“Procurem Abrigo” de Jeff Nichols

Escolha do júri em Cannes 2011, Procurem Abrigo é um drama familiar que, de forma simbólica e perturbadora, acaba por mostrar a crise actual e os receios mais profundos do presente. Curtis é um homem de meia idade do Ohio, com um casamento feliz e uma vida pacata (não deixa de ter um sentido deliciosamente irónico aquele diálogo inicial com , pese embora a deficiência auditiva da única filha. Tudo se complica quando começa a ser alvo de um conjunto de sonhos sinistros, assentes numa tempestade e em tragédias pessoais que, com base no passado familiar, o levam a duvidar da sua sanidade e provocam nele atitudes aparentemente descontroladas e irracionais. Mas será que tudo é sonho? Não serão os sonhos de Curtis um prenúncio de uma realidade bem negra?

Todo o simbolismo do filme é ponto de partida para uma realidade interessante, mas que poderia ser algo desperdiçada num certo espírito de thriller fantástico e visualmente sensacionalista que o afastasse do essencial. Um dos méritos de Nichols é precisamente fazer o inverso, apostar na intensidade psicológica da acção, numa toada lenta, pausada, e, de certo modo, realista, para que pouco a pouco sejamos absorvidos pelo drama de Curtis. Por outro lado, Procurem Abrigo é também uma reatro forte das angústias da classe média da América profunda e uma denúncia caustica do desumano sistema de saúde americano.

Para além da interessantíssima conceptualizaçao da ideia inicial, é fundamental realçar a existência de cenas de cinema de enorme qualidade, como os desacatos no jantar do Lions Club ou a enorme tensão na cena do abrigo. E, claro, os louros têm de ser repartidos pela actriz Jessica Chastain (Samantha), que, depois de A Árvore da Vida, volta a ter um óptimo desempenho enquanto mulher de uma família à beira da destruição, e pelo extraordinário Michael Shannon, representando de forma arrebatadora todo o desespero  e  a  progressiva mudança psicológica operada no protagonista do filme (já tinha sido o actor principal  na estreia de Jeff Nichols, com Histórias de Caçadeiras),

Assim, fundindo um conteúdo socialmente interventivo, no limbo perfeito entre o realismo e a fantasia, e uma construção formal emocionalmente poderosa, algures entre o misticismo metafórico do melhor M. Night Shyamalan (antes de A Senhora da Água) e o prenúncio catastrofista  de Melancolia de Lars Von Trier, Procurem Abrigo é um belíssimo filme.

8/10

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a “Procurem Abrigo” de Jeff Nichols

  1. prometeus diz:

    “um CONJUNTO de sonhos sinistros, assentes numa tempestade e num CONJUNTO de tragédias pessoais, que, com base no passado familiar, o levam a duvidar da sua sanidade e provocam nele um CONJUNTO de atitudes ”
    3 vezes a palavra conjunto em 3 linhas? Você escreve mal como o diabo…

  2. Pingback: “Cosmopolis” de David Cronenberg | cinco dias

Os comentários estão fechados.