Os trabalhadores (…) nada têm a reivindicar…

Ontem, andava o Sr. Presidente do Conselho da República a fingir-se ao lado do “povo”, “das lavadeiras” e “dos fadistas”, no Largo da Severa, ouve-se uma voz do além.
O discurso, na íntegra:

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.