Trinta mil contra o Pacto de Agressão

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

15 respostas a Trinta mil contra o Pacto de Agressão

  1. Tiago diz:

    Superou as minhas expectativas. Foi muito bom. Um grande ânimo para a luta que continua, nas empresas e na rua.

  2. zé manel diz:

    Qual é portanto…qual é???
    Qual é o único Partido Político que lutando institucionalmente contra a Troyka e as medidas de austeridade, convoca também o povo português para a Lutas nas ruas? Qual é o único partido português que trabalha, mobiliza, se expõe e está na LUTA TODA??? Agora sim está na hora de fazer a luta toda!!!
    Que haja unidade e convergência à esquerda, pois claro. Que se trabalhe para uma política de unidade e convergência de todas as forças progressistas e anti-capitalistas !
    Mas que ninguém queira ousar iniciar um projecto de mobilização patriótico e de esquerda sem contar com a FORÇA VIVA E MILITANTE do PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS!

  3. Bolota diz:

    Bruno

    E para quando uma moviemntação do genero por parte por exem’plo do BE???’
    Em relação ao ter sido bom como diz o Tiago, porque será passou quase despercebido por parte dos midias do sistema???
    Foi mais realçado o feito da Isabel Jonet, do que disse o Jeronimo de Sousa

    Mas não vão sr capazes de nos calarem

  4. Caxineiro diz:

    Mais uma vez, a julgar pelos jornais não aconteceu nada. Nem precisam do Pingo Doce para disfarçar a censura, Se tiverem que optar entre uma manif do PC e um acidente de motorizada, certamente que será o acidente de motorizada a fazer a primeira página
    É bom sinal, É sinal que estão com medo

  5. JgMenos diz:

    Supera sempre as minhas expectativas ver gente a exigir a mudança para uma política alternativa, sem que se diga de onde vem o dinheiro para suportar essa política.
    Mas suponho que quem for PELA LUTA sempre arranja um fé que os mobilize, e assim cumprem gloriosas tradições. Assim seja!

    • De diz:

      As aparentes vias de sentido único cheiram sempre a outra coisa que por pudor não se menciona aqui.
      Mas esta história da ausência de alternativas é falsa.Houve e há outras propostas.
      Por exemplo as PPP.Iniciadas em Portugal pelo PSD,comparticipadas pelo PS e pelo PP.Uma via eficaz de fazer passar a riqueza nacional para as mãos de interesses privados.
      Por acaso vozes levantaram-se de imediato contra tal.Desde o primeiro dia.

      Dinheiro há.Foi é concentrado nas mãos de um cada vez menor número, pelas mãos criminosas dos governos de direita.

  6. João diz:

    Não sendo necessário reconhecer ao PCP o direito de promover estas manifs, não seria tacticamente mais interessante promovê-las num âmbito mais alargado? Lá saberão o que fazem, mas como votante (ocasional) não vejo o alcance deste modo.

    • MG diz:

      A 9 no Porto e a 16 em Lisboa Manifs da CGTP-IN.

      Aparece e mobiliza.

      Um Abraço,

      MG

    • José Jardim diz:

      Num âmbito mais alargado?O PCP não proibiu ninguém,mesmo com outras opiniões politicas,ou filiados em outras organizações politicas de esquerda de se integrarem na manifestação.
      Que eu saiba o PCP não é o “dono” da Praça do Comércio ou Terreiro do Paço.

    • Baresi88 diz:

      Quem te disse que não era alargado?

    • Tiago diz:

      O PCP participa e participará em muitas manifestações unitárias. Ao contrário de outras forças políticas opta sempre por aderir às manifestações sem elementos cartazes, bandeiras, panos indentificados como sendo do PCP. Vai à “paisana” porque uma manifestação unitária é isso mesmo, unir vontades pela transformação.

      Esta manifestação foi uma demonstração de força do colectivo partidário. Não foi uma manifestação de comunistas, mas uma manifestação promovida pelos comunistas.

      Foram muitos os milheres de documentos distribuídos pelos mercados, comboios, empresas e tudo o que possa imaginar, apelando a todos os que se sentem injustiçados para que participassem na manifestação. Acima de tudo preparar esta manifestação foi desenvolver uma grande acção de esclarecimento aos trabalhadores e outras camadas da população.

      Trabalho que tem de ser desenvolvido por mais esforços que exiga, porque escolher um local para distribuir 100 documentos e chamar a televisão para filmar, não é trabalho de esclarecimento, é tentativa de promoção mediática para enganar tolos.

      E foram muitos os que participaram e não são militantes do Partido.

      O alcance desta manifestação é facilmente explicável. Serve para mostrar a todos aqueles que por esse país fora desesperam com o ataque miserável que está a ser conduzido pelo capital contra quem trabalha, de que há quem resista e lute pela necessária mudança. Que existe alternativa e que ela pode ser construída a partir do momento em que os trabalhadores se unam.

  7. Vasco diz:

    Finalmente que esta grandiosa acção de luta surgiu aqui neste espaço. Foi uma grande jornada de combatividade e afirmação de um caminho alternativo. Foi uma acção promovida por aqueles que, em todas as lutas e todos os dias, estão na linha da frente da organização e da mobilização. E que estarão novamente a 9 e 16 de Junho, nas acções da CGTP-IN. Descanse João, que os comunistas não faltarão na luta – antes participarão nela com ainda mais força e determinação depois desta… As manifestações do PCP não retiram ninguém das lutas gerais – nem é esse o seu propósito. Pelo contrário, alargam, unem, somam e revelam quem tem o projecto alternativo: a democracia avançada e o socialismo.

  8. André Silva diz:

    João, a manif era aberta a todos. No Porto vi gente que não era do PCP nela, por exemplo.

  9. antónio afonso ferreira diz:

    – Viva o Partido Comunista Português – O único capaz de sair a Rua, e protestar contra a politica de traição – Se outros não o fazem, problema deles .- A unidade na acção, Faz-se com acção . Se alguém ficou em casa à espera que o vão buscar e os transportem ao colo; (com tudo o respeito) que esperem sentados!

  10. Camarro diz:

    Neste dia houve duas manifestações… uma para cima e outra para baixo 🙂

    Quem lá esteve sabe do que estou a falar 🙂

Os comentários estão fechados.