Licença para espancar II?

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Licença para espancar II?

  1. Rocha diz:

    “Diminuir salários não é uma política, é uma urgência” diz António Borges (link abaixo)
    http://economico.sapo.pt/noticias/diminuir-salarios-nao-e-uma-politica-e-uma-urgencia_145784.html

    E esta hem? Salários baixam – o pessoal fica nervoso – o pessoal reclama (até mesmo por causa de uma qualquer documento) – a polícia dá cacetada. Eis o ciclo da retoma!

    Ora toma… e retoma!

  2. Vítor Vieira diz:

    Parece que estão já a ser postas em prática as “Grandes Opções Estratégicas 2013-2016” da PSP, mesmo ainda antes de regularmente aprovadas.

    Trata-se de um documento com 5 páginas (disponibilizado gentilmente pela própria PSP) onde se podem ler mimos destes: “maior equilíbrio entre fatores de produção trabalho e capital fixo”, “inelasticidade da massa salarial”, “elementos policiais na fase final do ciclo profissional”, “segurança just-in-time”, “condensação de meios” e “capacidade de os projetar”.

    Economês e militarismo. O cidadão revoltado – e já não apenas o delinquente – é caracterizado como IN (“inimigo”). Porque só se ama o que se conhece, faz-se com que os agentes deixem de conhecer os cidadãos. Desumanizam-se. São “eles”, ou “os civis”, ou “os anarcas”, “os comunas”, “os pretos”, “os gunas”, “os betos”; e “nós”, ou “os maiores”. Goering reconheceria o processo.

    A “automatização de processos produtivos nas áreas de negócios e de suporte”, o “e-policng”, o “estudo sistemático de informações e operações”, a “georreferenciação das ocorrências criminais”, o recurso a “vigilância aérea” (incluindo “drones”), o “alargamento de sistemas fixos e móveis de CCTV”, “incutir uma sensação de capacidade interventiva mais musculada”, “operações típicas de crowding-out e de saturação de áreas mais sensíveis”, as “políticas de outsourcing”, o “recurso a mão de obra especializada e disponibilizda por empresas do sector”, a “ativação de potencialidades de recolha e tratamento de informação”, tudo vem depois a ser cobertinho amorosamente pela mantinha da “melhoria da imagem institucional”, com a PSP a “rever a sua política comunicacional para com os media”, “de forma a passar de forma contínua e sustentada uma imagem de modernidade”.

    Para o fim, pensa-se em eventualmente “investir na promoção de uma melhor qualidade de vida e bem-estar dos seus funcionários” – mas isto é apresentado cautelosamente, apenas, como mera “intenção”. E já se sabe do que é que o Inferno está cheio.

    Na prática, aquilo que se pretende é que a Polícia se vire para dentro, tornando-se mais pequena, mais alienada e mais exterior à sociedade, o que fará com que os seus agentes vejam como potenciais criminosos todos aqueles com que se cruzam quando saem à rua (como já hoje acontece com a Polícia de Intervenção, que pouco contacto tem com a sociedade civil, ao contrário dos patrulheiros das esquadras de proximidade). O que se verifica, aliás, é que a maior parte das situações de ilegalidade na ação policial decorre das atitudes de agentes destas unidades afastadas do contacto com a população: EIRs, BICs, CI, etc. E os casos de criminalidade (desde tráfico de droga, a extorsão, etc) também. Isto devia alertar consciências, mas há uma certa “Silva-Carvalhice” que predomina.

    Tudo isto possibilitará sobretudo o florescimento de empresas privadas nesta área, muitas delas geradas e geridas por ex-dirigentes policiais e militares, dilapidando (ainda mais) os recursos públicos, sem que nenhuma vantagem daí resulte no que respeita à erradicação das causas da criminalidade. Pelo contrário: tal como as tabaqueiras aumentaram os níveis de nicotina nos cigarros, também a esta nova Polícia e empresas associadas interessará que exista mais criminalidade, para poderem justificar a sua própria existência: para que serviriam se não houvesse bandidos?

    Os agentes policiais têm de ser ajudados a perceber que tudo isto é também contra eles, que nada lucrarão e só ajudarão outros a encher os bolsos. O episódio “secos e molhados” não foi assim há muito tempo.

    • notrivia diz:

      Bem me parecia que andam a ser atiçados pelas chefias…
      Uma das coisas que me deixa perplexo é que supostamente os tipos andam a ter formação ao nível das leis mas quando se pergunta aos policias se eles conhecem pressupostos tão simples como o direito à manifestação, direito à liberdade e segurança, e as responsabilidades e obrigações no desempenho da actividade policial, se a resposta não for ‘não estou aqui para conversar’ ou seja, quando há uma abertura à comunicação, dá-me impressão que ficam ligeiramente perplexos como se tivessem sido confrontados com conceitos alienigenas…

  3. Baresi88 diz:

    Essas bestas da bófia estão a ver se arranjam lenha para se queimarem.

  4. Kirk diz:

    Bom… pelos vistos, as apreciaçoes que fiz acerca deste condutor (parti do principio de que ele ia a conduzir) foram calaramente precipitadas.
    As minhas desculpas.
    K

Os comentários estão fechados.