Uma entrevista exemplar sobre as razões da luta dos desempregados

“Até agora não havia uma organização preocupada apenas com a questão do desemprego. (…) Há quase uma criminalização dos desempregados. Costumo dizer que estão em prisão domiciliária – não têm dinheiro para se deslocar, têm de se apresentar quinzenalmente no centro de emprego (…) e não podem sair do país. Querem que nos sintamos culpados. (…) O que queremos é precisamente que as pessoas deixem de estar isoladas e se juntem para mudar esta situação. Até porque já não têm nada a perder. E quem não tem nada a perder tem tudo a ganhar com a luta. (…) O Movimento está a crescer. Estamos a fazer divulgação nas redes sociais, mas queremos também cobrir a cidade de cartazes. Estamos a contactar formalmente todas as organizações que lutam contra estas políticas de austeridade, como os partidos de esquerda, os sindicatos e todos os movimentos sociais, para que nos ajudem a mobilizar as pessoas. (…) O desemprego é uma ameaça sobre os trabalhadores no activo. Só com este número de desemprego é possível fazer as alterações laborais e baixar os salários como está a ser feito. (…) O dinheiro que devia ir para fins públicos está a ser canalizado para os privados. (…) É uma geração que tem que resistir. Espero que as pessoas dêem a estas políticas uma resposta à altura.”

Via MSE, destaques meus.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

13 respostas a Uma entrevista exemplar sobre as razões da luta dos desempregados

  1. António diz:

    A primeira medida que devia ser adoptada para estimular o emprego era acabar com o poder dos sindicatos. O Carvalho da Silva é sem dúvida o maior culpado do nível de desemprego que Portugal atinge, neste momento.

    • Renato Teixeira diz:

      Acabar com o poder dos sindicatos para o dar a quem tem trocado postos de trabalho pela recuperação da sua mais-valia?

    • Baresi88 diz:

      Um anónimo ao apoio do capital, e dos Partidos Nazis Fascistas como PS, PSD e CDS!

  2. xatoo diz:

    a Ana Rajado é uma militante com elevado potencial
    e o MSE é um movimento, dos poucos que andam por aí, que tem um objectivo concreto; e que com um programa contra o capitalismo que seja teoricamente adequado pode vir a ser um importante elemento transformador da sociedade.
    Deixo dois links, para que se perceba a relação entre Imperialismo e Desemprego, isto é, entre os interesses antagónicos das classes trabalhadoras e os objectivos imperialistas com os quais as nossas elites se conluiam na busca de Matérias-primas (p/e no Iraque e na Libia), Mercado Consumidor (os centros comerciais sob controlo das multinacionais) e Mão-de-obra barata ( a recrutar entre o exército social de reserva constituido por potenciais trabalhadores)

     (…) A nível mundial, a lógica do funcionamento do sistema capitalista na sua fase imperialista determinou um processo de acumulação primitiva que implica a transferência do Trabalho para os países vulgarmente chamados de “emergentes”:
    http://www.lutapopularonline.org/index.php/opiniao/164-as-medidas-terroristas-do-governo-de-traicao-nacional-na-area-do-trabalho-e-da-seguranca-social-i 

     A aplicação de um plano de desindustrialização massiva e progressiva do nosso País e de destruição de grande parte da sua capacidade produtiva, a persistência na aposta no modelo dos baixos salários, ou seja, do trabalho intensivo, pouco qualificado e miseravelmente pago, e a aceitação, assumida e executada pelos sucessivos governos desde o início da integração europeia, do papel de Portugal como mera sub-colónia do sub-imperialismo germânico, conduziram em linha recta a uma situação de completa dependência económica e financeira, mas também política, de Portugal, tendo de importar mais de 80% daquilo que diariamente consome.
    http://www.lutapopularonline.org/index.php/opiniao/267-as-medidas-terroristas-do-governo-de-traicao-nacional-na-area-do-trabalho-e-da-seguranca-social-ii

  3. Pai dos Povos diz:

    “têm de se apresentar quinzenalmente no centro de emprego (…) e não podem sair do país. Querem que nos sintamos culpados.”

    Isto é uma deturpação completa da realidade. As apresentações quinzenais não se destinam a fazer com que os desempregados se sintam culpados. Têm como objectivo impedir, como durante muitos anos aconteceu, que trabalhadores arranjassem emprego no estrangeiro e depois continuassem a pingar mensalmente nas suas contas bancárias em Portugal os seus subsídios de desemprego. O sacrossanto estado social só poderá ser viável se os abusos forem travados. A esquerda não compreende estas coisas simples porque não sabe fazer contas. A esquerda vive no mundo da anti-Matemática.

    • Renato Teixeira diz:

      As contas da direita têm o seu acerto à vista… Dos senhores da alta finança aos burocratas de esquina. Upa, upa.

      • Baresi88 diz:

        Este pai dos povos só fala o que lhe convém, e depois o que não lhe convém abre que a conversa já não lhe cheira.

    • De diz:

      Este PP deve ser o próprio Crato ou alguém travestido de.Medíocre como o mestre?Ou enraivecido e sem escrúpulos como o mesmo mestre?
      De volta em vez salta-se com comentários tontos e tolos sobre a matemática e a anti-matemática.
      A demonstrar duas coisas.Que nem percebe da dita.E que está confinado a esta questão bacoca como argumentário

      Aqui há umas dezenas de anos um racista de baixo quilate entretinha-se a riscar argumentos que provavam matematicamente a superioridade da raça ariana.

      Entretanto a matemática esvai-se no fundo do bolso dos agiotas da troika.

  4. Francisco diz:

    O próprio sistema capitalista obriga a isto, ao afundamento à destruição de uma ou mais gerações para beneficio dos grandes industriais e empresários, que fazem fortuna enquanto matam outros há fome. É vergonhosa a forma como este governo e a União Europeia tem tratado as pessoas, para eles somos apenas animais que quando deixarem de ter utilidade devemos ser abatidos, direitos que os trabalhadores tinham lutado(8 horas de trabalho,saúde e educação gratuitas…) estão a esfumar-se porque é necessário impor sacrifícios à generalidade da pessoas “para fazer a economia prosperar”.
    Estamos a ser cada vez mais tratados como colónias das grandes potências capitalistas (EUA,Alemanha…), que já destruíram grande parte do que produzíamos para poder vir vender os seus produtos sem concorrência, e que melhor maneira de acabar com a nossa produção do que acabar com a força de trabalho e com a esperança e vontade das pessoas!

  5. Baresi88 diz:

    Que sacríficio para a vista, com as letras tão pequeninas e depois com o raio do acordo ortográfico, enfim é para dar cabo disto de uma vez por todas.

  6. Baresi88 diz:

    Se estão a contactar os partidos de esquerda e os sindicatos e depois dizem que até agora não houve nenhuma organização preocupada, algo está errado! E posso dizer que não é o estarem a contactar os partidos de esquerda e os sindicatos…

Os comentários estão fechados.