Faltam dois dias para a primavera global!

A Primavera Global PT é um movimento de cidadãos, movimentos sociais e diversos colectivos constituído em resposta ao apelo internacional para que as pessoas voltem a sair às ruas entre 12 e 15 de Maio em todo o mundo.

Até ao momento mais de 40 países e 250 cidades em todo o mundo terão iniciativas a decorrer em Portugal são pelo menos sete as cidades que estão organizar iniciativas neste âmbito – Faro, Évora, Lisboa, Santarém, Coimbra, Porto e Braga.

Para a capital estão previstas duas grandes iniciativas, uma manifestação no dia 12 que nos levará desde o Rossio até ao Parque Eduardo VII e um Fórum de Ideias, a decorrer entre 12 e 15 de Maio, no Parque Eduardo VII, com um calendário, ainda em construção e aberto, que inclui até ao momento já mais 50 iniciativas (desde teatro, performances, debates/palestras, oficinas, etc.).

Para mais informações seguem em baixo os contactos e o comunicado de imprensa lido divulgado hoje, às 14h00, no Parque Eduardo VII, em Lisboa.

Estamos igualmente disponíveis para partilhar convosco um calendário mais detalhado do que já está previsto para o Parque Eduardo VII.

Atenciosamente,

P’la Primavera Global

Contactos: primaveraglobal2012@nullgmail.com

=====================

COMUNICADO DA PRIMAVERA GLOBAL PT (Lisboa)

Entre 12 e 15 de Maio, mais de 250 cidades no mundo, pelo menos sete em Portugal – Faro, Évora, Lisboa, Santarém, Coimbra, Porto e Braga – irão juntar-se num amplo conjunto de acções globais. Queremos contribuir para uma crescente onda de consciencialização colectiva e unidos dar corpo à construção de alternativas ao actual desgoverno global que ameaça o planeta e o nosso futuro.

Somos a Primavera Global Pt e decidimos unir-nos, em Lisboa, ao resto das vozes e das cidades do mundo que no próximo dia 12 e até 15 de Maio irão fazer ouvir a sua indignação e clamar por mudança!

O espírito da Primavera Global PT é de inclusão e diversidade, liberdade e democracia, e, por isso, somos naturalmente contra qualquer tipo de discriminação. Queremos que a Primavera Global tenha a mudança como verbo e as pessoas como sujeito.

2011 ficou marcado pelas Primaveras Árabes, pelos protestos da Geração à Rasca, dos movimentos Indignados e Occupy de todo o mundo.

Em 2012 saímos de novo à rua para exigimos que todos – e não apenas alguns – sejam parte da solução.

Contra a inevitabilidade das crises, iremos construir soluções. Vivemos num mundo onde o desgoverno político global, a desumanidade dos mercados e a especulação financeira não só geraram uma crise à escala mundial como exigem agora às populações os maiores sacrifícios e a perda de direitos fundamentais. Tudo é apresentado como algo inevitável a que, para nosso próprio bem, temos de obedecer cegamente.

No entanto, sabemos bem que a economia deve servir para a construção do bem comum de todos, em vez de servir apenas para a multiplicação da pobreza, da exclusão, do desemprego e da precariedade com proveito de poucos.

Não choramos, nem somos piegas. Não emigramos. Sabemos que existem alternativas mais inclusivas, soluções mais participadas, processos de transformação possíveis cuja divulgação ainda não encontrou caminho nos meios políticos e na comunicação social.

Na Primavera Global vamos lançar a semente da mudança, criar as condições para o renascimento da esperança num mundo sustentável, numa economia solidária, num planeta com futuro.

Na Primavera Global vamos dar largas a um processo criativo e colectivo, apartidário, de todos aqueles e aquelas que se sentem motivados a pensar numa mudança não-violenta mas muito determinada para os problemas actuais, reclamando verdadeiros processos democráticos de governação e exigindo um futuro digno para as gerações presentes e vindouras.

Dia 12 de Maio, saímos à rua para fazer ouvir a nossa Indignação e Mudança. Vamos realizar em Lisboa, entre o Rossio e o Parque Eduardo VII, uma grande Manifestação. E depois, até 15 de Maio, no Parque Eduardo VII, um fórum aberto de discussão de ideias (“As Ideias saem à rua”). Ideias para a defesa de um outro modo de vida, de outro modelo de governação, de defesa do comum e de preservação do planeta. Não queremos apenas pão, queremos cravos e rosas também e por isso celebraremos com arte, cultura e democracia esses dias de convergência colectiva.

Não somos números nem mercadorias nas mãos de políticos e banqueiros. Somos homens e mulheres livres, associações e movimentos organizados dispostos a sair deste longo Inverno capitalista e a construir definitivamente uma Primavera Global onde todos e todas se revejam e onde seja possível criar um futuro mais justo, humano e fraterno.

A Primavera Global está a chegar,

Vamos tomar as Ruas!

Lisboa: https://www.facebook.com/events/278304118921316/
Santarém: http://www.facebook.com/events/361011567273888/
Porto: https://www.facebook.com/events/405753622792413/
Coimbra: https://www.facebook.com/events/220132834764631/
Faro: https://www.facebook.com/events/235473599887300/
Évora: https://www.facebook.com/events/317721438298039/
Braga: https://www.facebook.com/events/148024905327920/

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a Faltam dois dias para a primavera global!

  1. Gentleman diz:

    Quantos empregos a «Primavera Global» pensa criar com a sua acção?

  2. Nunca me engano,raramente tenho dúvidas-no país do filósofo do leme diz:

    É contra o Capitalismo ou é só uma daquelas ‘coisas’ do 12 de Março(por acaso,estava o Sócas no desgoverno,o partido de baixa hierarquia na gestão dos ‘mercados’…)

  3. Moniz Febo diz:

    Esta acção é importante e, talvez, a melhor resposta à situação vivida no nosso país.
    Não serão acções, por exemplo, como o blogue “Cantingueiro”, onde tudo é feito com a intenção de distrair para nada fazer.
    Estes são tempos muito perigosos. A nova lei do arrendamento (discutida na especialidade) irá passar com os votos a favor do PP e PSD e com a abstenção do PS. Esta lei permite despejar inquilinos idosos (ou matá-los). É uma lei criminosa e injusta.
    Não é, de certeza, uma resposta, com muita educação, perante uma ministra arrogante e mesquinha que resolve a situação.
    O que resolve é mexer com isto e mostrar indignação.
    Com educação e ironia não vamos lá.

  4. henrique pereira dos santos diz:

    Renato,
    Continuando a tua defesa de que a rua é que conta, não as eleições, vais ter, neste fim de semana, uma nova oportunidade de avaliar o que pensa a rua: 12 de Maio, Sábado, a primavera Global em sete cidades portuguesas; 13 de Maio, Domingo, Fátima. No fim avaliamos o que pensa a rua, pode ser?
    henrique pereira dos santos

Os comentários estão fechados.