Isto está a ficar muito feio

Os comentários que aqui tenho recebido às minhas perguntas são, no mínimo, preocupantes. Atente-se aos factos:
Um agente a fazer segurança a uma entidade privada, de acordo com o comunicado da PSP, viu um condutor a falar ao telemóvel. Mando-o parar e prepara-se para o autuar.  Até aqui tudo bem ainda que me lembro de já ter tentado participar a derrama de lixo em espaço público a um polícia que estava nas imediações tendo o próprio alegado que não podia receber a queixa pelo facto de estar a fazer segurança ao Banco de Portugal.
Desconheço as injúrias proferidas mas nada justifica a deslocação para o local de um efectivo policial daquela ordem, como se o agente corresse perigo de vida.
O comunicado da PSP agrava o problema, não se refugiando na tradicional abertura de inquérito. Tentando dar cobertura ao sucedido não acrescenta nenhum dado que justifique a desproporção de efectivos. Mais, desvaloriza a violência com que a criança foi retirada do colo do seu pai abrilhantando a justificação com um toque sexista inqualificável.
Como parece que se está a abrir a caixa de pandora, deixo o relato de um pai, João Penha-Lopes, sobre o que sucedeu com a sua filha, ao que parece, no mesmo dia 28 de Maio:

Esta é a minha filha…..QUE FOI BRUTALMENTE AGREDIDA PELA PSP !!


Claro que foi aberto de imediato um processo crime e ela foi hoje vista por um médico do Ministério Público que ficou literalmente aterrado com o que viu,não só em todo o corpo como na mente (pois ela agora não consegue olhar de frente para um agente da PSP nem andar de combóio), e solicitou a entrega de um TAC à garganta que mandámos fazer, numa clínica privada, pois na ida ao Hospital S.Francisco Xavier, imediatamente após a agressão, não tinham equipamento para ver os tecidos moles do pescoço onde os punhos fechados de um dos agentes fizeram pressão, estando ela contra uma parede. O TAC acusou os danos.
Estava a viajar num comboio de Lisboa para a área de residência e saíu na estação perto de casa onde estavam 10 agentes que se juntaram aos 3 que vinham no comboio e onde tiveram problemas com um grupo de jovens que sairam 2 estações antes dela. Ela até vinha a dormitar. Saiu na sua estação e um conhecido que vinha com ela começou a ser de imediato agredido pelos agentes na gare.
Quando ela gritou a pedir para pararem de bater no jovem foi imobilizada e arrastada pela estação. Foi atirada de cabeça contra as cancelas de passagem dos passageiros tendo caido. O agente que a agrediu levantou-a pelos cabelos e arrastou-a pelos braços para dentro da esquadra localizada nas imediações da estação, onde a levou para uma área vazia a atirou contra uma parede e lhe espremeu o pescoço com os punhos fechados.
Não foi feito qualquer auto. Ela conseguiu telefonar-nos do telemóvel a pedir socorro porque foi espancada e estrangulada. O agente a quem ela passou o telefone disse não saber o que se passava ou o que o colega tinha feito (com a minha filha a gritar em background que era ele que a tinha espancado) mas que ela seria de imediato libertada pois não havia qualquer problema com ela.
Vamos amanhã a uma consulta da APAV para receber acompanhamento e formação sobre segurança pois parece provável que hajam retalizações segundo nos foi comunicado por diferentes entidades o que nos obriga a ter cuidados redobrados….

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

26 respostas a Isto está a ficar muito feio

  1. Piston diz:

    Não há nada como um pouco de deslealdade intelectual para alegrar a minha tarde.

    Aparentemente NADA do que a PSP fez está correcto.
    Não podia autuar porque estava num serviço para outra empresa e porque um colega dele, em tempos, disse que não podia receber uma queixa de “derrama de lixo em espaço público” por estar a trabalhar para o Banco de Portugal.
    Como um agente fez mal, este também devia fazê-lo.

    O efectivo deslocado é excessivo? Também me parece que sim a menos que o ambiente à volta pudesse ser hostil.
    Usaram violência? Por terem retirado o filho ao Pai? É de facto uma situação violenta mas não é porque a polícia o tenha sido.
    Será que agora qualquer pessoa que tenha uma criança nos braços pode fazer o que quiser que não pode ser detida? Deveria a polícia algemar um homem enquanto ele tem o filho nos braços? Parece-me uma manobra impossível.

    Toque sexista? Também me parece. De que forma é que isso corrobora a teoria de agressão?

    Este segundo relato quer então dizer que o primeiro, mesmo depois de gravado em vídeo, é um caso flagrante de violência policial? Ridículo.

    • De diz:

      “Ridículo”, ridículo, ridículo.
      Termina assim o comentário de piston
      Mas por que queixa a criatura?Então este não foi um pretexto para lhe alegrar a tarde?

      Li esta pequena pérola excremental no esgoto de piston:
      “Cancro
      Não é obrigatoriamente mau, aliás, por vezes é lento demais.
      Reparem só no Hugo Chávez.”

      Tudo dito.Este tipo é um chui ianque em fase de negação.Uma espécie de Castel Branco à procura de palco.Travestido de “comentador sério” nas horas necessárias.
      Perdeu a validade.

      • Justiniano diz:

        É apenas um tipo a necessitar de segmentos!! Um pobre de bússola não medrada!! Diria que está a vazar por todo o lado!! Nem mais, nem menos, sob pena de se nutrir a instintual miséria moral que por aí anda!!

  2. António diz:

    Pergunto eu: Como é que o agente devia ter agido?

    1- Fingir que não viu o condutor que falava ao telemóvel com uma criança dentro do carro?

    2 – Assobiar para o lado e afastar-se assim que o condutor o injuriou?

    3 – Tentar recorrer à força para dominar o condutor através dos meios que tinha à sua disposição (com o bastão, revólver ou a força de braços) sem chamar reforços?

    4- Perdoar o condutor e deixá-lo ir-se embora assim que este pegou na filha?

    5- Baixar as calças e permitir que o condutor o sodomizasse para que este se pudesse acalmar?

    • De diz:

      António.
      As suas sodomias ou as suas sodomizações não são um assunto que interesse.
      Deixe estes assuntos para a sua esfera privada.
      Valeu?

  3. António diz:

    E eu que pensava que a malta pro-totalitaria cá do sitio gostava deste tipo de autoridade à la NKVD…

  4. Paulo diz:

    Seria bom que se pudesse ler aqui a versão da parte contrária..senão poderá-se cair num erro tremendo!
    de qualquer das maneiras uma coisa tenho a certeza! ninguém bate em ninguém só por bater, sem qualquer motivo!

    Em relação ao primeiro caso!..não vejo qualquer tipo de agressão ou excesso de zelo!
    o número de efetivos no local é completamente normal para uma situação destas! um carro patrulha com dois elementos, uma secção do piquete que trás consigo normalmente 7 ou 8 agentes e o supervisor operacional que trás mais um elemento!
    Como dá para constatar a maioria deles ficou apenas a fazer segurança ao perímetro, sendo o cidadão abordado por 4 ou 5 de maneira a se poder manietar o mesmo sem recurso a força física excessiva. De certeza que apenas 2 ou 3 não o conseguiriam fazer sem usar de mais força! Como aqui foram os suficientes não o foi necessário, e é por isso que ainda são acusados os elementos policiais!
    A única coisa que aqui se poderá apontar o dedo é o uso que o cidadão faz do seu filho menor, como que se um escudo humano se tratasse! Tivesse o mesmo acatado a ordem de inicio e teria se poupado os transtornos que toda a situação criou.

    Não nos esqueçamos ainda que a origem da situação, como na maioria das situações, são as mesmas criadas pelos infratores ou criminosos; o uso de telemóvel a conduzir é expressamente proibido, mas facilmente se constata que é pratica corrente nas nossas estradas, pondo em perigo a vida de quem pratica tal ato, mas acima de tudo dos outros utentes!!

    Como é fácil a vossa vidinha, sem complicações e de dedo sempre no ar pronto a acusar o primeiro

    • De diz:

      Paulo.
      Comecei a ler e deparei com isto:
      “uma coisa tenho a certeza! ninguém bate em ninguém só por bater, sem qualquer motivo!”

      O disparate em letra de forma é tão pesado que deixei de ler o resto.
      Um béu-béu que acaba por culpar até o pai por usar o filho como escudo?
      🙂
      Sorry,mas já ouvimos isto

  5. Paulo diz:

    é por estas e por outras que nas forças policiais reina um lema…O MELHOR SERVIÇO É O QUE FICA POR FAZER!

    O cidadão mais não merece! é o mesmo que aponta o dedo a qualquer passo que o policia faz, mas é o mesmo que também assobia para o lado quando vê um crime ou como neste caso um condutor a fazer uso do telemóvel.

    Se o policia tem estado quieto:

    1º – acabava o seu serviço de gratificado, que provavelmente estava a fazer depois de 8 horas de serviço, para compensar o seu miserável ordenado, em paz e ia para casa descansar

    2º – não teria que ir para a Esquadra efetuar a detenção (entenda-se que mais de uma dezena de folhas) durante horas

    3º não perderia o dia de amanha à espera num tribunal, para ser ouvido, horas estas que sendo fora do seu horário de serviço não são remuneradas

    Há realmente pessoas que não merecem nada!!

    • De diz:

      E a prova que não devo ter perdido nada é este pedaço de prosa de Paulo que parece saído do manual do PP local

      O que diabo tem “isto” a ver com “aquilo”?

      Há realmente pessoas que

      • azorbid diz:

        bem que precisavas de uma prosa…..pareces geometria eclesiana….so das pa um lado e vês tudo redondo ou bicudo…bendito seja deus que os tornou assim….um dia veras que so tu é que tas bem ……naiam….

  6. Cascais: Treze elementos da PSP chefiam rede criminosa
    «Cocaína, haxixe e milhares de euros caçados aos traficantes eram divididos em três. Parte ficava à guarda dos processos, as outras entravam nos bolsos dos polícias e davam para pagar a informadores. Por isso, e pelas cobranças difíceis ou segurança ilegal, por exemplo, os 13 agentes, chefes e oficiais da PSP, foram agora acusados pelo DIAP de Lisboa de extorsão, corrupção, tráfico de droga, associação criminosa, coacção ou até tráfico de armas.O despacho do procurador-adjunto José Ramos, a que o CM teve acesso, refere que “há mais de seis anos” que os comissários Pedro Grilo e Nuno Ribeiro – o primeiro, que até ao ano passado era comandante do Núcleo de Operações do Comando de Lisboa, substituiu o segundo, em 2006, na chefia da Esquadra de Investigação Criminal de Cascais – com cinco agentes “e outros elementos de fora da PSP, gradualmente e de forma organizada, montaram o esquema para, “na condição de polícias”, ganharem dinheiro com o crime.
    Apreensões com desvio de droga, diz o Ministério Público na acusação alargada a 17 civis (ver quadros), iam desde Cascais ao resto da área metropolitana de Lisboa, como Queluz, Oeiras ou Costa da Caparica. E, em paralelo, os polícias faziam segurança privada, ilegal, a particulares ou a empresas.
    Recebiam também dinheiro, “acedendo a informações de cidadãos para fornecer a outros” – ou extorquindo pessoas, a cobrar dívidas reais ou falsas, com violência ou ameaças. Ofereciam-se a vítimas de crimes para fazer justiça pelas próprias mãos.
    Alguns dos 13 polícias foram apanhados há um ano na operação da própria PSP sob a coordenação da Unidade Especial de Combate ao Crime Violento do DIAP, após meses de investigação, outros ‘caíram’ mais tarde e foram já esta semana acusados.» http://crimeejustica.blogspot.pt/2012/05/cascais-treze-elementos-da-psp-chefiam.html
    Agora vamos repetir todos em côro: os agentes da PSP agem sempre dentro da legalidade. Os agentes da PSP agem sempre dentro da legalidade. Os agentes da PSP agem sempre dentro da legalidade. Os agentes da PSP agem sempre dentro da legalidade. Os agentes da PSP agem sempre dentro da legalidade. Os agentes da PSP agem sempre dentro da legalidade.

  7. Kirk diz:

    Tiago
    vc está a enterrar-se com esta história. Era melhor ficar calado. O condutor comete uma infracção e tudo se desenrola a partir daí. Torna-se dificil avaliar a acção policial. Se o condutor se tivesse deixado de merdas, pago a multa e seguido caminho, teria feito muito melhor. Pessoalmente nao dou cobertura a cenas destas. Estou farto até á raiz dos cabelos de ouvir gajos cometerem infracções incluindo muito graves e depois entrarem no jogo de cintura para se justificarem e, quando safos, se irem gabar para a mesa do café das suas habiliaddes.
    Mão pesada para eles!
    K

    • Baresi88 diz:

      “Salvador Louro
      O Cidadão estava d facto a falar ao telemóvel mas n com o veículo em marcha,o veículo estava estacionado no passeio qd foi abordado pelo agente em serviço d gratificados q saiu do interior d 1 estabelecimento comercial e lhe pediu q chegasse o veículo pa trás,tendo o Cidadão obedecido.Após essa manobra o agente informou q o iria autuar por este estar ao telemóvel.Sem qlq contrariedade o Cidadão recebeu o auto e dirigiu-se a um terminal d multibanco onde efectuou o pagamento da coima.Dirigiu-se então ao agente pa lhe mostrar o comprovativo do pagamento e pa solicitar q assinalasse no auto q o pagamento seria referente a depósito e n pagamento da coima,pa poder contestar.Após verificação do comprovativo d pagamento por parte do agente,este n quis devolver o comprovativo ao Cidadão,tendo o Cidadão dito ao agente apenas q ele não estava a dignificar a farda q tinha vestida estava a fazer abuso d autoridade.Após isso,o agente pediu reforços q se vê no video restante” Retirado do facebook do pai da miúda que foi agredida.

    • José Gabriel diz:

      O problema é esse. A lei prevê o pagamento de uma coima, não aplicação de “mãos pesadas”. Prevê sim, por outro lado, penas de prisão para punir as “mãos pesadas” e até as “leves”.
      Não há justificação para que se agrida um sujeito que conduz a falar ao telemóvel.
      Mesmo que, perante a intercepção, o infractor desate à pancada ao agente, o dever deste é manietá-lo e não agredi-lo. A legítima defesa é, no máximo, um soco que coloque o agente da tentativa de agressão atordoado e não, v. g., uma série pessoas, em manifesta superioridade numérica, a agredir continuamente um único individuo.
      Os membros das forças de segurança não têm “mãos livres” para agredir os detidos em razão de agressão destes que, até pelo decurso de meros segundos, já não seja actual. Fazendo-o, cometem crime por ofensa à integridade física.
      Contudo, não se pode confundir uma agressão com uma técnica de afastamento ou com a força indispensável para manietar um individuo na detenção.
      As prerrogativas de autoridade que as forças de segurança têm não são direitos, mas sim deveres, que se traduzem num expoente de maior responsabilidade. Não me canso de o dizer.

  8. Kirk diz:

    Só mais uma coisa que esqueceu: ao longo dos anos, desde o 25A que se repetem historias, seja na rua seja nas esquedras, da policia a exceder-se ( não sei se foi o caso que verteu no post anterior). Por isso nao percebo também o titulo “Isto está a ficar muito feio” como se até agora nao tivesse havido violencia policial. Sempre houve; até assassinatos de manifestantes ou de pessoas que por qq razão estavam a fugir da policia.
    A ficar feio, agora? Então o Tiago está a acordar tarde para a realiadde.
    K

  9. Baresi88 diz:

    Mas quem é o polícia imbecil que bate numa mulher tão bonita. Só pode ser mesmo burro.

  10. V for Vendetta diz:

    brutal!!!

    olha para eles a infestar a caixa de comentários de um blogue destes… Não me digam que são leitores assíduos??!!!!

    vocês sabem bem que um dia (pode demorar, … mas um dia) a coisa vai virar ao contrário.
    Com alguma sorte vocês por essa altura já estarão na reforma. Senão faremos caça para vos empalar a todos, um por um… não iremos esquecer a tortura, a repressão, a bestialidade inumana, com que todos os dias nos recebem nas vossas esquadras.

    Conhecem algum regime que tenha sobrevivido mais do que 50 ou 60 anos? São poucos, muito poucos. Este já vai com quantos? comecem a contar para tràs, porcos de merdaa.

  11. Bruno Figueiredo diz:

    Estes posts começam a roçar o ridículo. Já dizia o outro, que tem o cu a ver com as calças? Um caso é um caso e no segundo caso que é apresentado, só temos um lado da história. Ah mas deve ser verdade né? Afinal todos os polícias são uns facínoras fascistas que só gostam é de dar porrada no indefeso cidadão. Há abusos em todo o lado, felizmente no primeiro caso, está bem documentado e só alguém com uma agenda carregada de demagogia e serventia política pode pensar em explorar.

    • Justiniano diz:

      Caro Figueiredo, é mesmo caso para dizer que o cu, do outro, nada tem que ver com as minhas calças!! Nunca presumi nem presumirei a tal infestação de facínoras na PSP. Contudo, e na melhor tradição liberal, devemos, à cautela, precatar que aqueles que, em nosso nome, empregam o aparelho coercívo da força legitima, o façam dentro do espírito de adequação a que se referem a bondade dos princípios, os costumes e a lei!! Caso contrário pode bem ocorrer ao caro Figueiredo dar, violentamente, com o nariz numa porta fechada e ouvir dos outros que as portas, por princípio, só abrem com chave!!!

  12. para o V for Vendetta diz:

    Cá te espero!!! PORCO!!!

  13. Pingback: Polícia Municipal está a despejar São Lázaro contra a inteligência, as ideias e a ordem do Tribunal. (Em actualização permanente) | cinco dias

Os comentários estão fechados.