O HOJE QUE CANTA – Viva o 1º de Maio e o Dia Internacional dos Trabalhadores!

Terça-feira comemora-se o 1º de Maio, Dia Internacional do Trabalhador, o mais importante feriado do ano em Portugal e no resto do mundo. É fácil perceber porquê. Na senda da efeméride esta é das poucas que não foi tomada pelo mercado, não é baseada numa fábula, tem, na sua génese, heróis e heroínas de carne e osso, acumula avanços um pouco por todos os lados e o seu festejo tem correspondido ao registo de grandes avanços civilizacionais.

É o dia da luta dos trabalhadores por melhores condições de trabalho mas é também o dia pela justa divisão do trabalho por todos os que fazem parte da sociedade e isso significa, porque conhecemos bem o capitalismo, forjar um novo sistema económico, que derrote os pressupostos plutocráticos que tomaram de assalto as conquistas de século e meio.

Da redução da jornada de trabalho à revolução russa, das trincheiras da república espanhola à emancipação anti-colonial, do fim dos fascismos ao levante islâmico, dos destroços do muro à primavera árabe, toda a resistência se encontra nas praças neste dia. Esse encontro, longe de se limitar ao pífio da evocação, é um grito que continua a exigir a antecipação do futuro.

Até daqui a pouco. É preciso que a luta sigasiga.

Nota – Alertado pelo Tiago, esclareço que a coluna do MSE irá participar na manifestação unitária que liga o Martim Moniz à Alameda, organizado pela CGTP e para a qual confluem a Plataforma 15 de Outubro, a Primavera Global e os restantes movimentos sociais. Desconhecia que a UGT ainda se dava ao despudor de organizar o que quer que seja no dia dos trabalhadores. Não era melhor o sindicalismo manso aderir de vez ao dia da patronal?  

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , . Bookmark the permalink.

8 respostas a O HOJE QUE CANTA – Viva o 1º de Maio e o Dia Internacional dos Trabalhadores!

  1. xico diz:

    Muitos dos feriados ditos religiosos, são simplesmente as marcas dos ciclos agrícolas. Chamar-lhes fábulas é estultícia. É fazer pouco do povo que trabalha e que marcou os dias das suas festas. Para descansar, divertir-se e prestar culto a uma dimensão mais livre, feliz e superior (mesmo que inventada). Se quer celebrar condignamente o 1º de Maio não escarneça das festas dos trabalhadores que remontam a tempos que se perdem na memória e tiveram na sua génese heróis e heroínas de carne e osso.
    O próprio 1º de Maio já era celebrado desde tempos imemoriais como rito ligado à feritilidade, à alegria, à segurança. No fundo o mesmo que os trabalhadores de Chicago procuravam.

  2. Pingback: Amanhã | cinco dias

  3. Vítor Vieira diz:

    “Dia da patronal”? Ah, já sei: aquele dia que vai das 0:00 de 2 de Maio às 24:00 de 30 de Abril…

  4. Alexandra Martins diz:

    Eu diria ainda bem! Os trabalhadores do mundo bem precisam que a sua luta seja fértil em vitórias. A situação dos trabalhadores está de tal forma degradada e a situação está de tal maneira a aproximar-se de tempos idos que se queriam longe no esquecimento que a escravatura encapotada já é uma realidade, e qualquer dia deixa a capota porque é novamente legalizada. O direito ao trabalho é neste momento sonegado a 1 200 000 trabalhadores só em Portugal! Os patrões oferecem descaradamente o mínimo exigido por lei a quem quer que seja valendo-se despudoramente da necessidade de sobrevivência de outros seres humanos… VIVA o 1º MAIO, que seja muito lembrado e muito reclamado!

  5. Grevista diz:

    E o MRPumPum, que faz a sua gloriosa iniciativa de massa no auditório do Hotel Roma. 🙂

  6. Pingback: “No tempo da outra senhora um ajuntamento de três pessoas já era considerado uma manifestação. Agora bastam duas.” – Relato dos factos por Myriam Zaluar | cinco dias

  7. Maria Ivone Caldeira diz:

    Na Holanda não é feriado. Alguém sabe dizer porquê?

Os comentários estão fechados.