O Miguel Macedo pode não ter a decência de se demitir mas o Ministério Público não pode passar pela vergonha de não o julgar.

(Vídeo com o momento exacto em que a polícia recebe ordem para atacar, sem nenhum pretexto moral ou legal para o fazer, e varre as esplanadas e as pessoas que estavam no Chiado.)

O nível de irresponsabilidade do Ministro da Administração Interna é tal que será a ele que deverão ser cobradas todas as consequências.

Por um lado, deixa os agentes policiais à deriva da opinião pública, esquecendo-se de os salvaguardar esclarecendo o que pretende com as orientações que esboça. Por outro, deixa no ar o cheiro putrefacto de quem faz da política um jogo de cálculo demasiado perigoso.

Depois de tudo provado em praça pública, da utilização de provocadores (na greve geral de Novembro) à repressão indiscriminada (na última greve geral), a dramatização deste caminho só tem um destino – o da multiplicação da violência – sendo que ninguém está verdadeiramente a salvo.

A boa resposta dos jornalistas, da tomada de acção da Lusa à iniciativa do Sindicato de Jornalistas, foi determinante para garantir que a origem de toda a arruaça vai mesmo ser levada a julgamento.

Manifestante procura proteger Patrícia Melo das bastonadas do agente policial

SJ repudia agressões policiais a jornalistas
A Direcção do Sindicato dos Jornalistas (SJ) repudia as agressões policiais de hoje, 22 de Março, sobre repórteres de imagem das agências Lusa e France Presse, vai pedir um rigoroso inquérito à Inspecção-Geral da Administração Interna (IGAI) e exige explicações públicas do ministro da Administração Interna.

Repórter: testemunha a proteger, não a neutralizar
A Direcção do Sindicato dos Jornalistas (SJ) reconheceu hoje, 23 de Março, que a identificação visível de repórteres em cenários de confrontação pode ter vantagens, mas alertou que deve ser avaliada com prudência para evitar o efeito contrário: a sua transformação em alvos, como testemunhas de acontecimentos graves a neutralizar.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

15 respostas a O Miguel Macedo pode não ter a decência de se demitir mas o Ministério Público não pode passar pela vergonha de não o julgar.

  1. Pingback: O Miguel Macedo pode não ter a decência de se demitir mas o Ministério Público não pode passar pela vergonha de não o julgar. | Total Blog

    • Renato Teixeira diz:

      Essas imagens são posteriores ao ataque da policia.

      • Leo diz:

        Não me parece. Parecerem-se nitidamente anteriores às do vídeo que apresentou.

        • Renato Teixeira diz:

          Está enganado. Para lá de o poder testemunhar, pois era o local onde me encontrava, pode ainda ver que quando os manifestantes usam a esplanada para se proteger as mesmas já estavam arrasadas.

      • Leo diz:

        Não me parece. Parecem-se nitidamente anteriores às do vídeo que apresentou.

        • Renato Teixeira diz:

          Está enganado. Eu estava precisamente nesse local e se reparar quando os manifestantes usam a esplanada para se proteger ela já está arrasada pela polícia.

      • Carlos Vidal diz:

        Posteriores ou anteriores, elas são imagens e gestos de autodefesa.
        Nem mais, nem menos. Por mim, assunto encerrado.

    • Leo diz:

      O que é que isto tem a ver com a greve geral, Maria João?

      • Nada tem a ver com a greve geral, mas com os acontecimentos que marcaram o dia que, queiramos ou não, não foram os da greve geral. E uma vez que são referidas no post as agressões aos jornalistas, achei interessante deixar aqui o link para o relato de um deles.

  2. Humm.
    Há pessoas da Plataforma que se portaram mal e fizeram provocações escusadas à Policia.

Os comentários estão fechados.