Liberdade, papoilas e balões cheios de hélio.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

12 Responses to Liberdade, papoilas e balões cheios de hélio.

  1. jagplus diz:

    bem, é um deserto. q intervenção tão vazia. em torno de uma ideia vazia. há de servir para algo.

  2. Rui F diz:

    Pode até ser romantico, mas não estou a ver esta plataforma que junta pessoas pró capitalismo com acérrimos anti capitalistas, durar mais que um par de horas.

    Ainda não é por aqui.

  3. closer diz:

    Esta esquerda são uma cambada de reformistas. O BE são traidores e querem acordos com o PS! O PCP são estalinistas dogmáticos e sectários!

    Afinal em quem podemos confiar? No Mas do Gil Garcia? No MRPP com o livro vermelho na mão? Na revista Rubra que tira meia dúzia de exemplares? Nos movimentos de rua que trazem à dita cada vez menos gente?

    Quando é que pensamos na esquerda como um somatório de todos estes contributos, numa possível unidade no meio da diversidade? Provavelmente na mesma altura em que o Renato Teixeira se enxergar e deixar de fazer o papel ridículo, do dogmático de serviço, do revolucionário imaculado, do guardião da sacrossanta pureza ideológica. Ou seja, quando toda a esquerda se libertar do sentimento religioso que a domina.

    Provavelmente, nunca.

    • Renato Teixeira diz:

      Sobrevaloriza a minha capacidade de influência. Os Livres tratarão de mudar de paradigma. Pode voltar a dormir descansado.

  4. Justiniano diz:

    Não, Renato, o hélio é um gás raro e como coisa rara deve guardar-se para coisas de elevado valor!!

    • miguel cunha diz:

      O hélio é um gás nobre, raro é que ele não é (é o 2.º elemento mais abundante no universo…). Infelizmente, os rui tavares não são raros (e muito menos nobres…)

  5. licas diz:

    Outro assunto: os merdosos dos Maometanos ainda não aprenderam
    algo que no Ocidente já tem 200 anos em prática: não misturar o Clero como tal na Política.
    É no Irão que a *coisa* chega ao paroxismo : a última palavra no que é *justo* e
    *detestável* é arbitrado por um *Ayatollah* . . .
    (Assim, jamais chegarão à democracia . . .).
    Na Síria o *Sultão* Bashar al-Assad arroga-se o direito de mandar matar os
    opositores do regime implantado pelo papá: nem, sequer, deixa que eles digam
    de sua justiça. Defendido pela Rússia/URSS/Putinlândia e pela Comunista China,
    faz ouvidos de mercador ao Egipto, Estados do Golfo , à própria ONU.

Os comentários estão fechados.