção por casais do mesmo sexo, considerando que essa questão merece ser mais debatida na sociedade antes de ser consagrada na lei.” Ou seja, o PCP votou a favor do casamento homossexual e absteve-se na adopção por parte de casais homossexuais, por questões técnicas que foram explicadas. Pode ler a notícia aqui: http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Portugal/Interior.aspx?content_id=1017509. Acrescento ainda que o PCP contribuiu em muito para reforçar os direitos de quem vive em união de facto, independemente do sexo, e onde obviamente se incluem também muitos homossexuais. Trata-se do Projecto de Lei nº 115/VIII de Fevereiro de 2000, que pode consultar aqui: http://www.pcp.pt/ar/legis-8/projlei/pjl115.html. Como vê hoje em dia já não desculpa para se ser enganado!

  10. Baresi88 diz:

    O PCP já aprovou várias propostas do BE na Assembleia da República. Não vem nenhum mal ao mundo, só que às vezes o Bloco toma posições de direita.

  11. Rinka diz:

    Face ao capitalismo, restam poucas dúvidas de que só o comunismo representa uma saída à barbárie.

    Sabendo nós da barbárie que o Comunismo representou em todo o mundo…

  12. Jorge diz:

    Hummmmm… acho que eles não vão entender!!
    Onde está o espectáculo? E o fogo de artifício para as TV’s? E a velocidade da corrida ao Poder?
    Isto vai gerar comentários muito criativos!

  13. Nuno Rodrigues diz:

    Ei, tantas verdades juntas. Eles não vão gostar, camarada, e não tarda estão aqui todos de pistola, radicais como são (até já escrevem no financial times!)

    http://www.wsws.org/articles/2012/jun2012/tsip-j14.shtml.

    • alias diz:

      bem apanhado Nuno, recomenda-se.

      “Manterei a Grécia na Eurozona e restaurar o crescimento” promete numa coluna a 12 de Junho.
      e
      “Para que não restem dúvidas,” garante, “o meu movimento —SYRIZA— está comprometido a manter a Grécia na Eurozona.”

      Quem? Alexis Tsipras no Financial Times!

      original para subscritores
      cópia para pés descalços
      google search pelo título original

      • Nuno Cardoso da Silva diz:

        Theodore Roosevelt dizia: “Speak softly and carry a big stick!…”

        Alexis Tsipras tem de conquistar votos moderados para ter uma maioria para governar. Ao dizer o que disse, está a afastar a acusação de que é um feroz radical que come criancinhas ao pequeno almoço, e está a atirar para cima da UE e do FMI qualquer responsabilidade de um conflito com a Grécia. Ele até está pronto a ficar na UE e no euro, mas insiste em políticas que permitam o crescimento económico. Se a UE não quiser discutir as suas ideias, o odioso ficará com essa UE, não com Alexis Tsipras. O que só prova que Alexis Tsipras é um político inteligente, talvez inteligente demais para alguns que aqui escrevem…

        • Rui Loureiro diz:

          A linha que separa um “político inteligente” de um mentiroso é por vezes muito ténue, como bem sabemos da política nacional.

      • alias diz:

        “Let’s keep kicking the can down the road, shall we?”

        Mas quem, quem é que se pretende enganar com este artigo? Os que já se convenceram que o sistema financeiro já estoirou? Fútil! Os que se encontram em “denial”?

        Por outras palavras prolongar a canabalização do sistema à custa do povo grego? dos povos português, espanhol… europeus?

        Com as bocas cheias de crescimento económico andam todos estes filhos da puta que mais não fazem do que fazer transfusões de sangue envenenado “de um braço para o outro”.

        O que o Alexis Tsipras fazia bem era não alimentar ilusões seja a quem fôr, mas sobretudo preparar o povo grego, este sim, que o que se avizinha é a revolução e que para ela ser bem sucedida é preciso pessoas conscientes e consequentes com o já inevitável, bem como perigoso desafio.

        “We will ensure that viable banks are recapitalised transparently and in a way that is fully compatible with the public interest. That is the only way to ensure that the entire financial system is returned to full stability.”

        Foi a Merkl que disse isto? O Barroso? O Constâncio? O Borges? O Mira Amaral? Algum político inteligente? Não!

        Não é com esta farinha que se supera o capitalismo pá!

        • Nuno Cardoso da Silva diz:

          Imaginemos que Alexis Tsipras dizia aos gregos: “Votem em mim porque eu vou fazer a revolução!” Se Alexis Tsipras tem força para fazer a revolução, não precisa de perder tempo com eleições. Se não tem, está-se mesmo a ver que era anunciando a sua intenção que iria conseguir o voto dos gregos!… Sem revolução vencedora, a única legitimação do poder é por via eleitoral. A maioria dos gregos não parece estar ainda pronta para essa revolução, logo o Alexis Tsipras tem de obter a legitimidade eleitoral. Como é que ele poderia consegui-lo afirmando posições hiper-extremistas? No que me diz respeito tenho poucas dúvidas em como Alexis Tsipras sabe o que está a fazer, não é um moderado, mas tem de ir com calma até que o poder seja legitimamente seu. Só depois pode ir forçando o andamento da carruagem até que a ruptura se dê. O que é engraçado é que quem em Portugal critica esta moderação de Alexis Tsipras tem sido totalmente incapaz de fazer uma coisa tão simples como mobilizar os trabalhadores da banca a favor da nacionalização dos bancos. Cá não se pode fazer ondas, na Grécia era necessário o Alexis Tsipras aparecer nos comícios armado de metralhadora… No fundo, no fundo, o que se receia é que Alexis Tsipras seja bem sucedido com esta sua estratégia, e que o KKE acabe por ficar completamente fora de jogo. A jogada do KKE é de altíssimo risco e, com franqueza, é muito pouco inteligente.

          • Rui Loureiro diz:

            Não me parece que um partido que existe desde 1918 vá ficar de fora. Isso já parece aquela conversa durante o euforismo neo-liberal dos anos 90 em que todos anteviam o fim dos comunismo por esse mundo fora (período durate o qual apareceram os movimentos que deram origem ao Syriza), alguns já tinham até encomendado caixão para o PCP. Como diz um amigo meu, que até vota no BE, “o Salazar não consegui acabar com eles eram agora uns betinhos da Av. de Roma que iam conseguir”.

  14. Luis Rainha diz:

    Falta de pachorra para estas guerras de alecrim e manjerona.

    • Bruno Carvalho diz:

      Efectivamente, é mais confundir isto com uma guerra de alecrim e manjerona do que admitir e criticar os apoios do BE à direita.

    • Nuno Cardoso da Silva diz:

      Quando andava no antigo ISCEF, há já muitos anos, era ouvir as discussões acesas dos paladinos da pureza ideológica acusarem-se uns aos outros de social-fascistas, revisionistas, titistas, dubcekistas, estalinistas, trotskistas… Se tivesse dependido deles ainda hoje vivíamos no Estado Novo, talvez sob o consulado de Diogo Freitas do Amaral ou de Adriano Moreira… Estou farto, até à ponta dos cabelos, deste sectarismo acéfalo, desta incompetência intelectual disfarçada de purismo ideológico da parte de quem decora cartilhas mas nunca interiorizou o sentido dos valores de esquerda. Oxalá o Syriza ganhe as eleições na Grécia, para ver se esta gente toda põe os pés na terra. Mas confesso que receio que ainda não seja desta vez.

  15. Leo diz:

    “esta semana as duas eurodeputadas do Bloco de Esquerda se aliaram à direita europeia e aprovaram uma resolução que legitima as bárbaras medidas de austeridade contra várias países. Uma resolução que elogia o orçamento comunitário e as suas prioridades. Dentro do Grupo Parlamentar da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Verde Nórdica, a maioria optou por não aprovar o documento. O PCP votou contra e o BE preferiu alinhar-se com os representantes da oligarquia financeira.”

    Estes comportamentos continuados do BE quer na AR quer no PE apenas comprovam que por lá isto não é defeito, é feitio.

  16. Martelo diz:

    Epa Bruno, parabens pelo texto! Belo post!

    Nas autarquicas em Portugal é igual, na Moita nem se da pela diferença entre xuxas e bloquistas! Vergonhoso!

  17. Joaquim diz:

    Com estas posições oficiais do BE cada vez vai haver mais dissidências tipo MAS, no BE ; É óbvio.Quem é que quer alianças com a oligarquia financeira como fez o BE neste comprovado caso de votação ?

  18. antónimo diz:

    Pois é. As habituais acusações de sectarismo feitas pelos líderes do sectarismo mais sectário; o muito tontinho, mas convencido da inteligente originalidade choradinho, sobre a União Soviética e a China, que até se confunde com os khmers de criação norte-americana mas esquece as cumplicidades demo-liberais activas nos golpes sobre socialismos democraticamente eleitos como no Chile de Allende ou das Honduras de 2009; mas quanto às acusações concretas à posição do BE dizem nada.

  19. Tima diz:

    “Mas você queria que o PCP votasse a favor de uma proposta de direita apresentada pelo PS e que foi unicamente rejeitada pelo PSD e CDS-PP por motivos eleitorais? Tenha juízo.”

    Não. O que o PCP quis foi correr com o Sócrates e não esperavam que os vossos motivos eleitorais tivessem corrido mal com o CDS com votos suficientes para viabilizar um governo de direita! Erraram! Bravo! Também são humanos.
    Você deve lhe dar um gozo do caraças em plena governação ultra liberal com mais 20% do país no desemprego e o PSD a continuar a ter intenções de voto na ordem dos 36%.
    Bravo pá! Continua camarada no trilho da pureza cristalina partidária!

    • antónimo diz:

      O PCP e o BE tinham chumbado os PEC I, II e III, tal como o CDS e o PSD os tinham deixado passar.

      Só quem engole o isco da cassete do PS para consumo partidário, com anzol, cana e tudo. insiste nessa ideia da treta.

      Que eu saiba, o PCP e o BE podem ter muitos defeitos mas, em princípio, são partidos distintos do PS não existindo para viabilizar as argoladas deste nem para de modo calculista os programas de outros e mantê-los no poder. Os partidos devem tomar conta de si próprios. Querer que tomem conta dos outros é pedir-lhes para ignorarem as suas próprias convicções em nome de coisa nenhuma.

      Se o PS queriam aprovação, tivesse voltado a pedir ao PSD e aos CDS que lhe aprovassem o plano.

      Depois, quer queiram, quer não, a devolução do voto ao povo mostrou o apoio eleitoral que o PS tinha. No fundo, o que o PS queria era manter na secretaria uma defesa e uma legitimidade eleitoral a que já não tinha direito. É a fibra democrática dos amarelos.

  20. Aspirante a Rebuçado diz:

    Pá, vêm os radicais de cartilha, como já é hábito, fazer o choradinho do costume – é a Coreia, ´a URSS, é o sectarismo. Mas e o fulcral? Aqui alguém encontrou resposta para o que o Bruno disse sobre o BE? Zero! Duas eurodeputadas votam a favor da direita no PE; o outro coitado do Tsipras já cita o Obama e já diz que a Grécia não vai sair do Euro…

    Pois pois…

    Não há argumento para isto pois não?

    Vou ver se já chovem louçãs em Atenas!

    • sopas diz:

      a coreia, a urss, a china, não são fulcrais para se entender o que o pcp pratica e pretende porquê? é fulcral e diz muito mais sobre o pcp do que dezenas de actos de contrição a bater com a mão no peito feitos em privado, a garantir que o “pcp nem tem nada a ver com aquilo”. e sobre o que o bruno diz sobre o be é um chorrilho de mentiras e meias verdades que estão fartas de de ser esclarecidas, aqui nomeadamente. acha que alguém ciente do seu juízo se vai dar ao trabalho de explicar pela milionésima vez qual foi a posição do be no pe sobre o caso da líbia, de que o bruno carvalho (e outros) estão carecas de saber, mas mesmo assim insistem na deturpação demagógica, tentando vender esses argumentos aos mais débeis dos seus apaniguados? alguém se vai dar ao trabalho de esclarecer que, se o be escolheu um mau candidato a pr, mas com o objectivo para DE FACTO poder disputar o cargo com o candidato da direita, e eventualmente por falta de opções que dessem melhores garantias, o pcp simplesmente se DEMITIU de disputar a eleição, preferindo levantar uma cerca em redor do seu rebanho?
      mas alguém ainda dá para esse peditório? querem manter-se fechados na sua seita, tratar da sua irmandade, com o secretário geral e a direcção apostados, tipo dirigentes de associação de bairro, em não deixar a colectividade pior do que a encontrou (é essa no fundo a estratégia do pcp), então é deixa-los estar. Não os incomodar, deixa-los entretidos lá com as “verdades” das suas coisinhas, e andar para a frente.

      • Bruno Carvalho diz:

        O candidato de José Sócrates (essa grande figura da esquerda portuguesa) era Manuel Alegre que durante décadas aprovou proposta de direita na Assembleia da República e você quer-nos convencer que o BE queria derrotar a direita quando estava efectivamente a apoiar a direita? Tem sido tão boa a estratégia do BE que se afundou eleitoralmente, isto porque é a única coisa que se pode avaliar do BE tendo em conta que não influencia movimentos de massas.

        • sopas diz:

          o manuel alegre foi um mau candidato, nem por um momento ponho isso em dúvida, agora e na altura. nem tanto por muitos anos ter apoiado pela acção ou pela omissão cobarde, que sempre foi mais o seu estilo, s propostas da direita, mas por ser um catavento. atendendo a ser uma eleição para pr, não foi a 1º vez nem provavelmente foi a última que a esquerda apoiou candidatos de outros quadrantes políticos para ganhar as eleições a candidatos assumidamente de direita, o bruno sabe isso. apresentar um candidato próprio como insiste o pcp, e fez o be até à eleição anterior é, independentemente de gostarmos da palavra, uma demissão de ir à luta, isso santa paciência. agora, convinha arranjar candidatos mais “apresentáveis”, concordo, mas a indisponibilidade de outras figuras creio que condicionou.

        • sopas diz:

          e a descida eleitoral do be, apenas palpite meu, claro, não teve nada com alegres ou meios alegres. teve a ver com uma coisa que, se o bruno estiver para aí virado, pode constatar ainda hoje nalguns dos comentários que tem por aí: a não aprovação do pec 4 que levou à queda do socas para vir um gov. ainda mais à direita. está errado, concordamos, mas pesou muito no eleitorado do be.

          • Bruno Carvalho diz:

            Portanto, o eleitorado do BE chateou-se porque o BE não apoiou a política de direita do PS. Mais me ajuda.

          • sopas diz:

            partidos de gente sem palas é sempre mais difícil meu caro…

          • De diz:

            “Meu caro,partidos de gente sem palas” diz este “sopas”

            Partido de gente?Sem palas?
            Mas o rapaz andou a por as palas ou a tirá-las para saber tanto das ditas.
            Ah esta presunção pelas palas dos outros faz lembrar uma anedota.
            Demasiado grosseira para ser contada em sociedade.Que fazer?Explicitar a dita piada um pouco grosseira ou não?
            Não.É melhor ficar só o sopas mai-lo seu umbigo com ou sem palas,vá-se lá saber
            Assim como assim já dá para entreter.

      • Rui Loureiro diz:

        Durante a segregação racial existiam negros que tinham vergonha de ser negros, assim como havia judeus que tinham vergonha de ser judeus. Todos eles tentavam justificar essa vergonha com as circustâncias, mas no fundo ou eram colaboracionistas ou simplesmente cobardes.

  21. Rinka diz:

    Ó Rinka, esse anti-comunismo faz lembrar os padrecas das aldeias lá do norte que também assemelham o comunismo à barbárie, como também assemelham o nudismo e outras coisas mais…
    O Stalin, o Mao, o Ceaucescu, o Enver Hoxha (preciso continuar?) iam gostar disto.
    Bom saber que o Regime que mais gente matou na História afirma-se como sendo a solução contra a barbárie.
    Perguntem a um prisioneiro de um gulag, de uma prisão da Stasi ou a uma vitima da fome do Grande Salto em frente (oh, esperem esses já não podem falar) como é a vida debaixo do Comunismo

    • A.Silva diz:

      Rinka esqueceu-se de referir aquelas histórias da injecção atrás das orelhas dos velhinhos e as criancinhas ao pequeno-almoço.

      Só por isso já não tem 20 à disciplina de mentiras, disparates e bestialidades anti-comunistas.

      Mas não desista, com o seu nivel de argumentação um dia há-de lá chegar.

    • Caxineiro diz:

      Eu já perguntei Rika
      O gajo do gulag disse que aquilo afinal é um hotel de 5 estrelas cheio de ocranianas da stasi a servir criancinhas com cogumelos fritos com uma solução, não contra a barbárie, mas para esfregar na barriga no fim do repasto
      Eu não acreditei porque sou um gajo esperto como tu e fui comprar o livro negro do comunismo para saber a verdade
      Já vou na página dois

  22. Vermelho diz:

    A história é sempre a mesma. Aposto que muitos destes “meninos” que se afirmam «bloquistas», «de esquerda», «anarquistas»… e que criticam os comunistas por serem sociais fascistas… acabam todos mais cedo ou mais tarde em algum partido de direita. Se hoje o inimigo é o PCP, amanhã o inimigo será o PCP.

    • Caxineiro diz:

      Concordo contigo. Não todos, mas a maioria desses revolucionários da treta acabam na direita. Alguns já lá estão
      Lidar com verbalistas, é fodido Já leram os livros todos mas esqueceram-se de vir para o terereno para aprenderem com o POVO a compreender o que leram
      Desconfio que se um dia tivermos uma revolução a sério a maior parte deles nem vai perceber o que se está a passar

      • MG diz:

        Quando tivemos uma revolução, a maioria deles (ou os seus gémeos políticos) estava do lado da contra-revolução. Na próxima será igual.

        Um Abraço,

        • Zen diz:

          E onde é que tu estavas no 25 de Abril ?

          Apresentas argumentos que servem para atacar tudo e o seu contrário… E, acredita, a 4ª característica da dialética, a “luta dos contrários”, é “o motor de toda a mudança” mas não funciona com argumentos falhados…

          Um bocadinho de psicologia e de sociologia ajudavam-te a perceber melhor a realidade…

    • closer diz:

      Onde é que está a Zita Seabra?

      Onde é que está o Raimundo narciso?

      Onde é que está o José Magalhães?

      Onde é que está o Mário Lino?

      Onde é que está o Vital Moreira?

      • De diz:

        Este é o típico comentário de alguém que não conhece nem a História nem as histórias.
        E que está um pouco fora de si por ousar tal comentário.
        Que tal passar uma esponja pela boca enquanto espera que lhe passem os vapores?
        🙂
        E dar desta forma o flanco?Ah não se sabe se é só burrice, se é mesmo desespero

      • Zen diz:

        Aí está toda a razão do autointitulado “vermelho”! Então essa gente não era toda do BE já antes do 25 de Abril ?

        Talvez um bocadinho mais de marxismo nas análises e nos argumentos ajudasse este setor sectário do PCP… “Reduzir a realidade a um dos seus aspetos, reduzir o processo a um dos seus momentos e acreditar que o passado é tão forte que não possa haver futuro, é desconhecer a dialética do real”.

    • Ervil diz:

      Zita Seabraaaaaaaa, olééé!

  23. Orlando diz:

    Bom artigo Bruno.

    Em Lisboa, nas A.Freguesia, o blogo tem se abstido no que se refere às propostas para as extinção das freguesias, aconteceu na JF Graça e mais umas quantas onde têm gente nas AF. Vergonhoso, para o Bloco tanto se lhes dá que se extinga freguesias ou não. Começando na base, acabando no topo é tudo a mesma coisa nesta esquerda social democrática portuguesa chamada BE. E como sempre os eleitos da CDU, votam sozinhos CONTRA a extinção das freguesias.

    • Zen diz:

      E o que é mais correto? Definirem os partidos as freguesias a extinguir ou não extinguir ou dar voz às populações ???

      E se a maioria da população quiser extinguir ou fundir algumas freguesias urbanas, vais votar contra isso só porque a tua posição, cega como a da direita, é contra a extinção de todas freguesias?

  24. joão viegas diz:

    Certo,

    Vocês andam obcecados com a revolução comunista que niguém duvida que vai certamente resolver todos os problemas do mundo : o da fome, o das desigualdades, o da paz etc. Esta bem.

    A revolução é iminente, isto nem se discute. Sabemos que vai acontecer exactamente um dia antes do juizo final. Ja é mais dificil contar o prazo a partir de hoje, porque o juizo final esta iminente ha coisa de um ou dois milénios. Mas isso é um pormenor negligenciavel.

    O que me preocupa é o seguinte : como é que vivemos entretanto ? Os trabalhadores devem concentrar-se exclusivamente em criar condições de exploração mais duras para precipitar a revolução ? Assim sendo, não se corre o perigo de, no dia da resurreição (6 horas antes do juizo final) haver massas impressionantes de trabalhadores sacrificados da vida que possam, por exemplo, pôr em causa a revolução comunista ? E então como é que vai ser ? Vamos ter que os liquidar mesmo à porta do juizo final ? Parece mal…

    Francamente não sei.

    Boas

  25. Pingback: Será que Alexis Tsipras é assim tão diferente do que a Ilda Figueiredo? | cinco dias

  26. vitormonteiro diz:

    vamos la por pontos nos is.o que diferencia marxistas lenistas do pcp dos socisais democratas do be? e que nos queremos destruir o capitalismo e suas estruturas e bloquistas querm humanizalo.tal como dizia marx estdos u.europa em capitalismo e impossivel ou entao reaccionario.nos queremos nacionalizar a banca e bloco nao(e louça que o assume) NOS FOMOS CONTRA O REGATE AOS BANQUEIROS GREGOS E GENOCIDIO DO POVO E OBLOCO? NOS FOMOS CONTRA A NACIONALIZAÇAO DOS PREJUIZOS DO BPN ,BE VOTOU A FAVOR,O BLOCO NASCEU CONTRA O PCP MAS MESMO ASSIM ESTE PCP QUE DIZEM SECTARIO NUNCA DEIXOU DE APOIAR AS PROPSTAS DO BE QUANDO POSITVAS.OS MEUS CAMARADAS GREGOS ASSUMEM E BEM SAIDA DO EURO E DA UE,E O SIRIZA? AINDA QUERIM QUE O KKE ABDICASSE DE PRINCIPIOS EM TROCA DE VOTOS.NUNCA JAMAIS,SOMOS REVOLUCIONARIOS

  27. Basílio diz:

    Essa proposta apoiada pelo BE também propõe a criação de ainda mais impostos. Óptimo artigo!

Os comentários estão fechados.