ÀS 15.30 (É SEMPRE BOM RECORDAR)

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

29 Responses to ÀS 15.30 (É SEMPRE BOM RECORDAR)

  1. do perdido baixel.. salvá-lo enquanto é tempo says:

    são uns 500 quilos em cobre só nesses bichos

    secalhar vale a pena a viage….

  2. do perdido baixel.. salvá-lo enquanto é tempo says:

    é se chegar a verão global vai ser mau a evapotranspiração é tanta que as couves tão morrendo todas…faz-se uma sopinha de talos

    pelo menos nã há lagartas a comerem as folhas…devem estar em greve

    quando passarmos a fase inglesa das pilhagens …ê logo vou tirar as asas a esses bichos…

  3. do perdido baixel.. salvá-lo enquanto é tempo says:

    já agora ….fura-greves amarelo a trabalhar em dia de greve

  4. Caelos says:

    Não posso ir, estou a trabalhar.

  5. JS says:

    Eu faço greve. Sabe tão bem ser um juguete nas mãos dos partidos e dos chefes dos sindicatos.

    • Carlos Vidal says:

      Sabe-nos bem a todos nós.

      • No dia em que ele desceu ao Seol, fiz eu que houvesse luto; cobri o abismo, por sua causa, e retive as suas correntes, e detiveram-se as grandes águas; e fiz que o Líbano o pranteasse; e todas as árvores do campo por causa dele desfaleceram.
        Farei tremer as nações ao som da sua queda, quando o fizer descer ao Seol juntamente com os que descem à cova; e todas as árvores do Eden a flor e o melhor do Líbano, todas as que bebem águas, se consolarão nas partes inferiores da terra;

  6. mortalha says:

    O coelhinho vem com o pai natal e o palhaço no comboio ao circo. E vai chegar o povo e… comeu!

    • Carlos Vidal says:

      Espero que sim, espero que sim. (Cheira-me a batota: a coisa vai ser desconvocada pelo coelho, que pode entrar por outra porta, quiçá subterânea – ou tentar “democraticamente” falas com as pessoas: depois já é problema de quem milita na democracia, ou respeita a coisa.)

      • Bolota says:

        Vidal,

        Mas uns empurrões não se perdia nada . Sentir o cheiro a sovaco de quem já não consegue pagar a agua…

        Sem que eles sintam na pele os efeitos das suas politicas nunca mais lá vamos. Só há uma forma, empurrões musculados para não lhe chamar…

        Abraços

        • Carlos Vidal says:

          Evidentemente, empurrões ou… o que a população aí concentrada decidir no momento e pelo momento fazer:
          a democracia exerce-se aí, na rua, e nunca no parlamento, nem na urna de voto (coisa mortuária, como é bem de ver).

  7. xatoo says:

    tanta democracia, tanta ilusão de Democracia…
    sem perceber que a base de sustentação social é a Economia (Marx)
    democratizar a economia, então, como primeira prioridade
    e não “democracia” em abstracto

    • Carlos Vidal says:

      Ó xatoo, não entendo.

      Então, ando aqui (desde que ando aqui) há uns três anos a destituir como posso a democracia representativa parlamentar, sempre disse que se essa coisa fosse uma pessoa lhe atiraria um tiro nos miolos sem hesitações, e agora parece-me que o xatoo vem falar comigo como se eu fosse partidário dessa coisa…..

  8. A Fonte dos Leões é uma fonte monumental com 8 metros de diâmetro e 6 metros de altura, integrada no sistema de abastecimento de águas ao Porto durante a década de oitenta do século XIX. Leões com asas sempre foram grifos. Foi contratualizada com a empresa francesa Compagnie Générale des Eaux pour l’Etranger, também responsável pela construção deste equipamento público. Aprovada em 1885, entrou em funcionamento a partir do ano seguinte. Esta fonte, para além de decorar a então Praça dos Voluntários da Rainha, proporcionava a indispensável ventilação e oxigenação das águas, bem como o alívio da pressão das condutas. Alívio Carlos.
    A Fonte dos Leões é composta por um tanque octogonal de granito, de bordos arredondados e paredes exteriores de perfil ondulado e, ainda, por uma fonte central de bronze pintado com quatro leões alados e sentados nas extremidade. Está encimada por duas taças redondas sobrepostas e escalonadas; a inferior tem um friso vegetalista e cornetas de onde jorra água e no remate apresenta uma espécie de pinha às 15 e 30.
    Inicialmente alimentada pelo reservatório de Santo Isidro, a Fonte dos Leões passou a ter, a partir de 1942, a sua própria arca de abastecimento, em granito, situada a escassas dezenas de metros de distância. Gravuras antigas mostram que, originalmente, a Fonte era protegida por uma vedação de ferro. O plano do solo está hoje nivelado pelo arquitonto do Piolho.

    • Carlos Vidal says:

      Preciosa informação.
      (A que arquitonto te referes? Não estou a ver a coisa. Esqueci-me de repente.)

      • Desejos de ovos, apenas em gemadas.
        Arquitontos ele há tantos, não é esse em que estás a pensar, refiro-me aquela luminária dos desertos inclinados entre o Piolho e o Campo Mártires da Pátria da Invicta. Ter-se-á entendido, no entanto, onde eu quero chegar, isto é, aquela minhota das novelas.

  9. Tima says:

    Vejam a primeira posta deste blogue.

    http://paisinutil.blogspot.pt/

    Tristemente chegámos aqui…

    • Carlos Vidal says:

      Acho que não foi isso, acho que foi ao contrário :
      os que a sra. chama “movimentos sociais” trabalharam e convocaram uma Greve Geral, e a CGTP quase nada fez no país inteiro se não policiar (ao lado da polícia). Foi isso!
      País de merda!! (tem toda a razão – Inúteis, pá!)

      • Tima says:

        A contrapor aos traidores da UGT você acha por bem os capangas de “colete vermelho” da CGTP substituírem-se ao tão “nobre” papel policial de controlo fascizóide das ruas e desatarem a por os Movimentos Sociais no seu canto?! Depois não se compreende é isto:

        http://www.precariosinflexiveis.org/2012/03/balanco-da-greve-geral.html

        Então mas o Arménio foi pedir desculpas do que não se passou?
        As ruas não são da CGTP nem do PCP.
        É chato mas habituem-se à democracia.

        • Carlos Vidal says:

          Só o termo “capangas de colete vermelho da CGTP” diz logo que tipo de pessoa é e ao que vem.
          Vá pró “Blasfémias”, sff.

          • Tima says:

            Há um tique típico de direita que uma certa esquerda não hesita em utilizar. O meter autocolantes e ser sectária. Fique a saber que gosto tanto do Blasfémias como você deve gostar de uma crise hemorroidal.
            Para mim “trabalhadores” que estando com o colete vermelho da CGTP envergado atacam membros de movimentos sociais e em concreto trabalhadores precários não passam de capangas.
            E volto a frisar: “Arménio Carlos, falou pessoalmente com os Precários Inflexíveis e lamentou o sucedido.”
            Ou o homem foi lá pedir desculpas pelo que não se passou?

  10. Rascunho says:

    enquanto tivermos leões a urinar pela boca isto não vai lá…

  11. Mérito de uma subcultura de desportistas do pensamento, pantominas do cinismo iguais às doutrinas não escritas e da retórica citadina.

  12. almajecta says:

    Na elaboração do presente comment apenas levei em linha de conta ecos inequívocos de recepção poética.

  13. Luis Almeida says:

    Blá, blá, blá….

Comments are closed.