“Os grandes criminosos em Portugal não são negros”

“Nos bairros há perseguição. Há uma forma de policiamento diferente, ponto final. Nem precisas de ser politizado: são dez da noite, estão seis gajos na rua, vais ser encostado à parede. Depois, se fizeste merda ou não, logo se vê. Logo se arranja, até. Se precisarem de te levar, arranjam qualquer coisa, nem que seja resistência à autoridade. Isto é uma realidade e podes perguntar às pessoas que vivem nos bairros. E também não é uma coisa só de pretos. Vai perguntar a brutalidade que se tem feito sentir no Porto, e não estou a falar da Fontinha… Há gente que acha que a repressão policial é nas manifestações, mas é ver a violência nos bairros do Porto. Agora, para o pessoal politizado, faz-_-se sentir sim senhor. Tanto há pessoas da plataforma como de outros grupos que a têm sentido, não só das escutas que levam, pelas pessoas que já foram agredidas por terem actividade política. As pessoas dos bairros já são perseguidas e se tiverem um discurso político são mais.”, Chullage em entrevista ao i

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 respostas a “Os grandes criminosos em Portugal não são negros”

  1. JgMenos diz:

    Índices de criminalidade e repressão andam a par, e assim deve ser.
    É claro que se os visados articularem duas frases ´progressitas´a questão assume desde logo contornos altamente fascizantes. Se forem negros o racismo logo se manifesta; e por aí fora…
    Precisam-se umas comissões de moradores, umas células de formação cívica, umas ‘Fontinhas’ em bairros problemáticos…há muito para fazer!

  2. Encostados à parede, até quando?os lugares que oferecem a maior resistência são aqueles que, através da luta quotidiana carregam a bagagem cultural herdada no processo de formação do grupo,de Amílcar Cabral ao rap,uma narrativa da repressão (onde ela existe há resistência) insustentável, expressão estética dum quotidiano e de um pensamento que são determinantes para a continuidade de uma história, que migra de lugar para lugar para resistir.

  3. Frangueira Bernardo diz:

    A delinquência é um fenómeno presentes em todos os níveis sociais, culturas e cor da pêle.

Os comentários estão fechados.