Grécia, Eleições em Junho! Civilização ou Barbárie.

Em Junho haverá novas eleições na Grécia. Não é necessário aprender grego para confirmarem. A Coligação da Esquerda Radical (aka Syriza) poderá vir a ser a força mais votada. Até lá espero que se constitua uma fente que vá para lá da própria Syriza e inclua outra forças Anti-Troika. O combate eleitoral será muito renhido e há uma diferença qualitativa em ser o segundo ou o primeiro. Mais do que isso, após as eleições, todos serão poucos para enfrentar a subversão, externa e interna, com que um governo minimamente progressista se irá confrontar.

Nunca é de mais sublinhar o quão decisiva é esta batalha, não é por acaso que o Finantial Times “plagia” o título de um dos posts que aqui coloquei, Seven days that shook Europe /5 DIAS QUE ABALARAM A EUROPA! (5dias, com todas as suas contradições, sempre na Vanguarda! LOL). Já temem o Apocalipse, espero que sim, espero que seja o Apocalipse para os partidos e oligarquia corrupta que governou a Grécia, espero que seja o Apocalipse para a Troika que nos governa (e se governa), espero que seja o Apocalipse para os constantes ataques às massas populares. Mesmo que não seja o juízo final dos Troikistas, sempre pode dar uma ajuda! Entretanto as ameaças e chantagem sobre o povo grego ganham novo ânimo. Mas a coisa não é assim tão simples, por mais que digam estarem “preparados”, a realidade impõe-se. Com o agudizar da situação, a probabilidade é  que as contradições entre a classe dominante europeia se agudizem, uma saída da Grécia do Euro terá efeitos devastadores. Para lá das mais óbvias consequências económicas e sociais, não se tem falado tanto das monumentais consequências políticas e geopolíticas que uma expulsão da Grécia do Euro traria (da UE? nem se sabe como se processaria tal coisa).

As classes dominantes têm cavalgado a crise como oportunidade de ouro para efectuar uma maciça redistribuição da riqueza e poder a seu favor, a continuar o ritmo é a própria democracia liberal que está posta em causa (este texto trás uma interessante perspectiva). Aqui está uma oportunidade para contra atacar, a eleição de um governo minimamente progressista na Grécia é algo que vai para lá do mero protesto e pode, objectivamente, contribuir para travar o avanço da barbárie. Aliás mesmo sem lá chegar tenho poucas dúvidas que a “ajuda” será renegociada com condições mais favoráveis para a Grécia…

Agora que se encerra o epílogo deste processo, agora que já todos tivemos tempo para “aprender grego”, agora e antes dos próximos capítulos, relembro:

Aprende a nadar companheiro, que a maré se vai levantar!

Troikistas não conseguem formar governo na Grécia! E agora??? O momento é de Atacar! Não é de resistir!

Esquerda radical quer nacionalizar bancos e rasgar acordo com ‘troika’

Estamos a viver um momento Histórico!!! A luta contra a ditadura da dívida entra numa fase decisiva!!!

5 DIAS QUE ABALARAM A EUROPA! Certezas e Questões em aberto.

PELO TRIUNFO DA FRENTE ANTI-MEMORANDO E ANTI-TROIKA NAS PRÓXIMAS ELEIÇÕES! POR UMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E EMPREGO NA GRÉCIA E NA EUROPA!

PELA DERROTA DOS VELHOS PARTIDOS CORRUPTOS E DEFENSORES DA OLIGARQUIA! QUEM PROVOCOU A CRISE NÃO IRÁ SOLUCIONAR A CRISE!

PELA DEFESA DA INDEPENDÊNCIA DA GRÉCIA FACE AOS DICTATES DE BERLIM! PELA SOLIDARIEDADE ENTRE TODOS OS POVOS DA EUROPA!

PELA DEFESA DA DEMOCRACIA AMEAÇADA NO PRÓPRIO BERÇO!

Aqui, dois interessantes textos foram sugeridos, destaco a “Necessidade histórica de avançar” (um título muita bem metido). De facto,

Creio que será um erro se o Syriza se debruçar exclusivamente sobre as causas e soluções para os problemas que estão à tona, dissociando-se do problema de fundo que é a necessidade de romper definitivamente com o sistema em vigor e de criar uma alternativa. Da mesma forma, será um grave erro se o KKE se concentrar de forma exclusiva no objectivo final do socialismo e do comunismo, sem desempenhar um papel imediato e activo nas mudanças de que o povo e os trabalhadores gregos neste preciso momento histórico mais necessitam. A concertação é, por isso, inevitável. O entendimento pode e tem mesmo de ser possível.

Espero, que a bem de todos, sim, espero mesmo que sim. Espero que o KKE se cure da enfermidade que dele se apoderou, Esquerdismo, doença infantil do comunismo. Espero que não prossiga com as sua deriva para as teorias do social-fascismo, espero que não venha a desempenhar na Grécia de 2012 as tristes e trágicas figuras prestadas pelo MRPP em 1975, ou mais recentemente pela Bandera Roja na Venezuela. Espero também que a Syriza não se retraia e tenha uma postura verdadeiramente aberta na procura de um entendimento. Espero que que o seu discurso em torno do Euro e da UE incorpore um “Plano B”.

Ainda sobre esta questão, e já que foram amplamente expostas as diferenças Bloco-Syriza (inclusive por mim), convém também não esquecer as importantes diferenças entre KKE e PCP, eu pecador me confesso, acho que o programa para a Revolução Democrática e Nacional está muita bem esgalhado e o livro “Acção Revolucionária, Capitulação e Aventura” de leitura obrigatória…  Embora no decorrer do PREC fosse claro que a única forma de implementar esse programa seria avançar, é a tal da “revolução permanente“… Mesmo assim muito se conseguiu.

Outros importantes artigos e análises:

The extremism of Greece’s centre ground

The crisis in Europe: a decisive turn in the situation

The “Drama” of the Greek Elections

The Greek paradox and the left

Why Europe needs Greece

A Triumph of the Radical Left in Greece: A Message to Europe

Syriza!

Greek election results analysis

Greece: Trying to understand Syriza (cultura geral)

Moderate, pragmatic and unloved: Greece’s liberal parties (queriam não queriam? agora é tarde de mais)

E vale sempre a pena estar atento…

Grécia: uma oportunidade de validação no terreno das ideias da esquerda radical.

Vem aí a esquerda comer criancinhas ao pequeno-almoço, valha-nos Deus!

Entretanto, para lá das eleições…

Left-wing group named after Greek riot dog torch EU finance chief’s car

Responsibility Claim for the arson of the vehicle of Themis Skordeli (Golden Dawn candidate)

Collective agreement continuance expires today; hundreds of thousands of private sector workers face 15-40% wage decrease

Office of the Nazi party Golden Dawn trashed in the city of Patras (once again!)

Explosive devices cause damage at Maroussi tax office

Police and Nazis in joint operation against migrant traders and anarchists in central Athens, in broad daylight 

At least 16 protesters of pacifist ‘March to Athens’ detained in the morning in Syntagma

… à poix é.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

23 respostas a Grécia, Eleições em Junho! Civilização ou Barbárie.

  1. Assumo que estou mais curioso que receoso.

    • franciscofurtado diz:

      Só quem for parvo é que não está um pouco receoso, mas de uma maneira ou de outra as coisas nos próximos tempos vão estar muitíssimo agitadas na Europa. Antes haja algumas experiências e implementação de alternativas, mesmo com o risco de falharem, do que ficarmos presos à inércia que irá conduzir necessariamente ao abismo.Também eu estou bastante curioso, vivemos “tempos interessantes”

  2. Já agora fica com isto

    http://aventar.eu/2012/05/09/talvez-seja-a-alemanha-o-primeiro-pais-a-abandonar-o-euro/

    pode ser que traduza o resto (mais sobre política geral da esquerda na Europa) ainda esta semana.

  3. Rocha diz:

    Francisco, as sucessivas sondagens dão a vitória ao Syriza com suficiente margem para formar um governo de minoria suficientemente forte para ser aprovado com apoio no parlamento. Ceio que as medidas que o SYRIZA anunciou (no seu programa mínimo), tal como o KKE as comentou, pecam por insuficientes (como é habitual no reformismo) mas não pecam por erradas.

    As medidas que o Syriza anunciou serão aprovadas quando houver um parlamento com maioria de esquerda.

    Agora as razões do KKE para não aceitar fazer parte de um governo reformista são as mesmas porque a ANTARSYA (Frente para o Derrube do Capitalismo) também não aceitaria, e esta última também me parece ser uma organização respeitável dentro da esquerda grega. As razões fundamentais são a intransigência revolucionária em romper com o Euro, a UE e a NATO. Estas posições programáticas não determinam uma vitória do Socialismo mas são antes um pre-condição para poder lutar pelo Socialismo.

    Eu acho muito bem que o KKE e a ANTARSYA se mantenham firmes em relação a estas rupturas com o Euro, UE e NATO. A Revolução Socialista não deixou de ser a melhor solução para os trabalhadores porque agora estamos envolvidos numa crise do Euro. A solução para a crise do Capitalismo continua a ser derrubá-lo.

    A ANTARSYA não ultrapassou a barreira eleitoral dos 3% mas ao ritmo que vem duplicando e triplicando votos a cada eleição é uma força a ter em conta.

    É também possível e visível nas sondagens que a SYRIZA roube votos ao KKE, a ANTARSYA, DIMAR e a muitas outras forças mesmo as que nem são de esquerda.

    As últimas sondagens dão ao SYRIZA uma tal vantagem sobre o PASOK e a Nova Democracia, que abre caminho para a SYRIZA formar governo, num contexto em que as suas medidas podem ter apoio maioritário no parlamento.

    http://www.athensnews.gr/portal/1/55512
    Resultados depois de votos indecisos distribuídos:
    Syriza: 31.9%
    New Democracy: 13.8%
    Independent Greeks: 12.8%
    Pasok: 8.7%
    Communist Party: 6.8%
    Golden Dawn: 5.8%
    Democratic Left: 5.5%
    Recreate Greece: 3.5%
    Ecogreens: 3.4%
    Popular Orthodox Rally (Laos): 3%

    Será um governo de crise certamente porque a SYRIZA mantém a esquizofrenia de ser anti-memorando e pro-euro. A classe dominante alemã, assim como a grega e a restante europeia já fizeram saber muito claramente que a opção é entre obedecer à escravatura da Troika ou romper as amarras e sair do Euro.

    Além disso a situação de dependência das forças repressivas e armadas gregas face à elite dominante europeia (nomeadamente a Alemanha mas também outros poderes da NATO) coloca uma qualquer tentativa de mudança pela via eleitoral – ainda para mais com um discurso reformista e não revolucionário – num situação muito frágil. É caso para dizer que a capacidade da SYRIZA implementar o seu modesto programa reformista vai depender muito da radicalização das massas nas suas greves, manifestações, bloqueios e ocupações.

    O KKE, a ANTARSYA e outras forças radicais incluindo as anarquistas (uma força muito considerável na Grécia) têm toda a razão quando colocam a luta de rua como factor decisivo. Sem as massas a tomar o poder nas fábricas, campos, empresas e bairros, o poder mantém-se nas mãos de um exército e uma polícia altamente reaccionários e na mão da burguesia e dos banqueiros (para não falar da ajudinha que a milícia fascista lhes dá). Daí que a formação de estruturas de poder popular como suporte directo para um povo em armas será crucial.

    Até a mais modesta nacionalização da banca vai precisar de muita luta de massas para a apoiar.

    • franciscofurtado diz:

      Epá, seria extraordinário se todos os comentários fossem deste nível! Estamos quase 100% de acordo Rocha.

      • João diz:

        Ia escrever o mesmo. Como é importante nestas alturas cruciais saber falar, expondo com clareza divergências e propostas alternativas, sem partir para o insulto. Não pesco um alfa de grego, mas pelo que vejo em inglês no site do KKE, ou coisas traduzidas no vermelhos.net, a adjectivação (oportunistas, fraude) e deturpação das posições da Syriza é chocante. E até estou mais de acordo com as posições do KKE sobre a UE e o Euro, mas não entendo a recusa liminar em sequer aceitar um encontro e ponderar o apoio parlamentar a uma governo com cujas medidas não podem discordar, quanto muito pensam ser insuficientes.

        • Leo diz:

          “Não pesco um alfa de grego, mas pelo que vejo em inglês no site do KKE, ou coisas traduzidas no vermelhos.net” ???

          Porque não vai ao resistir.info? Esta lá praticamente tudo.

          • João diz:

            Não, não está, está uma parte. No vermelhos.net estão as duas. Faz uma pequena diferença, não faz?

        • João Jerónimo diz:

          http://inter.kke.gr/News/news2012/2012-04-10-synentefxi
          «And I doubt the honesty of this proposal. During the local elections in 2011 SYRIZA allied with ND, PASOK and LAOS in Ikaria in order to prevent the election of a communist mayor (Ikaria is an island in Eastern Aegean where the KKE receives many votes due to the fact that communists used to be exiled in the Island. In the last elections in 2010 the communist candidate received 43,9% and was defeated by the candidate who was supported by all the other political forces). As if things in Geece would turn upside down. And they were all together. Why does SYRIZA cooperate with them in trade union federations in order to prevent the election of communist representatives? Why do they recall the cooperation with the KKE merely in the elections? “»

    • JgMenos diz:

      1905-1917-1937 REVIVIDOS!!! 3 em 1!!!
      mal posso esperar para ver!

    • Vejo que há progressos. Na entrevista que linkei em cima Tsipras explica muito bem onde está o dinheiro grego. A solução não passa só por nacionalizar a banca (e recuperar o que está na Suiça), mas provavelmente os grandes armadores, que já estão a preparar a fuga. Falamos da maior frota mercante do mundo. Promete.

    • Leo diz:

      “As últimas sondagens dão ao SYRIZA uma tal vantagem sobre o PASOK e a Nova Democracia, que abre caminho para a SYRIZA formar governo” ????

      Não venda gato por lebre, Rocha. Essa sondagem diz apenas respeito a cinco círculos eleitorais: Atenas A, Atenas B, Pireus A, Pireus B e Attica. Não representa obviamente o resultado nacional, apenas representa o resultado nos círculos mais favoráveis ao Syriza.

    • Rocha diz:

      É verdade mas trato apenas de assinalar uma tendência que incidindo nessas cidades e regiões é bastante decisiva.

      Como disse é mais importante o que se passa fora do parlamento do que dentro dele.

      • Leo diz:

        “é mais importante o que se passa fora do parlamento do que dentro dele.” ???

        Não percebo então porque se deu ao trabalho de tentar passar como sendo nacional uma sondagem feita apenas em cinco círculos eleitorais…

  4. Rocha diz:

    Uma longa entrevista a Tsipras – muito reveladora em termos de estratégia do SYRIZA (importante clica para abrir as legendas em inglês!) – no link abaixo:

  5. Miguel diz:

    Traz uma perspectiva, não trás. 😉

  6. João Jerónimo diz:

    Citar é fácil. Também lhe sei arranjar várias citações de Lenine que claramente apoiam a opção do PCG e nunca a do Siriza. Basta pensar nas críticas aos oportunistas que Lenine faz no seu livro “Que fazer?”:
    «Em que consiste a “nova tendência que “critica” o “velho” marxismo “dogmático”, disse-o Bernstein, e demonstrou-o Millerand com suficiente clareza. A social-democracia deve transformar-se de partido da revolução social em partido democrático de reformas sociais. Essa reivindicação política, foi cercada por Bernstein com toda uma bateria de “novos” argumentos e considerações muito harmoniosamente orquestrados.»
    «De fato, se a social-democracia não constitui, no fundo, senão um partido de reformas e deve ter a coragem de reconhecê-lo abertamente, o socialismo não somente tem o direito de entrar em um ministério burguês, como também deve mesmo aspirar sempre a isso. Se a democracia significa, no fundo, a supressão da dominação de classe, por que um ministro socialista não seduziria o mundo burguês com discursos sobre a colaboração das classes? Por que não conservaria ele sua pasta, mesmo após os assassínios de operários por policiais terem demonstrado pela centésima e pela milésima vez o verdadeiro carácter da colaboração democrática das classes? Por que não facilitaria pessoalmente o czar a quem os socialistas franceses não chamavam senão de knouteur, pendeur et déportateur? E para contrabalançar esse interminável aviltamento e auto-flagelação do socialismo perante o mundo inteiro, essa perversão da consciência socialista das massas operárias – única base que nos pode assegurar a vitória -, são nos oferecidos os projectos grandiloquentes de reformas insignificantes, insignificantes ao ponto de se poder ter obtido mais dos governos burgueses!»

    Está a ver a facilidade com que se arranja citações para confirmar aquilo que nos dá mais jeito? É velho. Já o traidor Gorbatchov fez a mesma coisa, e veja só onde o mundo chegou hoje…
    Aprenda.
    Nunca li o “Esquerdismo, doença infantil do comunismo” todo. Mas acontece que já li esse capítulo. Em lugar nenhum desse capítulo Lenine defende a participação dos partidos comunistas em governos burgueses, o que está em questão nesse capítulo são unicamente os parlamentos.

    JJ

  7. Pingback: Missão Troika/FMI – Transformar a Grécia (e os outros PIGS) em países estilo África Subsariana | cinco dias

Os comentários estão fechados.