Sobre uma petição de anónimos a favor da Parque Escolar

Ontem o Daniel já tinha dado nota de uma petição em defesa da Parque Escolar que hoje é notícia no Público. Aqui ficam umas notas sobre a matéria:

1. É positivo que os arquitectos se assumam pela defesa da escola pública, ainda que não definam o entendimento que dela têm e/ou proponham medidas a adoptar para o seu reforço. Para essa defesa ter consequências importaria clarificar que o património do Estado não deve transitar para uma Empresa Pública potencialmente privatizável, inconfessada “visão de futuro” de Maria de Lurdes Rodrigues quando imaginou a Parque Escolar;

2. É positivo que haja arquitectos que queiram voltar a tomar parte no debate público, ainda que fosse desejável que não começassem por dizer escrever exactamente a mesma coisa, com os mesmo termos, que um partido político (PS);

3. Ainda que o texto da petição seja claramente para arquitecto assinar, não creio que tenha sido escrito por um profissional da área. Colocar no mesmo saco dos processos sob escrutínio público as operações SAAL e a requalificação urbana do Metro do Porto é grotesco, apenas justificável pela necessidade de elogiar o segundo;

4. A petição tem duas originalidades: não aparecer nenhum subscritor a dar a cara por ela e estratificar os cidadãos entre subscritores e apoiantes;

5. É positivo que reconheça o desvio para com os valores estimados ainda que se estranhe que invoque algumas mudanças legislativas anteriores à constituição da PE, para justificar adaptações (como o Decreto-Lei nº163/2006). Contudo, seria salutar, que daí também decorresse alguma conclusão quanto ao carácter da revolução legislativa que o governo de Sócrates personificou;

6. Estranha-se a total ausência de referência a conceitos como “transparência na encomenda pública”, “boa gestão”, “avaliação de procedimentos” ou, estando a decorrer uma investigação do Ministério Público, ao “total esclarecimento e punição dos crimes que possam ter existido”.

Como poderão perceber, ainda que considere esta iniciativa algo ingénua, valorizo-a pelo facto de trazer arquitectos para as discussões que interessam. Estimo que, os que por exemplo forem docentes universitários do ensino público, passem a defender a abolição das propinas ou o reforço da acção social de modo a garantir a sua universalidade. Para muitos essa será uma causa nova.
Os outros que, por terem feito uma ou outra escola pensam ser necessário “meter o nome” para daqui a uns tempos mendigar “aos políticos” mais uns trabalhinhos, não interessam.


Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

5 Respostas a Sobre uma petição de anónimos a favor da Parque Escolar

  1. Aspirante a Rebuçado diz:

    muito bom post!

  2. Luis Almeida diz:

    Estou fora do assunto mas acho o seu post muito bom, Tiago. Toda a cáfila que agora quer pôr os estudantes a pagar propinas, todos os “dótores” do sistema, tiraram o seu curso à borla…
    Ou quase todos.

  3. Samuel diz:

    Se isto for lido nos locais certos… ficarão muito boas e arquitecturais orelhas a arder violentamente. :-)

Os comentários estão fechados