Álvaro Cunhal combatendo o esquerdismo-sectarismo dentro do partido

Onde é que há um sector político em Portugal, fora do PCP, que já não tenha tido afirmações anticomunistas. Qual? Qual é o partido, qual é o sector que, não sendo comunista, nunca disse nada contra o nosso Partido?
Vamos lá começar pela direita. CDS é anticomunista, PPD anticomunista, PS por ser socialista não fica a dever nada nem ao CDS nem ao PPD nos ataques que faz ao nosso Partido. Se estão aqui socialistas, leiam o Diário de Notícias de há dois dias e vejam uma entrevista do Dr. Mário Soares, em que em 20 linhas, com toda a franqueza, amigos, estão aqui amigos socialistas, mas eu tenho de dizer o que é. Ele escreve 20 linhas e não estão ali menos de 20 coisas falsas contra o nosso Partido.
Vamos agora para o outro lado. Serão os grupos esquerdistas menos anticomunistas do que o CDS e o PPD? A UDP é menos violenta nos ataques contra o nosso Partido do que o CDS?
Se fôssemos dizer: não devemos entender-nos com ninguém que nos ataque, então não nos entendemos com ninguém. Todos nos têm atacado. Portanto é necessário ver que, embora todos nos ataquem, há homens que não são comunistas, que têm preconceitos anticomunistas, mas que podem vir a ter uma posição de cooperação connosco, com o nosso Partido. Isso tem-se verificado muitas vezes. Têm às vezes posições contra o Partido, discutimos e chegamos a acordo. Não se pense, por exemplo, que Otelo Saraiva de Carvalho tem menos reservas e faz menos críticas em relação ao PCP do que Mário Soares.
As reservas anticomunistas, as críticas ao nosso Partido, não nos podem levar ao isolamento daquelas forças donde vêm essas reservas e essas críticas. Devemos, ao contrário, pacientemente, continuar a nossa batalha política, rejeitando naturalmente as acusações injustas contra o nosso Partido, e procurar ganhar os sectores mais diversos para a política do nosso Partido.
(Marinha Grande – 22.6.1976)

CUNHAL, Álvaro “Uma política ao serviço do povo – Discursos Políticos 8”, edições Avante (1977)

Alguém pode traduzir isto para grego? Creio que faria muito bem aos camaradas gregos do KKE. Um pouco mais de dialéctica e auto-crítica. Mais marxismo-leninismo e menos arrogância. Começar a ler Álvaro Cunhal fazia-lhes muito bem.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

46 Responses to Álvaro Cunhal combatendo o esquerdismo-sectarismo dentro do partido

Os comentários estão fechados.