Justiça de classe (os destaques são meus)

Isaltino Morais já não pode ser condenado por corrupção no processo das contas da Suíça, apesar de este crime ter ficado provado quando foi julgado.
É mais um episódio num processo recheado de imbróglios jurídicos. Em Julho de 2010, o Tribunal da Relação de Lisboa confirmou a condenação do autarca decretada pelo Tribunal de Oeiras, mas anulou a parte relativa ao crime de corrupção, invocando uma irregularidade processual. Por isso, a Relação ordenou a repetição dessa parte do julgamento (em que está em causa o favorecimento de um empreiteiro a troco de dinheiro, em 1996).
(aqui)

O Tribunal de Pequena Instância Criminal do Porto condenou hoje a cinco meses de prisão, com pena suspensa por um ano, por agressão a um agente policial, um dos detidos durante a desocupação do movimento Es.Col.A da Escola da Fontinha, no Porto.
(aqui)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 respostas a Justiça de classe (os destaques são meus)

  1. Vítor Vieira diz:

    Está tudo dito.

  2. Nunca me engano,raramente tenho dúvidas-no país do filósofo do leme diz:

    Uma gorda indemnização do estado e uma estátua à altura dos feitos do dito cujo.Que ‘fez’ ‘obra’ à custa do endividamento (e dos devidos cabedais,of course)-assim,também eu ganhava eleições,vide o caso do bicho da Madeira e o respectivo ‘buraco’.

Os comentários estão fechados.