A extraordinária coragem dos palestinianos e a inqualificável cobardia dos israelitas

Mais informações aqui.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 Responses to A extraordinária coragem dos palestinianos e a inqualificável cobardia dos israelitas

  1. HoundsOfDoom says:

    Sempre os mesmos cobardolas…

  2. Caceteiro says:

    És um merda, Renato. Só à castanhada nessa estouvada moleirinha, que aliás mereces e pareces pedir a gritos. Se um dia te apanhar, podes crer que não desperdiçarei a oportunidade de exercer prazenteiramente semelhante correctivo. Era fazer-te uma revolução de chapadas nesse cachaço cevado a creminhos naturais. Se o que escrevo te parece mensagem de ódio, não sei o que chamar às bostas cibernéticas que aqui debitas. És mais previsível que as marés, ou – melhor comparação – os movimentos intestinais que antecedem o apogeu escatológico. Vai para a puta que te pariu, mais os teus palestinianos, e estimo que te fodas de encontro ao cassetete de algum barrigudo agente da PSP, com a boca cheia de croissants, diante da Benard. Esgargalhar-me-ia todo, seguindo-se o festivo saltar de rolha de uma Raposeira (não mereces melhor espumante, sua punheta mal esgalhada). Estimo muito que te fodas, mas em especial durante uma visitinha de charme humanitário à Palestina, enrabado por algum afoito e abonado Mohamed.

    Já agora, o título da merda que me digno comentar é comparável ao pior dos slogans do Pingo Doce. “Extraordinária” e “inqualificável” é a mulher-anã do circo Cardinali. Ou a sandice do Ranhato. Há uma tendência do Renato para levantar o dedinho, autoritário na adjectivação. Outro exemplo é “o insolente reaccionário”. Porque reaccionário é género e “insolente” espécie. Há-os de todos os tipos, decorando as prateleiras da casota do Renato. Olha, o reaccionário armando-se em insolente…. Não sabe o reaccionário que o Renato Cócó, não tolera insolências da sua parte? Há por aí um reaccionário palestiniano? Esse, deve ser cromo mais complicado de achar, não é? E o Renato Cagalhão – tão lesto a rotular e apontar o dedo – será o quê, na sua mentecapta taxonomia? Um herói do proletariado? Um Espartaco na selva capitalista? Um lobotomizado sem sentido do ridículo?

    Eu escrevo o que é o Renato para mim: uma elegia à invenção do autoclismo. Puxemo-lo todos juntos, simbolicamente, esperando que se vá esgoto abaixo, junto com suas pestilências mentais!

    triangulo_felpudo@nullgmail.com
    194.117.40.146

    • Renato Teixeira says:

      O prazer é todo meu.

      Belo ensaio.

      Gostei particularmente da referência ao “cócó”.

    • An Lage says:

      Bem merecia, tanto este como os outros anti-semitas, uma boa carga de porrada.
      É curioso que não mete aqui vídeos do Hamas a espancar palestinianos impunemente, ou a atirar ácido à cara das mulheres, ou de ateus enforcados no Irão ou de mulheres violadas no Egipto. Este tipo já afirmou que em Israel não há civis.
      Aliás, palestinianos, israelitas… e as classes, pá?

      • Renato Teixeira says:

        Naturalmente. Onde há ocupação há colonialistas. Os civis têm outra dignidade.

      • De says:

        Israel é um estado pária, que singra no aprendizado dos métodos dos carrascos dos judeus durante a segunda guerra mundial.

        “El diario israelí Haaretz publicó un artículo del periodista Amir Oren en el que se afirmaba que responsables del Ejército israelí han estado estudiando las tácticas utilizadas por las SS nazis para el aplastamiento de la revuelta judía en el Ghetto de Varsovia en 1943, con el fin de aplicarlas contra las ciudades palestinas de Gaza y Cisjordania. El artículo de Oren está basado en la declaración de un alto responsable militar israelí al que el periodista se cuida de no identificar, para librarle de las previsibles represalias.
        No resulta difícil de ver la razón por la que a Sharon y los máximos responsables políticos y militares israelíes les puede parecer útil el extraer lecciones de la forma en la que los nazis trataron a los judíos para aplicarlas a los palestinos. Tanto los nazis como los sionistas, que mantuvieron por cierto buenas relaciones durante la Segunda Guerra Mundial, se han guiado por una ideología racista basada en un profundo desprecio a los “pueblos inferiores”: los judíos, en el caso de los nazis, y los árabes, en el de los sionistas. Muy reveladoras en este sentido son las declaraciones del ideólogo sionista, Vladimir Jabotinski, cuyo retrato aparece en numerosas ocasiones detrás de Sharon, y que fue el inspirador y mentor de los movimientos terroristas sionistas en Palestina, responsables del asesinato y limpieza étnica llevados a cabo contra la población árabe local.”

        Há mais,muito mais.Veja-se a baba viscosa do caceteiro,logo secundado pelo an lage.Não escondem a vontade trauliteira.Os vómitos são assim.Essenciais no seu ódio a quem lhes denuncia os passos.
        E falam em porrada.Levantariam a mão na saudação típica e urrariam em alemão os seus Heil se lhes dessem oportunidade para tal.

  3. Vasco says:

    Eh pá o contributo do Caceteiro é qualquer coisa. Nem deve saber onde fica a Palestina, nem o que lá se passa, nem o muro, nem os presos, nem os checkpoints. E cheira-me (não é uma alusão ao cócó) que não gosta do Renato. Eu discordo dele muitas vezes – se calhar quase todas – mas ao menos tenho argumentos para isso (pelo menos tento). Agora esta prosa é qualquer coisa…

  4. xico says:

    Gostava de ver um palestiniano a protestar contra a falta de democracia das autoridades palestinianas. Seria tratado desta forma? Com direito a médico? É que a coragem às vezes está na proporção directa de saber-se que se está a protestar dentro de um sistema onde há democracia e estado de direito. Isto não quer dizer que concorde com o que Israel faz e fez e sou o que se pode chamar um antisionista. Mas os paletinianos estão longe de serem o meu ideal de coragem e democracia, mesmo tendo razão.

  5. Nuno L says:

    O “Caceteiro” é um facho quimicamente puro ou seja um nazi o “Xico” é um imbecil.
    Renato tenha paciência.

    • xico says:

      O Nuno L é tão, mas tão brilhante, que só não se confunde com um espelho porque este último reflecte e é polido.

  6. José says:

    E na Síria está o melhor dos mundos.
    Candide

Comments are closed.