“SONG FOR CHE”: Será que o coelho vai escapar? Ou o fim está para breve?

A propósito dos James e dos Xutos (excepcionais!!), em baixo muito bem sublinhados pelo Bruno, recordo que Charlie Haden, em 1971, fez o que tinha a fazer qualquer homem de bem, de coragem e não serviçal – dedicou a “Song for Che” aos movimentos revolucionários de Angola, Moçambique e Guiné contra o colonialismo-fascismo português. Não encontro imagens desse momento premonitório, por isso aqui fica a “Song for Che” pelo Ornette Coleman; o fascismo em Portugal cairia três anos depois – atenção serviçais e outros passivos da situação, o Coelho pode e deve cair daqui por três meses. O tempo agora (neste caso felizmente) passa de outro modo:

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

12 respostas a “SONG FOR CHE”: Será que o coelho vai escapar? Ou o fim está para breve?

  1. Baresi88 diz:

    Carlos não é o Coelhinho que tem que cair, é o capitalismo!

    • Carlos Vidal diz:

      Certo certíssimo, são os dois.
      E cada contributo, pequeno ou grande que seja, é um contributo gigantesco.

  2. De diz:

    Bebo a isso tudo.A Che, a Charlie Haden, a todos os que assumem atitudes de homens de bens, corajosos.
    E a todos os contributos- grandes ou pequenos- para o derrube desta choldra

    • De diz:

      Errata:
      Homens de bem…e não de bens….

      (quantas vezes pondo em risco algumas das coisas que têm como maiores bens)

      • Carlos Vidal diz:

        Claro De, há frases que saem como lapsos e são verdadeiras.
        E há coisas que nenhum bem ou salário paga.
        Porque é preciso pôr em risco bens, mesmo os mais preciosos.
        E os ainda mais.

  3. Pedro Pinto diz:

    neste documentário aparece o referido episódio do Charlie Haden
    (entre os 4 e os 5min30s)

    • Carlos Vidal diz:

      Muito obrigado pelo envio deste precioso documentário Haden/Paredes, dois dos maiores artistas políticos que conhecemos.
      O momento político extraordinário de Haden (ele sabia que iria haver problemas com a polícia fascista) ouve-se, não se vê. Mas o que se vê vale por tudo: a felicidade de milhares de pessoas na assistência depois de Haden dedicar o tema aos militantes revolucionários libertadores. E vê-se um Haden, depois, logo depois, atacando o tema musical seguinte (o tema para o Che) determinado.
      Os Xutos ontém tanbém causaram emoção – veremos quanto tempo estes delinquentes que estão no “governo” sobrevivem…..
      (A polícia a seu mando vai, pelos vistos, andando “muito bem”.)

  4. Carlos Vidal diz:

    Repito MD, respeite quem lutou para mudar o mundo.
    Repito pois, não estamos em Miami.
    Senão, acontece-lhe o mesmo que ao “licas”.
    (Ou MD e licas são a mesma coisa?)

  5. Carlos Vidal diz:

    MD, não insista, apesar de não estarmos em Miami, onde tudo se trafica até bela carne humana, eu posso facultar-lhe um Xanax. (Um só.)

    De resto, desapareça, com o seu documentário produzido em Miami sobre o “Che assassino”. Vá chatear outro blogue.

    • M.D. diz:

      Como lhe disse, pode sensurar o que quiser neste seu pequeno quintal, mas infelizmente para si, não pode sensurar a net. Conforme-se não com a sua ignorância sobre o assassino Ché, pois se a têm é por opção, mas sim com a má fé de querer eternizar um déspota, cobarde, o Carniceiro de la Cabana, num herói que nunca foi.

  6. Pingback: Carlos Paredes e Charlie Haden | Spectrum

Os comentários estão fechados.