“Olhar a realidade de frente; não procurar a linha de menor resistência; chamar as coisas pelo seu nome; dizer a verdade às massas, por mais amarga que seja; não temer obstáculos; ser rigoroso nas pequenas como nas grandes coisas; ousar quando chegar a hora da acção”.

Não ler o velho Trotsky dá nisto. Agora que se começa a perceber o sentido de cada bastonada, este senhor não deve encontrar buraco para se esconder de vergonha. A direita fica tão cega quando se confronta com o facto que são os trabalhadores que mandam no país, que não tem nenhum problema em mergulhar de cabeça para qualquer idiotice. Paradoxalmente, salva-se o título, com as aspas e tudo.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.