«Assegurar a legalidade democrática, garantir a segurança interna e os direitos dos cidadãos, nos termos da Constituição e da lei.»

O que aqui podemos ver contraria o que se lê no título e que faz parte do texto de apresentação da página da Polícia de Segurança Pública. O que vem acontecendo, na Margem Sul do Tejo também. Desde o último fim-de-semana que o dever de servir e proteger foi substituído pela prepotência e violência de carácter racista e persecutório.

Nos próximos dias daremos conta do que começa a fazer parte do lado mais negro dos tempos difíceis que vivemos.

A certeza de que um Estado não merece respeito se os cidadãos não puderem confiar nas suas forças de segurança dá-nos a legitimidade de não ficarmos calados perante actos de pessoas que não sabem lidar com o poder que lhes foi colocado nas mãos!

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

8 respostas a «Assegurar a legalidade democrática, garantir a segurança interna e os direitos dos cidadãos, nos termos da Constituição e da lei.»

  1. Teixo diz:

    Calos Guedes, imagine que, Não tendo havido a intervenção da polícia e, porque ia a falar ao telemóvel, o pai da criança se descuidava e ia contra um poste ou outro carro.
    Como disse noutro post, não é de cidadão acobertar os infractores.

  2. Baresi88 diz:

    E será que só tem sido agora? E será que só tem sido na margem sul?

    • Carlos Guedes diz:

      Não. E não. Vencer o medo é uma tarefa complicada. Mas estamos a tentar dar uma ajuda para que se torne mais simples.

  3. zeh diz:

    Tudo verdade. Mas que fique claro que não é apenas desde o último fim-de-semana nem apenas na Margem Sul. Que se intensificou a repressão parece claro. Mas o haver repressão para intensificar o grau e isso ser inerente ás democracias burguesas não pode ficar dúbio.

  4. Pingback: «Eu não quero vingança! Eu quero que se faça justiça!» | cinco dias

  5. Elsa Baptista diz:

    Que choque, o meu coração está destroçado. Não sei como isto é possível. Isto é uma barbárie, eles não são polícias, são selvagens. Parabens a si que teve coragem de postar este artigo, e capacidade para fundamentar tão bem os argumentos. Está admirável. Mas magoa-me ver estas coisas. Para alguém com consciência de dignidade humana, iniciante do Curso de Direito isto é uma desilusão. Faz-me para quê tanta declaração de direitos para depois termos violações com esta gravidade. São garantes da segurança uma treta, não sabe nada de direitos, não são formados, são animais.
    Que Deus ajude este homem e o dê coragem, sim vingança não, Justiça sim!!!
    É necessário apoiar estas vítima e todas as outras para que procuram a justiça e não o ódio, para que consigam um resultado efectivo nesta luta pela busca do justo.

  6. Elsa Baptista diz:

    Que choque, o meu coração está destroçado. Não sei como isto é possível. Isto é uma barbárie, eles não são polícias, são selvagens. Parabens a si que teve coragem de postar este artigo, e capacidade para fundamentar tão bem os argumentos. Está admirável. Mas magoa-me ver estas coisas. Para alguém com consciência de dignidade humana, iniciante do Curso de Direito isto é uma desilusão. Faz-me para quê tanta declaração de direitos para depois termos violações com esta gravidade. São garantes da segurança uma treta, não sabe nada de direitos, não são formados, são animais.
    Que Deus ajude este homem e o dê coragem, sim vingança não, Justiça sim!!!
    É necessário apoiar estas vítima e todas as outras para que procuram a justiça e não o ódio, para que consigam um resultado efectivo nesta luta pela busca do justo.

  7. Pingback: Isto tem que acabar! A violência policial fez mais uma vítima no concelho do Seixal. | cinco dias

Os comentários estão fechados.