NAZI-SIONISMO – nunca um termo foi tão apropriado (apesar do título, este post é apenas isto: alguma coisa contra a Alemanha, mas tudo, mesmo tudo, contra Israel, estado ilegal e pária)

The Dolphin class submarines are built for Israel in a shipyard in Kiel (March 2012 photo).

(aqui e aqui)

Por que é que a entidade sionista compra submarinos a esta nação europeia, e proíbe a audição no seu território de um genial compositor falecido em 1883??

Este é o verdadeiro retrato de Israel. Submarinos nuclearmente equipados, sim, Wagner, não. Este estado é uma vergonha para a humanidade. Deixem a Síria em paz, ó comentadores!

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

83 respostas a NAZI-SIONISMO – nunca um termo foi tão apropriado (apesar do título, este post é apenas isto: alguma coisa contra a Alemanha, mas tudo, mesmo tudo, contra Israel, estado ilegal e pária)

  1. Joao Passos Dias Aguiar Mota diz:

    Shame on you oh Vidal com essa da “deixem a Síria em paz”..

    A excitação da argumentação deve-lhe ter toldado a lucidez so pode. Conte ate 10, beba um copo de agua e pense bem se o que se esta a passar na Síria é defensável seja de que prisma for.

    Salve,

    • Carlos Vidal diz:

      Percebo.
      Não percebo.
      Quer, na Síria, uma intervenção “humanitária” internacional?

      • De diz:

        Quer sobretudo que não se fale no estado-pária de Israel.
        Nem das negociatas nucleares.A histeria vira-se para quem é o alvo da bota cardada germano-israelita.
        Ou arranja-se um sucedâneo de ocasião

    • A.Silva diz:

      Passos (deve ser da família dos paços), sim o que se passa na Síria não é defensável de que prisma for.

      Não é defensável a ingerência descarada da Arábia Saudita, Qatar, EUA, UE (apoiando a Alqaeda), nos assuntos da Síria, é um crime.

      Nem mesmo com as campanhas mais sujas e desonestas dos meios de propaganda do capital conseguem esconder este hediondo crime, que claro está também tem a participação (coordenação?) do estado criminoso de Israel.

  2. João. diz:

    Israel não é só isto. Israel também se compõe de israelitas que não professam o direitismo actual e é no reforço destas faixas que está também a capacidade de tranformar os acontecimentos. Você ao colocar em causa a legitimidade da existência de Israel está simplesmente a fazer coro com o fundamentalismo islâmico (e a alienar a esquerda israelita); fundamentalismo esse que, ao que sei, não é à matriz do pensamento de esquerda de tonalidade marxista. Por mim recuso ambos, quer o direitismo israelita quer o fundamentalismo iraniano, cuja interacção serve apenas para reproduzir o seu domínio nas esferas respectivas de sua actuação. Não se esqueça que os regimes fundamentalistas desprezam o comunismo tanto quanto o direitismo israelita – e porventura com mais violência – de modo que não sei que motivo haverá para nos colocarmos ao lado deles nesta questão.

    • Carlos Vidal diz:

      A ideia de um “estado judaico” é uma das maiores aberrações da política internacional.
      Sou, claro, contra a existência do estado de Israel.
      (Então para si é assim: “estado judaico”, sim; “estado islâmico”, não!)

      • João. diz:

        Desculpe, mas o que eu digo é que a batalha entre o fundamentalismo islâmico e o direitismo israelita não é uma batalha nossa. Esta batalha é do mais típico que o capitalismo global nos oferece hoje e tomar um lado nesta batalha é participar neste jogo capitalista. A meu ver, a tarefa do comunismo começa por ser o não aceitar os termos em que os conflitos do capitalismo global se desenrolam até porque dialecticamente assim que se assimilam os termos do adversário já se perdeu a batalha contra o adversário.

        • Carlos Vidal diz:

          E quanto à existência de uma entidade autodenominada “estado judaico”?
          Nada a dizer?

          • João. diz:

            Exacto, nada a dizer.

            Mas é claro que não falta sobre essa matéria muita opinião veiculada pelos Aitolás do Irão onde o Carlos poderá recolher inspiração para os seus posts sobre a questão israelita.

          • M.D. diz:

            Israel não é um estado judaico. Existe liberdade religiosa. Já nos estados islamicos…:

            “O Serviço Militar é facultativo para os não judeus.

            Os isrealitas não judeus também possuem direitos políticos, tais como o direto ao voto e à participação política.

            No parlamento existe uma forte bancada árabe-muçulmana. Salim Joubran, árabe-cristão, é juíz da Suprema Corte de Justiça.

            Muçulmanos:

            Dos árabes israelenses, 82,7% são muçulmanos, 8,4% drusos e 8,3% cristãos. Os árabes muçulmanos com cidadania israelense somam cerca de 1,2 milhões de pessoas, a maioria sunitas, e residem principalmente em pequenas cidades e aldeias, mais da metade deles no norte do país.

            Os beduínos, também muçulmanos (estimados em cerca de 250 mil indivíduos), pertencem a cerca de 30 tribos, a maioria espalhadas em uma ampla área no sul do país. Os beduínos estão em fase de transição de um quadro social tribal e nômade para uma sociedade permanente.

            Cristãos:

            Pouco mais de 80% dos cristãos israelenses são étnicamente árabes (cerca de 123.000 indivíduos), e a maioria dos cristãos israelenses restantes são provenientes da antiga União Soviética. Trata-se de cristãos que imigraram juntamente com algum parente judeu. Vivem principalmente em grandes áreas urbanas, incluindo Nazaré, Shfar’am e Haifa.

            Druzos:

            Cerca de 122.000 árabes-israelenses são druzos, que vivem em 22 aldeias no norte de Israel e constituem uma comunidade cultural, social e religiosamente separada dos demais árabes. A religião drusa não é acessível para pessoas de fora, mas um aspecto conhecido de sua filosofia é o conceito de “taqiyya”, que exige completa lealdade de seus adeptos ao governo do país em que residem. Os cidadãos druzos servem às Forças de Defesa de Israel.

            Circassianos:

            Os circassianos, compreendendo cerca de quatro mil pessoas concentradas em duas aldeias ao norte, são muçulmanos sunitas, embora não sejam de origem. Mantendo uma identidade étnica distinta, eles participam de assuntos económicos e nacionais de Israel sem se assimilarem tanto na sociedade judaica ou à comunidade muçulmana.

            Budistas:

            Israel tem uma das maiores populações budistas do Oriente Médio (32 mil pessoas, em sua maioria seguidores do lamaísmo.”

          • Carlos Vidal diz:

            Quanto ao “estado judaico”, nada a dizer – diz João.

            Muito bem, não sei ao que veio, pois quando se fala em Israel é esse o ponto fulcral.
            E, por isso, é que a solução fulcral não é a de dois povos dois estados, mas antes dois (ou mais) povos e um estado. Federação, confederação, um homem um voto, tenha a cor de pele que tiver, a confissão que tiver. (E demore o tempo que demorar – outra solução não há.)
            Entendidos?

          • Carlos Vidal diz:

            MD, largue a Wikipedia e não chateie com o Che.
            Respeite esse nome.
            Isto não é Miami.
            Isto nunca será Miami, nem um blogue de Miami!!

          • Rocha diz:

            Para lá do mundo de fantasia do MD, os não judeus em Israel são tratados como os negros durante o Apartheid da África do Sul. Isto está muitíssimo documentado em reportagens, documentários e inúmeros testemunhos.

            Para além da propaganda sionista de Israel (e chamar-lhes sionista não é insulto mas sim uma ideologia de Estado totalmente assumida) os árabes e muçulmanos israelitas são tratados como os nazis trataram os judeus.

            Quanto a outras religiões, basta um cristão para provar a ditadura fundamentalista que Israel é: Mordechai Vannu.

            Além do mais é preciso dizer em defesa dos judeus que os verdadeiros judeus, os judeus de valores humanistas, rejeitam a aberração que é o “Estado judeu”, rejeitam Israel e rejeitam o sionismo.

          • De diz:

            Que fazer quando os disparates são tantos que se torna incómodo saber por onde pegar?
            Que fazer quando se cita a Wikipedia desta forma rasteirinha e tão primária?
            Tanto a dizer.
            Por exemplo :”Israel não é um estado judaico”:

            O Supremo Tribunal e o parlamento israelita. sufragaram, no início deste ano, duas leis cujo objectivo é consolidar o Estado racista antidemocrático.
            A norma que proíbe o reagrupamento familiar dos palestinianos casados com árabes israelitas foi ratificada pelo Supremo Tribunal, quarta-feira, 11. O órgão judicial rejeitou um apelo subscrito por organizações de defesa dos direitos humanos para que a instância impedisse a renovação da referida lei, aprovada em 2003.

            «Israel define-se como um Estado judaico e democrático. Pela primeira vez o Supremo Tribunal privilegiou o carácter judaico em detrimento do carácter democrático», considerou o comentador jurídico da rádio pública, Moshé Negbi, citado pela Lusa.
            (leu bem…estado judaico)
            No mesmo sentido, uma das subscritoras da proposta, a deputada Zeava Galon, qualificou o texto como «discriminatório» que «diz aos árabes israelitas que se querem casar com um ou uma palestiniana, apenas têm de partir».
            Em Israel, 20 por cento da população é de origem árabe, por isso, para a Associação Judicial Árabe-Israelita a lei «priva os cidadãos de uma vida familiar em Israel apenas com base na etnia ou nacionalidade do conjuge».
            O próprio ministro do Interior israelita admitiu o carácter abertamente racista da norma, quando, ao reagir à decisão do Supremo, disse que para além da «segurança» estava em causa a questão demográfica de «não pôr em risco a maioria judaica no Estado de Israel».

            Há mais.Muitíssimo mais

      • antonio diz:

        Com tanta gente contra a existência do Estado de Israel é melhor o Estado de Israel acelerar os esforços de (re)armamento e comprar mais uns submarinos. Talvez, com algum jeito, consigamos vender os nossos a bom preço.

      • Ângelo Barbosa diz:

        Alguma vez um Judeu colocou um cinto de Explosivos e mandou pelos ares um Autocarro cheio de pessoas em algum Pais Árabe?
        Alguma vez algum Judeu Pilotou Aviões contra edifícios nos Países Árabes? Alguma vez algum Judeu, foi a uns quaisquer jogos olímpicos assassinar comitivas de Países Árabes?
        O total da população islâmica (ou muçulmana) é de aproximadamente, 1.200.000.000. Prémios Nobel 7

        O total da população de Judeus é, aproximadamente, 14.000.000. Prémios Nobel 128

        Será que é preciso ser inteligente para perceber o que está debaixo do nosso nariz?
        Em Israel não se passa fome, nos Países Árabes e Muçulmanos sim!
        Compositor falecido em 1883 (richard wagner) proibido?
        Será que é preciso mencionar as proibições aberrantes que existem nos Países Muçulmanos, a lista é extensa!?…
        Enfim… Perdoem-lhes que eles não sabem do que falam, nem o que fazem.

        Disse

  3. António diz:

    É melhor continuar a comentar arte. Para o resto tem muito pouco jeito e é muito reaccionário para meu gosto…

    • Carlos Vidal diz:

      Sem dúvida.

      Mas, repare, este também é um pequeno post sobre arte. É uma defesa de um artista censurado.

    • Konn A. Mawl diz:

      Sionismo é que é reaccionário. É tão reaccionário que fundamenta a sua causa em mitos de há milénios atrás.

  4. Joao Passos Dias Aguiar Mota diz:

    Portanto, o Carlos sente-se indiferente/confortável ao que se esta a passar na Síria.

    E vai daí responde com uma pergunta, se eu quero uma intervenção humanitaria internacional. Pois sim, quero. E queria que a “comunidade internacional” fosse tão decidida e célere no caso da Síria como em outros similares (mas onde talvez os underlying/shadow interests fossem menos complicados de gerir).

    A sua postura é radical, enviesada e pouco estruturada. Quero dizer, ainda que a Síria seja/tenha sido um estado “amigo” da causa Palestiniana, isso não significa que esteja acima de críticas, em particular o seu tirano de turno que é incapaz de perceber que o “seu” mundo mudou. Pior para ele – que o vai perceber a força e da pior maneira – e pior ainda para os Sírios que entretanto sofreram/sofrem dos seus desmandos.

    • De diz:

      Passos Dias Aguiar Mota mostra-se preocupado com a Síria.
      E até quer uma intervenção internacional.
      Curioso como há dias um post sobre a Síria onde se podiam dirimir as várias opiniões sobre a Síria,mas onde inequivocamente se demonstravam algumas das maquinações que pairam sobre este estado, o silêncio dos Passos ( e não só) foi assustador. O post datado de 29 de Março não mereceu mais do que o silêncio das carpideiras hipócritas
      Curioso como num post sobre o estado-pária de Israel (infelizmente porque o é) seja o tema da Síria o alvo preferido d Mota.
      Faço minhas as palavras do Bruno neste post
      http://5dias.net/2012/05/29/houla-patriotas-sirios-assassinados-por-terroristas/
      “Não tenho qualquer dúvida de que rejeitarei e condenarei tal violação dos direitos humanos se isso vier a ser provado. Mas o comportamento da comunicação social não contribui para o esclarecimento dos factos. Ela é uma arma ao serviço do imperialismo.”
      Como se pode ver no exemplo junto:
      http://o-companheirovasco.blogspot.pt/2012/05/fox-news-114-quando-o-feitico-se-volta.html.
      (A pressa ao serviço da comunidade internacional.Onde já ouvimos isto?)
      Daí que quando este fala em postura radical,enviesada e pouco estruturada o que pretende não é mais do que esconder a sua própria postura sobre o cerne do aqui denunciado.
      Porque em Israel não é uma questão de “tirano de turno”,com o qual se tenta embrulhar toda a merda que por lá está a ocorrer.
      É que em Israel os tiranos repetem-se e perpetuam-se.E não têm o choro pseudo-histérico d Mota atrás deles.

      • Carlos Vidal diz:

        Então há quem queira uma intervenção humanitária armada na Síria, muito bem.
        Depois do Afeganistão, Iraque, Líbia, a raça Rui Tavares procriou.
        Porra.
        Julgava eu a coisa extinta.

    • Rocha diz:

      O mundo mudou sim senhor.

      Mudou excepto para os cobardes que defendem que as bombas caiam sobre as casas dos outros em países distantes.

      Mudou mas não para os que são contra grupos armados À porta de sua casa, mas já são a favor se for na casa de vizinhos.

      Sim você leu bem: estou a chamá-lo de cobarde.

      E o pior cobarde não é o que foge da guerra, nem o que faz a guerra. O pior cobarde é o que fica na bancada a aplaudir.

    • eu diz:

      Ora aqui está um experto bem informado comó cara***!Tirou o curso de telejornais e expressos,sóis,is,gente,vip’s e coisas afins e,já sabe tudo!Espantoso,gente como o sr. vemos todos os dias nas televisões que dizem a mesma coisa e são pluralistas(?).Vá replicar essas evidencias ciáticas para os abrutos,avatares,31 d’armada e coisas afins.Vai ter sucesso,vai ver.Aqui,é só um bom aluno aplicado a demonstrar que 2+2=5!

  5. Silvério Coutinho diz:

    Israel é o único país democrático do Médio Oriente.

    • Carlos Vidal diz:

      Ainda há quem diga estas coisas sem se rir!!

      Israel é democrático. Também o era a África do Sul antes de Mandela: havia eleições, partidos políticos, governo, oposição. Eu sei que havia isso tudo, próprio de uma democracia.
      Ainda bem que me informa.

      • Pai dos Povos diz:

        Mas é verdade. Israel o mais democrático país do Médio Oriente.

        • Carlos Vidal diz:

          Do mundo. Do mundo.

        • De diz:

          “A propaganda sionista, desde o início da formação do Estado de Israel, tem insistido em caracterizar Israel como um Estado democrático no estilo ocidental, cercado por países árabes feudais, atrasados e autoritários. Apresentam então Israel como um bastião dos direitos democráticos no Oriente Médio. Nada poderia estar mais longe da verdade.
          Entre a divisão da Palestina e a formação do Estado de Israel, num período de seis meses, brigadas armadas israelenses ocuparam 75% da terra palestina e expulsaram mais de 800 mil palestinos, de um total de 950 mil. Eles os expulsaram através de sucessivos massacres. Várias cidades foram arrasadas, forçando assim a população palestina a refugiar-se nos países vizinhos, em campos de concentração e de refugiados. Naquele tempo, no período da formação do Estado de Israel, havia 475 cidades e vilas palestinas, que caíram sob o controle israelita. Dessas 475 cidades e vilas, 385 foram simplesmente arrasadas, deixadas em escombros, no chão, apagadas do mapa. Nas 90 cidades e vilas remanescentes, os judeus confiscaram toda a terra, sem nenhuma indenização. Hoje, o Estado de Israel e seus organismos governamentais, tais como o da Organização da Terra, controlam cerca de 95% da terra palestina.
          Pela legislação existente em Israel, é necessário provar, por critérios religiosos ortodoxos judeus, a ascendência judaica por linhagem materna até a quarta geração, para poder possuir terra, trabalhar na terra ou mesmo sublocar terra. Como eu digo sempre, nas palestras em que apresento meus pontos de vista, em qualquer país do mundo (seja Brasil, EUA, onde for), se fosse necessário preencher requisitos parecidos com esses, ninguém duvidaria do caráter racista de tal Estado; seria notória a existência de um regime fascista.
          A Suprema Corte em Israel tem ratificado que Israel é o Estado do povo judeu e que, para participar da vida política israelense, organizar um partido político, por exemplo, ou ter uma organização política, ou mesmo um clube público, é necessário afirmar que se aceita o caráter exclusivamente judeu do Estado de Israel. É um Estado colonial racista, no qual os direitos são limitados à população colonizadora, na base de critérios raciais.” Ralph Schoenman

        • Baresi88 diz:

          E o Pai dos Povos não é um nazi fascista, pois não!

        • Carlos Carapeto diz:

          “Pai dos Povos says:

          Mas é verdade. Israel o mais democrático país do Médio Oriente.”

          Já se deu ao trabalho de ler a constituição do Irão? Quais são os direitos dos vários povos e etnias quelá vivem? Então leia e fica sabendo que todos têm lugar no parlamento. Todos podem praticar livremente o credo que desejarem, até os judeus.
          Que as mulheres podem exercer as profissões que querem? Policias, militares, bombeiras, motoristas.

          A ignorância leva as pessoas a dizer grandes disparates.

          Desejava que alguém disse-se quantos muçulmanos ocupam lugares de alta chefia nas forças armadas Israelitas?

          Aqui é que a porca torce o rabo.

          Sabe que no Irão nem o lider supremo tem poderes para dissolver o parlamento?

  6. Miguel Lopes diz:

    O governo sírio está a fazer o trabalho de formiguinha que lhe compete: eliminar todos os proxies da NATO, de Israel e os salafistas da Arábia Saudita e do Qatar. Só os parvalhões ressacados de televisão é que não entendem que numa guerra, o inimigo é para abater sem dó nem piedade.

    A libertação da Palestina é uma questão que interessa a todos os revolucionários. É uma questão geoestratégica. Ela abre novos espaços de resistência, que podem vir a furar o cerco. Uma geografia política mais recortada e que permitiria mais facilmente a emergência de Estados Operários. E a unidade com forças islâmicas é apenas táctica. As forças comunistas que actuam naquela zona, as fplp, os partidos comunistas libanês e os sírios, sabem isso muito bem.

    Caro Carlos Vidal, leia aqui o que escrevi sobre a questão síria:

    http://iniciativajovem.blogspot.pt/2012/04/na-siria-e-em-todo-o-lado-os.html

    E para todos aqueles que sonham com um governo “árabe moderado” na Síria, estilo Abdullah ou Al-Thani, que beije o cu a Israel e lamba as botas dos yankees.. vão para a puta que vos pariu!!

  7. Edgar diz:

    Ban Ki-moon está na Arábia Saudita para “estudar a criação de uma zona tampão na Síria onde os oprimidos possam encontrar refúgio”.
    Será que uma parte da população saudita (e de outros sistemas “democráticos” como esse) vai refugiar-se na Síria?
    Será que a população árabe de Israel e dos territórios ocupados vai encontrar refúgio na Síria sobre a protecção da ONU; da mesma ONU que não consegue fazer cumprir as suas resoluções sobre Israel, sem que o senhor Ban Ki-moon fale tão grosso como fala da Síria?

    • joaopft diz:

      Isto da Síria faz lembrar o episódio histórico dos Sudetas, Checoslováquia, 1938, onde Hitler, alegando que os sudetas — germânicos que ficaram a viver na Checoslováquia, tornada independente da tirania dos Habsburgos austríacos em 1918 — estavam a ser torturados e massacrados pelos checos (de etnia eslava). Na verdade, tratou-se de recuperação colonial. Nada mais do que isso.

      Quanto à democracia, bem, nós vimos o que acontece com esse regime logo no início do conceito, há 2500 anos atrás, em Atenas, quando uma democracia se transforma num império, vimos o tipo de corrupção do processo político (e de alienação das massas populares) que resulta desse processo. Leiam Tucídides (há uma tradução recente publicada pela Fund. Calouste Gulbenkian) que ele explica isso tudo muito bem. O texto de Tucídides mostrou graves problemas do processo político democrático, particularmente em situações de império militarista e de guerras intermináveis, onde a vida passa a valer muito pouco e as necessidades básicas de subsistência do povo estão constantemente ameaçadas. Nessa situação até o significado semântico do vocabulário muda completamente.

      Eu não castigo o povo israelita, dado ser vítima de um processo de alienação que preenche todos os aspectos da vida social em Israel, e que interfere com o seu processo cognitivo, com um horizonte temporal estremamente curto e dominado pela sobrevivência imediata. É um processo de alienação da realidade feito com uma intensidade de que não há memória, pelo menos no mundo moderno. É um verdadeiro totalitarismo, mas que toma a forma integral uma democracia representativa! Só os dogmas dos nossos “democratas” os impedem de ver isso.

      A outra coisa que há-de acontecer necessariamente é que as coisas irão, a certa altura, correr muito mal para Israel. E será uma situação de “rebentamento de diques”, será catastrófico, leverá a muitos mortos e à obliteração de populações inteiras incluindo, com toda a probabilidade, a de Israel. Nesse dia, os actuais “amigos” de Israel, muitos dos quais são, na verdade, anti-semitas convictos — com grande hipocrisia abandonarão os “sub-humanos” judeus à sua sorte. É usar e deitar fora, coisa de que nós aqui, em Portugal, também vamos tendo experiência. Afinal, o “rating” da Républica Portuguesa passou de AAA para lixo em muito pouco tempo…

  8. Pai dos Povos diz:

    “Por que é que a entidade sionista compra submarinos a esta nação europeia, e proíbe a audição no seu território de um genial compositor falecido em 1883??”

    Não deixa de ser, uma vez mais, irónico que Vidal, o defensor da URSS e seus sucedâneos, países onde se praticou amiúde a censura artística, venha agora vociferar contra Israel banir Wagner de concertos públicos (mas não a venda de CDs)…

    • De diz:

      Ou dito de outra forma:
      De como PP vem de uma forma assaz cobarde defender Israel por ter banido Wagner daquela forma
      Vociferá?

      Esta mania de alguns tentarem condicionar a livre opinião das pessoas, colando-as aos sonhos húmidos desses alguns, é mesmo próprio de…
      e refugiam-se nesses sonhos para defenderem o indefensável

    • eu diz:

      Onde o ‘Pai dos Povos’,o judeu José Staline apoiou o estado judeu…eheheh

  9. Carlos Carapeto diz:

    O problema na Siria não tem nada a ver com os direitos humanos. Não são civis mal armados que rebentam com viadutos e pontes ou outras grandes infra estruturas.

    Com a Siria dominada o sionismo aliado do capitalismo resolvia os problemas do Médio Oriente.

    Depois ficava a porta aberta para um ataque por parte de Israel ao Irão Chiita, com o apoio da monarquia medieval da Arábia Saudita Sunita.

    A principal razão em torno do conflito na Siria não é de direitos humanos, muito menos de eleições . Se tivessem realmente interessados com essas questões tinham muito que fazer nas petro/ditaduras do Golfo.

    O problema é este:
    http://www.washingtontimes.com/news/2012/feb/29/russia-upgrades-radar-station-syria-aid-iran/

    Interessa-lhes privar a Rússia da base da Tartus e consequentemente afastá-la do Mediterrêneo, confinando-a ao Mar Negro.

    Se a Siria cair ficam com as mãos livres para agredir o Irão. Que é a porta principal de entrada para o dominio dos hidrocarbonetos da bacia do Cáspio.

    Israel não deixa de ser mais uma ditadura sufragada por votos. Um país que assassina impunemente , empresta armas nucleares a regimes déspotas, não cumpre as resoluções da ONU pode lá ser considerado uma democracia?

    Um Estado exiguo que envia conselheiros militares e vende armas para todo o mundo para gerar conflitos não pode ser aceite como exemplo a seguir por quem respeita a paz e a segurança mundial.

    Respeitem os direitos dos Pelestianos que já lá viviam antes deles chegarem.

  10. João. diz:

    Alguém aqui falou de táctica. Pois bem, tacticamente falando, alguém que se diz recolucionário e toma como objectivo a extinção de Israel, sabendo que a existência de Israel é defendida não só pelos EUA e a UE como também, nem que seja ao limite, pela Russia e pela China, condena-se a um esforço inútil – a não ser claro que esteja disponível para uma guerra nuclear.

  11. Joao Passos Dias Aguiar Mota diz:

    Caro De:

    O caro escreve bem e esgrime bem a sua argumentação na forma mas temo que nao possa ir tão alem no que se refere a conteúdo.

    Em jeito de resumindo e concluindo, o meu caro critica-me por eu nao nada ter referido em anterior post sobre a Síria, sendo que encapotadamente isso seria um reflexo da minha defesa/identificação de um “regime sionista”.

    Ora bem vê que nem sempre um cavalheiro tem tempo para consultar este interessante blog, pelo qual algumas postas ficam por ler e comentarios por postar. Daí, por favor, não tire conclusoes sofismaticas.

    Quanto a tudo o mais, continuo sinceramente sem perceber a posição do meu caro em relação ao que se esta a passar na Síria, mas provavelmente é inabilidade minha.

    Olhe para mim tratam-se de atrocidades, fico na esperança que nao argumente clamando que sao assuntos do “forno interno”.

    Com consideração,
    Joao da Mota

    • De diz:

      Lastimo que não tenha percbido a minha posição sobre a Síria.Não a escamoteio
      Se tentar vai ver que ficará com uma ideia.
      Tente lá de novo.
      (Apesar do forno interno.)

  12. xico diz:

    Wagner não está proibido em Israel. Baremboim já o tocou lá. Existe sim uma espécie de boicote. Mas o mesmo se passa com outros artistas noutros países, nomeadamente aqui em Portugal. Será que ainda vou ver nas bancas do Avante livros de Céline ou Soljenitsin?
    Quanto ao resto, devo dizer que sou anti-sionista e considero a criação do estado de Israel um erro histórico. Mas a verdade, tenho de a reconhecer, é que Israel é, de todos os estados do Médio Oriente, o mais democrático. Não digo que tenha uma boa democracia, nem sei o que isso é, nem que não faz atentados aos direitos humanos, mas que é mais democrático e livre do que os seus vizinhos é. E isto não é um argumento opinativo. É um facto.

    • De diz:

      -A história não assume esse tom plácido com que a retrata.Falo de Barenboim e dos acontecimentos pouco pacíficos que rodearam a sua direcção.
      -Confundir uma organização oficial com uma editora assumidamente partidária é no mínimo deslocado.Não é preciso gastar mais palavras para adjectivar tal.
      -O conceito de democracia anda muito inquinado.

  13. maradona diz:

    com um irão nuclear, a unica maneira de israel se defender é similar à da urss e dos eua na guerra fria: deterrence, especificamente através do “mutual assured destruction (MAD)”. israel só consegue diminuir a probabilidade de ser destruido se garantir que mesmo na eventualidade de um ataque surpresa o país agressor saber-se-à sujeito a retaliação, e, dada a dimensão de israel, essa condição só fica satisfeita com submarinos nuclearmente armados a andar por aí, inclusivamente ao largo de vila real de santo antonio. esta merda é simples. quanto a israel: aquela merda é um poço sem fundo de inteligencia, oh super heroi vidal! ontem fui à feira de santarem e vi lá uns sistemas de rega por hidroponia de uma empresa israelita, foda-se, que merda inacreditavel. os arabes (ou islamicos ou lá o que é aquilo) exterminaram os al kindis e os al farabis e esses gajos assim, é natural que se tenham fodido. agora baixem a bolinha, estudem e aguardem. quanto à siria: não percebo nada.

    • M.D. diz:

      Genial!

    • De diz:

      A asneira devia ter limites.Tal como a ignorância.Mas se ninguém nasce ensinado, a persistência da ignorância redunda nisto.Um espectáculo confrangedor.
      Até na wikipedia:”It is believed that Israel had possessed an operational nuclear weapons capability by 1967, with the mass production of nuclear warheads occurring immediately after the Six-Day War.[2] Although no official statistics exist, it has been estimated that Israel possesses from 75 to as many as 400 nuclear weapons, which are reported to include thermonuclear weapons in the megaton range.[3][4][5] Israel is also reported to possess a wide range of different systems, including neutron bombs, tactical nuclear weapons, and suitcase nukes.[6] Israel is believed to manufacture its nuclear weapons at the Negev Nuclear Research Center.”
      A questão está posta precisamente ao contrário.E atendendo à imitação que o governo israelita faz dos métodos dos seus antigos verdugos…faz bem o Irão em municiar-se de material dissuasor.

    • Carlos Carapeto diz:

      “maradona says:
      com um irão nuclear, a unica maneira de israel se defender é similar à da urss e dos eua na guerra fria:”

      Quem se atreve a escrever disparates desta envergadura, não tem direito a qualquer credibilidade.

      Qual é a justificação que arranja para Israel se dotar de armas nucleares três decadas antes do programa nuclear Iraniano? São bruxos!

      Sabe que Golda Meir na guerra do Yom Kippur, pensou fazer uso das armas nucleares, quando a situação esteve desfavorável a Israel?

      Tenha um pouco de dignidade com as atitudes que assume.

      • Carlos Vidal diz:

        O maradona é um trambolho, merece invariavelmente dois estalos no focinho (por isso é anónimo), mas tem sempre piada…

      • M.D. diz:

        Sabia que 48 horas após a criação do Estado de Israel, este foi mergulhado numa guerra unilateral que juntou todo os seus vizinhos na tentativa de o destruir?? A obrigação de um Estado é o de proteger o seu povo contra os seus inimigos. Se desde a criação de Portugal tivessemos até hoje os espanhois a fazerem-se explodir nas nossas cidades, a bobardearem-nos com missies e a declararem guerra, em conjunto com franceses e italianos (por exemplo), o melhor era termos mesmo armamento nuclear.

        A vossa visão sobre Israel é tão enviezada que doi.

        • De diz:

          Dói, dói.
          Dói de pena.
          O “genial” com que MD baptizou o comentário de maradona transformou-se como por magia .A ignorância patenteada por maradona e que MD subscreveu presto, revela que está ao mesmo nível dos conhecimentos deste.
          Com uma (enorme) desvantagem.
          MD é desonesta.E sabe ao que vem.
          O “genial” com que brinda o comentário tonto de maradona converte-se de repente num outro texto. É desonesta e cobarde, já que nem coragem tem de admitir que afinal não passa de uma fraude.
          Não vale e pena falar sobre a criação do estado de Israel nem sobre a lenga-lenga transcrita por MD.Refutar as asneiras e as cassetes tem a sua conta diária.Nem vale a pena fazer humor com as” missies” espanholas a bombardearem-nos as cidades e que por causa disso nós também deveríamos ter armamento nuclear.Nem sequer sublinhar o disparate da tal guerra “unilateral” onde MD mais uma vez deixa a sua marca.

          Ignorante é certo.Mas fundamentalmente desonesta e cobarde

        • Carlos Carapeto diz:

          Oh Carissima MD se tivesse feito um esforçozinho em consultar a história de Israel 24 horas antes da sua formação ficava sabendo o que foi o Irgun, poupava-me a ter que lhe responder a mais uma das suas habituais pedantices.

          Tenha piedade, evite castigar os outros com falsidades.
          Informe-se quantos militares Britanicos foram assassinados às mãos do Irgun, Hagana, Lehi e outros grupos terroristas que semearam a morte na Palestina a partir de 1920?

          Veja quem foi Menachen Beguin e o papel que desempenhou à frente do Irgun?

          O que aconteceu em Der Yassin?

          Afinal não sou eu que valorizo as vitimas do meu lado. É a Carissima que menospreza as provocadas por aqueles com quem se identifica.

      • maradona diz:

        ao De e ao carlos carapeto

        oh pá, eu só disse que as armas nucleares tinham que andar a vaguear fora do territorio minimo que é dimona ou israel para poderem ser efectivas na teoria MAD, não disse que se justificava que eles as tivessem obtido em primeira instancia.

        também não tenho nada contra que o irão se nuclearize; eu gosto do irão. são burros, mas gosto deles. têm as ultimas chitas asiáticas, sabiam? uns bichos lindos.

        ao carlos vidal

        você devia dar-me mais valor; não tenho a sua coragem nem percebo um boi das merdas que você fala, mas sou esforçado

        • De diz:

          maradona:
          Não sei se está explícito no meu comentário anterior,mas eu repito-lhe aqui.
          V.é muito mais honesto que MD.E o seu comentário agora só vem reforçar o que digo.
          Boa sorte no seu caminhar.

        • Carlos Vidal diz:

          Porra maradona, onde é que está aqui escrito que eu por ti não tenho estima e consideração??
          E até sei quem tu és:
          O Jorge Nuno Pinto da Costa, claro!

  14. Jonas Brother diz:

    Mas desde quando é que o Carlos esta preocupado com a democracia, um homem um voto, etc bla bla bla?

  15. Alexander the Large diz:

    “De”: “Carlos Vidal”…

  16. M.D. diz:

    TODA A VIDA EUROPEIA MORREU EM AUSCHWITZ
    > Por Sebastian Vilar Rodriguez
    >
    > Desci uma rua em Barcelona, e descobri repentinamente uma verdade
    > terrível. A Europa morreu em Auschwitz. Matámos seis milhões de Judeus
    > e substituímo-los por 20 milhões de muçulmanos.
    >
    > Em Auschwitz queimámos uma cultura, pensamento, criatividade, e talento.
    >
    > Destruímos o povo escolhido, verdadeiramente escolhido, porque era um
    > povo grande e maravilhoso que mudara o mundo.
    >
    > A contribuição deste povo sente-se em todas as áreas da vida: ciência,
    > arte, comercio internacional, e acima de tudo, como a consciência do
    > mundo. Este é o povo que queimámos.
    >
    > E debaixo de uma pretensa tolerância, e porque queríamos provar a nós
    > mesmos que estávamos curados da doença do racismo, abrimos as nossas
    > portas a 20 milhões de muçulmanos que nos trouxeram estupidez e
    > ignorância, extremismo religioso e falta de tolerância, crime e
    > pobreza, devido ao pouco desejo de trabalhar e de sustentar as suas
    > famílias com orgulho.
    >
    > Eles fizeram explodir os nossos comboios, transformaram as nossas
    > lindas cidades espanholas, num terceiro mundo, afogando-as em sujeira
    > e crime.
    >
    > Fechados nos seus apartamentos eles recebem, gratuitamente, do
    > governo, eles planeiam o assassinato e a destruição dos seus ingénuos
    > hospedeiros.
    >
    > E assim, na nossa miséria, trocámos a cultura por ódio fanático, a
    > habilidade criativa, por habilidade destrutiva, a inteligência por
    > subdesenvolvimento e superstição.
    >
    > Trocámos a procura de paz dos judeus da Europa e o seu talento, para
    > um futuro melhor para os seus filhos, a sua determinação, o seu apego
    > à vida porque a vida é santa, por aqueles que prosseguem na morte, um
    > povo consumido pelo desejo de morte para eles e para os outros, para
    > os nossos filhos e para os deles.
    >
    > Que terrível erro cometido pela miserável Europa.
    >
    > O total da população islâmica (ou muçulmana) é de, aproximadamente, 1
    > 200 000 000, isto é um bilião e duzentos milhões ou seja 20% da
    > população mundial. Eles receberam os seguintes Prémios Nobel:
    >
    > Literatura
    > 1988 Najib Mahfooz
    >
    > Paz
    > 1978 Mohamed Anwar El-Sadat
    > 1990 Elias James Corey
    > 1994 Yaser Arafat
    > 1999 Ahmed Zewai
    >
    > Economia
    > (ninguém)
    >
    > Física
    > (ninguém)
    >
    > Medicina
    > 1960 Peter Brian Medawar
    > 1998 Ferid Mourad
    >
    > TOTAL: 7 (sete)
    >
    > O total da população de Judeus é, aproximadamente, 14 000 000, isto é
    > catorze milhões ou seja cerca de 0,02% da população mundial. Eles
    > receberam os seguintes Prémios Nobel:
    >
    > Literatura
    > 1910 – Paul Heyse
    > 1927 – Henri Bergson
    > 1958 – Boris Pasternak
    > 1966 – Shmuel Yosef Agnon
    > 1966 – Nelly Sachs
    > 1976 – Saul Bellow
    > 1978 – Isaac Bashevis Singer
    > 1981 – Elias Canetti
    > 1987 – Joseph Brodsky
    > 1991 – Nadine Gordimer World
    >
    > Paz
    > 1911 – Alfred Fried
    > 1911 – Tobias Michael Carel Asser
    > 1968 – Rene Cassin
    > 1973 – Henry Kissinger
    > 1978 – Menachem Begin
    > 1986 – Elie Wiesel
    > 1994 – Shimon Peres
    > 1994 – Yitzhak Rabin
    >
    > Física
    > 1905 – Adolph Von Baeyer
    > 1906 – Henri Moissan
    > 1907 – Albert Abraham Michelson
    > 1908 – Gabriel Lippmann
    > 1910 – Otto Wallach
    > 1915 – Richard Willstaetter
    > 1918 – Fritz Haber
    > 1921 – Albert Einstein
    > 1922 – Niels Bohr
    > 1925 – James Franck
    > 1925 – Gustav Hertz
    > 1943 – Gustav Stern
    > 1943 – George Charles de Hevesy
    > 1944 – Isidor Issac Rabi
    > 1952 – Felix Bloch
    > 1954 – Max Born
    > 1958 – Igor Tamm
    > 1959 – Emilio Segre
    > 1960 – Donald A. Glaser
    > 1961 – Robert Hofstadter
    > 1961 – Melvin Calvin
    > 1962 – Lev Davidovich Landau
    > 1962 – Max Ferdinand Perutz
    > 1965 – Richard Phillips Feynman
    > 1965 – Julian Schwinger
    > 1969 – Murray Gell-Mann
    > 1971 – Dennis Gabor
    > 1972 – William Howard Stein
    > 1973 – Brian David Josephson
    > 1975 – Benjamin Mottleson
    > 1976 – Burton Richter
    > 1977 – Ilya Prigogine
    > 1978 – Arno Allan Penzias
    > 1978 – Peter L Kapitza
    > 1979 – Stephen Weinberg
    > 1979 – Sheldon Glashow
    > 1979 – Herbert Charles Brown
    > 1980 – Paul Berg
    > 1980 – Walter Gilbert
    > 1981 – Roald Hoffmann
    > 1982 – Aaron Klug
    > 1985 – Albert A. Hauptman
    > 1985 – Jerome Karle
    > 1986 – Dudley R. Herschbach
    > 1988 – Robert Huber
    > 1988 – Leon Lederman
    > 1988 – Melvin Schwartz
    > 1988 – Jack Steinberger
    > 1989 – Sidney Altman
    > 1990 – Jerome Friedman
    > 1992 – Rudolph Marcus
    > 1995 – Martin Perl
    > 2000 – Alan J.. Heeger
    >
    > Economia
    > 1970 – Paul Anthony Samuelson
    > 1971 – Simon Kuznets
    > 1972 – Kenneth Joseph Arrow
    > 1975 – Leonid Kantorovich
    > 1976 – Milton Friedman
    > 1978 – Herbert A. Simon
    > 1980 – Lawrence Robert Klein
    > 1985 – Franco Modigliani
    > 1987 – Robert M. Solow
    > 1990 – Harry Markowitz
    > 1990 – Merton Miller
    > 1992 – Gary Becker
    > 1993 – Robert Fogel
    >
    > Medicina
    > 1908 – Elie Metchnikoff
    > 1908 – Paul Erlich
    > 1914 – Robert Barany
    > 1922 – Otto Meyerhof
    > 1930 – Karl Landsteiner
    > 1931 – Otto Warburg
    > 1936 – Otto Loewi
    > 1944 – Joseph Erlanger
    > 1944 – Herbert Spencer Gasser
    > 1945 – Ernst Boris Chain
    > 1946 – Hermann Joseph Muller
    > 1950 – Tadeus Reichstein
    > 1952 – Selman Abraham Waksman
    > 1953 – Hans Krebs
    > 1953 – Fritz Albert Lipmann
    > 1958 – Joshua Lederberg
    > 1959 – Arthur Kornberg
    > 1964 – Konrad Bloch
    > 1965 – Francois Jacob
    > 1965 – Andre Lwoff
    > 1967 – George Wald
    > 1968 – Marshall W. Nirenberg
    > 1969 – Salvador Luria
    > 1970 – Julius Axelrod
    > 1970 – Sir Bernard Katz
    > 1972 – Gerald Maurice Edelman
    > 1975 – Howard Martin Temin
    > 1976 – Baruch S. Blumberg
    > 1977 – Roselyn Sussman Yalow
    > 1978 – Daniel Nathans
    > 1980 – Baruj Benacerraf
    > 1984 – Cesar Milstein
    > 1985 – Michael Stuart Brown
    > 1985 – Joseph L. Goldstein
    > 1986 – Stanley Cohen [& Rita Levi-Montalcini]
    > 1988 – Gertrude Elion
    > 1989 – Harold Varmus
    > 1991 – Erwin Neher
    > 1991 – Bert Sakmann
    > 1993 – Richard J. Roberts
    > 1993 – Phillip Sharp
    > 1994 – Alfred Gilman
    > 1995 – Edward B. Lewis
    > 1996- Lu RoseIacovino
    >
    > TOTAL: 128 (cento e vinte e oito)
    >
    >
    >
    >
    > Os judeus não estão a promover lavagens cerebrais a crianças em campos
    > de treino militar, ensinando-os a fazerem-se explodir e causar um
    > máximo de mortes a judeus e a outros não muçulmanos.
    >
    > Os judeus não tomam aviões, nem matam atletas nos Jogos Olímpicos,
    > nem se fazem explodir em restaurantes alemães.
    >
    > Não há um único judeu que tenha destruído uma igreja. NÃO há um único
    > judeu que proteste matando pessoas.
    >
    > Os judeus não traficam escravos, não têm líderes a clamar pela Jihad
    > Islâmica e morte a todos os infiéis.
    >
    > Talvez os muçulmanos do mundo devessem considerar investir mais numa
    > educação modelo e menos em queixarem-se dos judeus por todos os seus
    > problemas.
    >
    > Os muçulmanos deviam perguntar o que poderiam fazer pela humanidade
    > antes de pedir que a humanidade os respeite.
    >
    > Independentemente dos seus sentimentos sobre a crise entre Israel e os
    > seus vizinhos palestinianos e árabes, mesmo que creiamos que há mais
    > culpas na parte de Israel, as duas frases que se seguem realmente
    > dizem tudo:
    >
    > Se os árabes depusessem hoje as suas armas não haveria mais violência.
    > Se os judeus depusessem hoje as suas armas não haveria mais Israel
    > (Benjamin Netanyahu)
    >
    > Por uma questão histórica, quando o Comandante Supremo das Forças
    > Aliadas, General Dwight Eisenhower, encontrou todas as vítimas mortas
    > nos campos de concentração nazi, mandou que as pessoas ao visitarem
    > esses campos de morte, tirassem todas as fotografias possíveis, e
    > para os alemães das aldeias próximas serem levados através dos campos
    > e que enterrassem os mortos.
    >
    > Ele fez isto porque disse de viva voz o seguinte:
    > Gravem isto tudo hoje. Obtenham os filmes, arranjem as testemunhas,
    > porque poderá haver algum malandro lá em baixo, na estrada da
    > história, que se levante e diga que isto nunca aconteceu.
    >
    > Recentemente, no Reino Unido, debateu-se a intenção de remover o
    > holocausto do curriculum das suas escolas, porque era uma ofensa para
    > a população muçulmana, a qual diz que isto nunca aconteceu. Até agora
    > ainda não foi retirado do curriculum. Contudo é uma demonstração do
    > grande receio que está a preocupar o mundo e a facilidade com que as
    > nações o estão a aceitar.
    >
    > Já passaram mais de sessenta anos depois da Segunda Guerra Mundial na
    > Europa ter terminado.
    >
    > Em memória
    > dos 6 milhões de judeus, dos 20 milhões de russos, dos 10 milhões de
    > cristãos e dos 1 900 padres Católicos que foram assassinados,
    > violados, queimados, que morreram de fome, foram espancados, e
    > humilhados enquanto o povo alemão olhava para o outro lado.
    >
    > Agora, mais do que nunca, com o Irão entre outros, reclamando que o
    > Holocausto é um mito, é imperativo assegurar-se de que o mundo nunca
    > esquecerá isso.
    >
    > Depois do ataque ao World Trade Center, quantos anos passarão antes
    > que se diga . NUNCA ACONTECEU , porque isso pode ofender alguns
    > muçulmanos nos Estados Unidos ???

    • Carlos Vidal diz:

      Ainda bem que esta vomitada racista diz ao que vem.
      Se comparasse cristãos (católicos, protestantes, nascidos em África ou na Gronelândia ou nas Américas) com judeus a coisa daria uma discrepância do caraças, a favor de cristãos evidentemente!
      E por que é que esta coisa vomitada racista MD não compara prémios Nobel de pretos com brancos, que sei eu…
      (A si e a “licas” digo o mesmo de sempre: vocês não pensam lixo, a coisa é muito pior – e mantenho o conselho: porque não vão morrer longe?)

      • M.D. diz:

        Eu percebo que o texto é longo e de dificil interpretação…

        • Carlos Vidal diz:

          ???

        • Carlos Carapeto diz:

          Carissima MD; faltou-lhe mencionar o prémio atribuido por caridade, às obras de beneficiência feitas em Sabra e Chatila.

          Não tomou a dose recomendada do vomitório, senão também tinha escrito que os “pretos” são uns burros, inadaptados e incompetentes. Porque em Moçambique numa população com mais de 10 milhões de almas, quando da independencia havia cerca de uma centena de médicos, professores catedráticos? engenheiros?.

          Era por serem “pretos” e muçulmanos?

          Se soubesse que muito da sua vida depende de invenções dos Árabes e muçulmanos era mais comedida nas atribulações desvairadas com que costuma brindar o pagode.

          Corrija por favor. Não foram 20 milhões de Russos, foram 26 milhões de Soviéticos (19 milhões de civis).

          Já compreendi o seu problema. É muito fraquinha em historia, sabe mais de estórias.

    • De diz:

      Sorry MD mas este post é um nojo.
      E mais uma vez desonesto
      “Sebastian Vilar Rodrigez only exists in these posts.”
      ” The email stating that this appeared in a Spanish Newspaper is false. It did however appear on the rightwing, pro-Israel, anti-Communist, Spanish language website Gentiuno.”
      Um link onde alguém serenamente desmonta o bolsar desta coisa:
      http://bluecrow.hubpages.com/hub/Feeding-fear-and-promoting-terror-through-ignorance

      Sorry MD.Isto é tão só propaganda barata e profundamente racista.Um nojo.Mas que permite confirmar outra coisa.A aliança entre os neoliberais e os movimentos mais racistas da nossa sociedade.De extrema-direita pois então.
      A verdade é como o azeite.Vem sempre ao de cima

      • Carlos Vidal diz:

        Às vezes pergunto-me: para quem trabalha esta bosta MD?

        • M.D. diz:

          Vidal, vá lá ver mas é o video do Ché assassino cobarde que você tem medo que as pessoas conheçam, e depois pode vir insultar-me.

          • Carlos Carapeto diz:

            Carissima MD. Temos mesmo que acertar contas sobre aquilo que escreve acerca do CHE.

            Garanto-lhe que não vai ficar impune, só se desabilhar daqui para fora.
            O CHE é uma referencia para os pobres e oprimidos do mundo inteiro, lutou corajosamente e deu a vida por eles a troco de nada.

            E Vc tem o atrevimento em adjetiva-lo de assassino e cobarde?

            Tem que me explicar isso melhor.

            Afinal enganei-me no comentário anterior sobre os medicamentos que anda a tomar.

            A Carissima não toma vomitórios, porque aquilo que expele cheira mais mal que o vomito.

            Anda é a tomar purgantes.

          • Carlos Vidal diz:

            Esta MD é um estafermo que quer aqui publicar merdas de Miami, Gloria Estefans e assins…
            E eu já não quero aturar a coisa.
            Que vá morrer longe, bem longe.

      • M.D. diz:

        Cada vez fico mais surpreendida com a sua desonestidade. Para além dos seus supostos insultos (ainda não percebeu que chamar-me de rightwing, pro-Israel, anti-Communist, não é um insulto!) não consegue sair dessa visão a preto e branco do mundo. Quando lhe interessa cita a net, e at´a wikipedia, quando não lhe interessa, são tudo fontes ao serviço “do capital”. Deixe de matar o mensageiro e interprete a mensagem! Como se existisse alguma mentira no texto.

        • Carlos Vidal diz:

          Como tem 11 anos de idade, ainda tem muito que aprender.
          Mas, na mesma, vá morrer longe (não ouviu?).

          Quanto ao Che. Respeito.
          Não põe aqui nada, nem nesta nem noutra caixa de comentários, Made in Miami.

        • De diz:

          “rightwing, pro-Israel, anti-Communist” um insulto?
          Mas ainda não conseguiu compreender que a verdade não é um insulto?
          Mas ainda não percebeu que é acusada é de ser ignorante, pretensiosa e cobarde?
          Para além de racista?
          Que muda de agulha quando é desmascarada e que aldraba com textos forjados pelos sionistas de serviço?
          Oh MD que gosta de saltitar deste modo que se lhe conhece.Ainda não compreendeu que textos apócrifos saídos lá da forja dos seus amigos não têm resposta?
          Por mais que a dona grite,mais ou menos fora de si, que a mensagem etc e tal e outras tolices do género?
          Qual fonte do capital qual carapuça.Este texto é filho de pai e mãe incógnito.Este pequeno texto rasca foi enviado via e-mail para milhares de pessoas.Compreendeu-se mais tarde que era tudo uma mistificação da parte dos fantoches de serviço.Demasiado cobardes(como MD)para assumirem o que escreveram.E porque assim não tinham de ser confrontados com as suas mentiras.E desmascarados.E porque assim podiam tentar jogar com os sentimentos das pessoas, manipulando dados e números.
          E a madame quer que nos debrucemos sobre uma farsa?
          Deve estar equivocada. (E nem tem capacidade para entender tal?)
          Agora que já esclarecemos este assunto que não honra muito a sua capacidade intelectual, passemos a outro tema:
          O de uma neoliberal que após se ter destapado a maquilhagem, se mostra como aquilo que (também) é.De facto a aliança entre os neoliberais e os movimentos mais racistas da nossa sociedade.Ou se calhar nem aliança é. É tudo a mesma gente?

          • De diz:

            Para arrumar de vez com este assunto sujo trazido por MD:
            Já disse que “textos” como o copiado à pressa por MD não têm valor nem credibilidade.Quererá MD que nos percamos a tentar identificar as tretas contidas naquilo que pospega?
            Nem pensar.Mas façamos um exercício à laia de teste
            Atentemos nos primeiros 3 parágrafos do texto acima citado:
            Comecemos pelo título:
            -“TODA A VIDA EUROPEIA MORREU EM AUSCHWITZ”
            Uma treta.Morreram muitos e muitos.Mas o nazismo não pode reclamar esta vitória.Nem o sionismo.
            (Os que morreram com as armas na mão lutando contra a besta imunda,defenderam a Europa desta tentativa da extrema-direita mundial.)
            -O “autor”: Sebastian Vilar Rodriguez – não existe.Uma fraude.
            Mas passemos ao “texto” em si:
            -“Desci uma rua em Barcelona…”Uma fraude não pode descer nada.Uma fraude é uma fraude.E quando se continua o texto a afirmar que os mortos foram substituídos por muçulmanos,o que vemos na penumbra é a sombra macabra do pior racismo.Idêntico ao dos nazis e seus sucedâneos.Seria mais correcto dizer isso sim que infelizmente as antigas vítimas foram substituídas pelos verdugos do governo israelita.
            -“Em Auschwitz queimámos uma cultura…” Os nazis tentaram.Talvez o Rodriguez também.Mas em muitos outros locais tentaram fazer o mesmo a outros povos e outras culturas.
            E a maior parte das vezes não conseguiram.Aqui seguramente não conseguiram.Entretanto a Grécia aguarda ainda as compensações da guerra devidas pela Alemanha
            -“Destruímos o povo escolhido, verdadeiramente escolhido…” O racismo no seu estado mais puro
            Povo escolhido?Ah, como tal frase lembra o conceito de povo escolhido utilizado pelos nazis.A raça ariana, a escolhida, segundo os nazis.O povo escolhido segundo estes pulhas.
            Basta.

  17. almajecta diz:

    Perché a Porta Portese è così: prima ti chiamano, poi ti fregano. Se te la prendi ti insultano, ma poi si diventa amici scambiando due chiacchiere. A proposito di fregature: andate molto presto o molto tardi, gli affari si fanno in questi orari e nelle ore di punta rischiate di avere difficoltà di deambulazione tra mendicanti, venditori, turisti e folla. Attenzione inoltre al portafoglio: Porta Portese è il paradiso di borseggiatori. Anche il compratore più attento rimane facilmente vittima di furti.
    Últimas da cidade eterna, e para ” a outra ” posta abaixo, na compra de duas t-shirts com o Che leva uma com o Duce.

    • Carlos Vidal diz:

      Sim, o Duce, estou convencido que ele adoraria esta aliança entre RFA (!) e Israel.
      Aliança de futuro (um duplo eixo).

  18. almajecta diz:

    tekla mekla.
    “Quali furono alcuni punti fondamentali della collaborazione tra i nazisti e i nazi-sionisti?”

    “Primo, fu la creazione di uno stato sionista nei territori controllati dai tedeschi. Secondo, fu l’assistenza del governo tedesco per gli ebrei che lasciavano la Germania, preferibilmente per entrare in Palestina illegalmente. Terzo, fu l’assistenza dei sionisti per fornire la Germania di valute e merci estere, anche durante la seconda guerra mondiale”, disse.

    “Ma perché i sionisti sostennero la Germania, quando volevano che fossero gli Alleati a vincere?”

    “I sionisti non aiutarono la Germania in modo tale da vincere la guerra, ma solo per realizzare un profitto e per mantenere la loro influenza sui tedeschi”, disse. “Il nazi-sionista Ben Gurion si vantava di combattere sia Londra che Berlino”.

  19. mannipulo diz:

    Após ler alguns posts, quis deixar uma palavra.

    Quem defende que israel tem direito a ser um estado, devia defender com mais afinco ainda que os palestinianos têm esse direito duas vezes mais.
    Não só pelo golpe cobarde do ocidente em convidar o regresso dos judeus, mas tambem pela forma surda e estupida que gerem a questão do estado palestiniano com seus amiguinhos israelitas.

    Quem afirmou existir justiça entre israelitas e os diversos povos dentro da nação, É UM IGNORANTE MAL INFORMADO.
    Os israelitas tratam mal todos os que não pertencem ao mesmo ramo, mesmo que sejam considerados cidadãos israelitas de direito, se a origem fôr externa á sua crença ou origem essas pessoas são automaticamente ignoradas, perseguidas, injustiçadas, mal tratadas em tudo.
    Pior ainda se suas origens forem dos povos que compõem a dita palestina actual.
    Esses são tratados como animais.

    Israel fez de tudo para expulsar quem lhes vendeu território e os aceitou dentro do possivel entre eles.

    As guerras do passado e as do presente são apenas continuação do que foi iniciado por israel, que fundou as suas comunidades em territórios geridos pelos ingleses, tentaram a sua expansão adquirindo mais territórios entre os arabes atravês da compra.
    E um pouco depois simplesmente invadiam os territórios arabes e expulsavam quem lá vivia.
    Todas as respostas que tiveram por parte dos palestinianos foi uma defesa fragil, uma tentativa de reinvidicar o que era seu por direito e viam ser-lhes retirado por pessoas que se diziam amigos e que agora se tornavam seus inimigos.

    Se hoje os arabes tẽm um ódio pelos judeus, quem daqui não teria se passasse pelo que certas familias, castas, nomadas passaram, verem familiares a perderem tudo, sua terra, sua vida.

    Podendo chocar alguem, mas não posso deixar de dizer o que penso.
    Não tenho pena de quem morre ás mãos de um bombista, nem de quem morreu no atentado do 9/11.
    Antes de alguem pensar nos coitadinhos dos israelitas, comece a pensar que os actos cometidos num ponto têm consequencias para lá do nosso ponto de visão.
    Não é só passar a batata quente ou a culpa para os arabes, como se israel não fosse um dos culpados, diria mesmo que o principal culpado da sua situação.

    Se realmente querem paz os israelitas que comecem a fazer por isso.

  20. Rocha diz:

    O Estado de Israel já defende a pureza da raça…

    Israel: Miles de inmigrantes africanos serán confinados en campos de detención
    http://www.kaosenlared.net/component/k2/item/21023-israel-miles-de-inmigrantes-africanos-ser%C3%83%C2%A1n-confinados-en-campos-de-detenci%C3%83%C2%B3n.html

  21. Carlos Vidal diz:

    (Licas e MD, não há pachorra: finito. Gosto de inimigos com bons argumentos. Apenas. Ou nem isso, pois não sou lá muito democrata. Têm de ser mesmo mesmo muitíssimo bons argumentos. Geniais ou nada. Fora daqui. Patetas só publico o maradona.)

  22. Ricardo Sousa diz:

    Deixem lá o Carlos. A malta mais ortodoxa do partido dele sempre defendeu aberrações políticas. No jornal dele, já foi bem escarrapachado o anti-semitismo. O que dizer de um partido que vota ao lado do CDS-PP contra a adopção dos casais homossexuais?

Os comentários estão fechados.