Lições gregas

A possibilidade de vitória da esquerda nas eleições gregas tem motivado as mais aviltantes acções da oligarquia europeia. Depois da imperial retenção das transferências acordadas, sucederam-se as declarações de ameaça ao povo grego proferidas pelos mais altos responsáveis da política europeia.
Durão Barroso, a figura máxima desta oligarquia pouco dada a eleições, afirmou que a Grécia devia respeitar as outras dezasseis democracias da Zona Euro, como se a maioria dos povos da Europa tivesse sido chamado a opinar sobre a situação grega, sobre o euro ou sobre o Tratado de Lisboa.
Neste momento, a escalada no tom de ameaça não nos permite afirmar com toda a segurança que não será inventado um estado de excepção para impedir o povo grego de exercer o seu direito de voto em liberdade.
Todos os artifícios anti-democráticos com que os partidos da troika foram armadilhando o sistema eleitoral grego (os 50 deputados para o partido vencedor ou o limite mínimo de percentagem eleitoral para os pequenos partidos poderem entrar no parlamento) poderão não chegar para que se perpetuem no poder.
Esta é a declinação óbvia de uma Europa que se erigiu à margem da decisão popular. Um dos instrumentos da democracia são as eleições – é bom não esquecer que existem outros igualmente importantes como a liberdade de escolha, o acesso à informação, cultura e educação ou a igualdade de direitos na saúde e na justiça.
Em democracia deve-se poder escolher entre caminhos diferentes, paralelos ou opostos. Em democracia não se escolhe pessoas decide-se políticas. Em democracia não há inevitáveis.

Hoje no i

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

11 Responses to Lições gregas

  1. JgMenos diz:

    «Depois da imperial retenção das transferências acordadas, …»
    Diz-se imperial retenção, porque se seguiu à humilde intenção de receber as transferências sem as condições préviamente acordadas…

    • De diz:

      Sorry
      Começa a haver algo de ainda mais patético nos comentários de”licas”

      • De diz:

        (esta era para o “licas”)

        Para o JgMenos o comentário era também breve:
        O Schauble português a fazer o seu papel.E a zelar furiosamente pelos mercados.
        Um neoliberal a ver se vamos nas suas fitas

  2. antónimo diz:

    tenho a sensação que o sistema não está a aceitar-me os links.

    já ontem no post sobre o relvas chamei a atenção sobre isto. sondagens voltam a dar vitória à nova democracia, mais que duplicando os lugares obtidos nas últimas eleições.

  3. Augusto diz:

    Depois de duas sondagens que davam a Nova Democracia ( direita) á frente do Syriza, ontem duas novas sondagens puseram Merkel e os seus criados, Barroso, Coelho e Ca, com os nervos em franja .

    Uma sondagem da Televisão oficial Grega atribuia

    Syriza 28%

    ND 25%

    Pasok 15%

    Está tudo em aberto, mas a possibilidade de um golpe militar está sempre em cima da mesa, e a Merkel não hesitará em fomentá-lo , se isso garantir ao Bancos Alemães a recuperação dos seus créditos, e dos JUROS AGIOTAS.

  4. licas diz:

    A espécie humana , qualquer dos seus membros, induz imediatamente:
    ____É evidente que há gente que acha perfeitamente admissível, quiçá louvável, que um sistema político seja submetido aos ditames do *Ayatollah* . . . Seria semelhante a que o
    Decálogo católico servisse de norma geral à nossa Constituição Política.
    ____A *minha* opinião ( dão-me licença . . .) é a de que, à semelhança de tudo o que
    acontece nos países democráticos, a religião deve limitar-se ao comportamento do indivíduo como crente, JAMAIS na qualidade de cidadão . . .
    Na próxima oportunidade de emendar a Constituição da República Portuguesa exijo
    que se proponha (como no Fascismo) uma Concordata com a Santa Sé —– para que
    haja coerência com que se exara por estas bandas . . .
    Se assim não for, eu permaneço afirmando que quem apoia a *constituição* do Irão não o passa de um HIPÓCRITA PROVOCADOR.

  5. licas diz:

    Desde as 5 horas da tarde . . . aguarda-se autorização da KGB cá do sítio.

  6. licas diz:

    Ainda . . .

  7. licas diz:

    Ainda: há 6 horas.

    • Antónimo diz:

      Comentário didáctico: você já cá anda há tempo suficiente para ter percebido que quem aprova os comentários são os autores dos posts.

      Se fosse bom observador, verificaria que os posts do Tiago Mota Saraiva estavam todos sem aprovações de comentários, o que quer dizer que não estava de piquete. Podia também ter reparado que parte do pessoal andaria por Coimbra.

      Depois era domingo e por estas bandas respeita-se o dia do Senhor.

      Para finalizar, o que é que o seu comentário tem a ver seja com o que for?

Os comentários estão fechados.