Estado policial a caminho do fascismo?

Muito se fala em retorno do fascismo, suspensão da democracia, uma Merkel que seria uma versão de Hitler sem tanques. O Felipe Demier, historiador brasileiro, comunicador, activista, estudou a democracia nos últimos 200 anos, e vem ter a Portugal um debate central para todos os activistas: esta que vivemos é a democracia real? O que é a democracia real? É possível um novo golpe militar? Se a luta se agudizar a repressão vai aumentar?

Adere, partilha e participa um debate fundamental nos tempos que correm.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 Responses to Estado policial a caminho do fascismo?

  1. Baresi88 diz:

    A caminho???????? Não Renato, nós já vivemos numa ditadura Fachocapitalista.

  2. É importante que se debata se já estamos a caminhar para lá. É que tiques em excesso já cá estão um pouco por todo o lado. E essas coisas primeiro estranham-se e depois entranham-se e vivemos progressivamente com elas já sem dar por elas. Estou a falar de tendências fascizantes, sim…podia dar de imediato meia dúzia de exemplos recentes…boa iniciativa.
    João Martins

  3. Fernando Monteiro diz:

    Faz favor de denunciar aqui neste espaço o deputado do PP, Artur Rêgo, novo fascista assumido que durante a votação e aprovação da nova e criminosa lei das rendas, disse que a lei era uma nova oportunidade para todos aqueles que queriam encontrar casa. Já não digo o outro chamado Leitão Amaro, com ar de macacóide que disse estar perante uma lei histórica.
    Aquele que precisa de ser enxovalhado é o Artur Rêgo. Se lhe puserem uma farda nazi, das “SS” fica-lhe mesmo a matar.

    • Thestudio diz:

      Espere lá… a lei das rendas que se pretende substituir vem do Estado Novo. Portanto, querer mudar as leis do Estado Novo é ser fascista, certo?

      • Fernando Monteiro diz:

        Não, burro.

      • antonio diz:

        rendas,lei do estado novo, as partes acertavam a renda hoje e o acordo ficava para sempre e só com o acordo dos dois é que era alterado. mas quando a casa fica livre o dono estava livre de alugar pelo preço que dava para acordar. não é a sena de peço 1000 oferecem 100 fica 500 não há acordo, dono paga 5000 e o gajo depois de 40 anos esta na rua e depois é só especular….

  4. ISR diz:

    Não é o estado policial, é a sociedade que não soube aproveitar o bom nome. Mas quanto a mim os portugueses não voltaram, entraram foi o que foi, que é muito diferente. No antigamente nunca fora detido, por havia regras a cumprir. Depois falou-se em mudanças e em liberdade. Eu não a encontrei nem sei muito bem o que é liberdade. Será matar a torto e a direito para roubar 1€? Será ocupar uma habitação e não pagar a respetiva renda? Será estacionar a torto e a direito, não permitindo a livre circulação de peões e automobilistas? Liberdade e respeito é o que deixou de haver em Portugal nestes últimos 30 anos. Mas nem todos foram tratados de igual para igual. Agora pergunto já que agora tenho tido alguns problemas com a justiça portuguesa, por isto: constituido arguido por ter reclamado e ter exigido justiça, por durante mais de uma dúzia de anos me terem colocado um cão a ladrar dia e noite; caso dois: arguido e penalisado por ter escrito um mail, ao mail que chamara de indignação pelo descalabra e incompetência na AP. Será que o regime anterior ou algum regime, teria a coragem de penalisar um cidadão por divulgar as mazelas da sociedade? No antes não fora penalisado, mas neste já o fora por 4 vezes – 28/4/1974; em 2006 e 2010.

Os comentários estão fechados.