Debate As Mentiras da Dívida

Debate da Dívida, todos os vídeos aqui

Portugal e Grécia – os mesmos problemas, a mesma luta, a mesma solução

«A austeridade é um inferno para os trabalhadores.
E o inferno não pode ser renegociado»
Se baixar os impostos sobre os rendimentos dos grandes investidores e dos bancos e subir os impostos sobre os rendimentos dos trabalhadores fosse essencial para a saúde económica do país,

Se «flexibilizar» o regime de trabalho e facilitar os despedimentos fosse bom para a criação de emprego,

Se multiplicar os encargos da dívida pública ano após ano fosse a solução para os problemas económicos e financeiros,
Então já há muitos anos teríamos atingido o pleno emprego, o bem-estar social e um alto nível de rendimento económico. É necessário despertar a memória e recordar que já desde antes dos PEC e do memorando da Troika é esta a política seguida pela governação. Mas agora em dose reforçada.
A política de austeridade é uma burla, NÃO EXISTE! O que existe é austeridade para os trabalhadores e bem-aventurança para os grandes investidores e a banca.
Os números não enganam: os beneficiários da bem-aventurança têm lucros crescentes, de ano para ano; as vítimas da austeridade vão caindo numa miséria confrangedora.
É facto que uns quantos bancos sofreram desaires resultantes das burlas e aventuras especulativas que praticaram. Nada disso pode confundir o nosso discernimento: desde o fim da II Guerra Mundial, nunca o fosso entre ricos e pobres se alargou tanto; nunca a acumulação de grandes fortunas atingiu níveis tão altos; nunca a fome, a miséria, a insegurança atingiram os povos da Europa desta maneira.
Se a boa saúde da banca é, como nos dizem, essencial para a economia do país e o bem-estar da sociedade no seu todo, então torna-se óbvio que esse sector da economia não pode permanecer sob controle dos interesses privados – tem de passar a ser controlado pelo conjunto da sociedade.

(…)Com estes actos bárbaros não se pode pactuar nem negociar. Nem aqui, nem na Grécia, nem em parte alguma do Mundo. Por isso subscrevemos a afirmação do sr. Tripsas: «A austeridade é um inferno [para os trabalhadores]. E o inferno não pode ser renegociado.»

O resto da Declaração do CADPP de solidariedade à Grécia aqui

Lisboa, 22-05-2012,
CADPP – Comité para a Anulação da Dívida Pública Portuguesa
www.cadpp.org

 

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 respostas a Debate As Mentiras da Dívida

  1. JgMenos diz:

    A carreira do sr. Tripsas no próximo mês é a única coisa que pode trazer novidades; o resto é tudo sabido:
    Quando a economia cresce os trabalhadores têm força reinvidicativa, os políticos têm dinheiro e querem comprar os votos dos trabalhadores, o capital não resiste à tentação de especular: parece o melhor dos mundos.
    Quando a crise financeira e económica chega, ninguém quer pagar a conta…e quem saiu da prosperidade com dinheiro no bolso tem à sua frente um mar de oportunidades e não poucos ódios.
    É o capitalismo democrático!

Os comentários estão fechados.