Não destruam o que nunca foram (e nunca serão) capazes de construir (II)

Fotografia panorâmica do segundo andar

 Antes numa escola ocupada do que desocupad@s nas ruas!

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

3 respostas a Não destruam o que nunca foram (e nunca serão) capazes de construir (II)

  1. maria povo diz:

    mobilização nacional em defesa da es.col.a!!!!
    se não conseguirmos isto, nada conseguiremos e damos a impressão de que não conseguimos nada!!!… nunca nos levarão a sério!!

    a situação politica em portugal está à beira de um fascismo e temos de pôr cobro a isso!! a es.col.a poderá ser a NOSSA ES.COL.A!!!

  2. Quando o Estado não faz aquilo que devia fazer, os movimentos sociais tornam-se a forma apropriada para garantir a legitimidade dos direitos sociais – é por isso que é justo dizer que ocupar é urbanizar – o Estado pode depois conferir-lhes essa legitimidade, pode reconhecer a ação dos movimentos sociais ao desapropriar recursos e redistribuí-los, ou pelo contrário, reprimir, caso em que resistir é uma forma de legítima defesa.

  3. Pingback: Não destruam o que nunca foram (e nunca serão) capazes de construir (II) « Máquina Semiótica

Os comentários estão fechados.