Alguém ensina o Cavaco a bater palminhas?

A operação “contacto com o povo” foi um fiasco. Cavaco esteve sobretudo em “contacto com a polícia”.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

9 respostas a Alguém ensina o Cavaco a bater palminhas?

  1. Rocha diz:

    Cavaco alerta para “nacionalismos e ressentimentos na Europa”. Cavaco alerta para os “egoísmos nacionais”. Será que ele tem razão?

    Será que nos devemos curvar perante a Merkel e pedir encarecidamente por renegociar a nossa presença na zona euro, na UE e o nosso caridoso “resgate” em nome de salvar a Europa do Capital cof cof… perdão em nome do “internacionalismo monetário”? Será assim meu caro JVA?

    Pois eu pergunto-me desde esta margem esquerda da blogosfera se não há secretamente aqui alguns a bater palminhas ao Cavaco…

    • João Valente Aguiar diz:

      Porque raio sou aqui chamado a esta caixa de comentários Luís? Ou quando não se sabe ou não se quer discutir as coisas a partir da realidade material os mestres da dialéctica preferem a insinuação badalhoca ou as atoardas ideológicas? Se queres discutir com argumentos, muito bem. Mas se preferes brincar então deixa-me fora do teu parque infantil ideológico. Do baloiço do voluntarismo ao escorrega rumo ao abismo nacionalista há uma distância pequena demais mas os equilibrismos dos mestres da dialéctica permite-lhes enfiar a cabeça na caixa de areia e ainda assim dizerem que tudo irá bem se nos enterrar-nos ainda mais… Divirtam-se!

    • João Valente Aguiar diz:

      E já que és um brincalhão e já que gostas de desconversar deixo-te esta pérola: http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=2597633&seccao=Europa (título da reportagem “Marine Le Pen deseja implosão da União Europeia”)

      Parafraseando o brincalhão “pois eu pergunto-me desde esta margem esquerda da blogosfera se não há secretamente aqui alguns a bater palminhas pelas mesmas coisas da Marine Le Pen”. Não gostaste pois não? Então para a próxima pensa bem no que dizes. Agora deixo-te. Volta para o parque infantil e para a caixa de areia.

      • Rocha diz:

        Tens razão, é verdade que baixei o nível. Mas para o coro dos “europeístas” sejam eles ditos de “esquerda” ou direita já não tenho pachorra.

        Os escroques como o Le Pen, como a Aurora Dourada e outros que tais estão bem seguros pela classe dominante europeia precisamente para aterrorizar os povos que se querem libertar da masmorra imperial “União Europeia” e da “zona euro” (esta última mais semelhante à frigideira do tarrafal). Tal como no passado o Hitler se dizia socialista e o Mussolini se dizia oposto ao capitalismo.

        O falso dilema – que tu ajudas a justificar – do “ou nós ou o dilúvio” está bem arquitectado e traduz-se de diferentes formas: ou a zona euro ou a insolvência nacional, ou a União Europeia ou o fascismo, entre outros cenários. A classe dominante não brinca em serviço e está pronta a tentar implementar estes cenários alternativos no terreno.

        Acontece é que aceitar a chantagem destes dilemas e a sua lógica equivale a dizer que o capitalismo é demasiado poderoso e não pode ser derrotado.

        A revolução não é feita por mais ninguém que não os povos, onde e quando eles quiserem. Aos comunistas cabe decidir se vão facilitar esse processo ou miná-lo e reprimi-lo.

  2. Bolota diz:

    E onde está o povo pá??? Não é suposto estas festas e festanças se organizarem em nome do POVO e para o POVO.

    O que fez em função do povo esse benemerito do POVO Lobo Xavier, para alem de ser militanta do CDS para ser galardoado??????

    Vão mas é todos encher-se de moscas.

  3. zé da Tasca diz:

    Asco.Asco.Asco.

  4. Antónimo diz:

    Nota-se que lhe faltou amor.

    Os pais em vez de baterem palminhas para o menino Aníbal papar devem ter-lhe enchido aquela cabeça de fungões.

  5. notrivia diz:

    Nem um tomate a voar..? um ovo podre..? umas bocas a chamar gatuno, etc?
    Não gostei da performance popular. Isto assim é medo a mais.
    Eles em Guimarães não paparam grupos.

Os comentários estão fechados.