12.000.000.000,00 €

Este é o valor que o governo não quer transferir para as autarquias para que paguem as suas dívidas, o que fará com que micro/pequenas/médias empresas com viabilidade e facturação continuem a falir e despedir.
Este é o valor que o governo quer dar à banca privada e aos seus accionistas para que mantenham os seus rácios. Não se traduzirá directamente na criação de um único posto de trabalho e/ou dinamizará a economia.

Não há dinheiro… só para alguns.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

32 Respostas a 12.000.000.000,00 €

  1. Joao Passos Dias Aguiar Mota diz:

    Caro Tiago,

    E só demagogia ou é mesmo ignorancia?

    Os 12bn eur de recapitalização da banca é uma forma de injectar liquidez e confiança no sistema de modo exactamente a que o mercado de credito volte a funcionar em Portugal, essencial para a sobrevivencia das PME’s.

    Saudações

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      Caro João Passos Dias Aguiar Mota, pensar que os bancos são os melhores amigos das PME’s é demagogia ou ignorância?

    • Xupa e Engole-o TodoBom diz:

      Confiança dos bancos?Já agora quer dizer que são responsáveis e competentes e rigorosos por terem e CONTINUADO a jogar (Play) nos variados casinos?Deixe-me dizer que são uma cambada de mediocres e que deveriam ser enjaulados sem apelo nem agravo.Quer falar da Islândia?

    • A.Silva diz:

      Senhor Passos Dias Aguiar Mota, se o dinheiro for para os bancos, ele só chega às PME`s através de empréstimo, com os inevitáveis juros, ou seja; lucro para os bancos, prejuizo para as empresas, enquanto que se for para as autarquias ele chega às PME`s como pagamento (justo) do trabalho que essas empresas prestaram!

      O senhor é mesmo ignorante ou é só demagogia?

    • Vasco diz:

      Um porta-voz da banca por aqui? Isso é o que dizem os banqueiros, meu caro…

  2. De diz:

    E “os mais de 35 mil milhões de euros a pagar de juros pelo empréstimo da troika correspondem à estimativa de toda a receita fiscal para 2012; daria para pagar todos os salários de trabalhadores da administração pública, seja central, local ou regional durante 4 anos.” António Vilarigues

    A “ajuda” deles.
    Isto não é tolerável
    A resposta tem que ser dada todos os dias.A 22 de Março tem que ser forte

    • JgMenos diz:

      A coisa está a ficar no ponto!
      A histeria cresce, a razão apaga-se e em final vai chegar a coragem para a luta!
      Avante!
      Só um pormenor: algures, há gente que não gasta o que ganha ou desconta para a reforma e quer ver o dinheiro render. E só emprestam a quem paga juros e é amigo de pagar as suas contas. As lutas dos caloteiros comovem-nos muito, a ponto de lhes cortarem o crédito.

      • De diz:

        A coisa está a ficar no ponto?
        Mas qual ponto?
        O da exploração desenfreada,na selva do neoliberalismo sem freios e com dono?
        Só um pormenor?
        Lutas de caloteiros?
        Vá mas é para o diabo que o carregue mais a conversa fiada dos caloteiros e dos juros a pagar
        Caloteiros é quem nos tem governado e se tem governado.
        E é melhor parar por aqui

        • Samuel B diz:

          Na mouche!!!!!
          Isto de tentar mostrar os pontos de vista é dificil com quem acha que o voto não é secreto… Levas com a resposta ao estilo da PIDE!!! Bem hajam!

          • De diz:

            Ainda bem que concorda.Lol
            A resposta ao estilo da PIDE é que é do seu campo.
            Sorry
            Ou ao estilo da Troika
            Ou ao estilo da nossa governação neoliberal com tiques fascizantes
            Como é próprio de quem apoia a escumalha que nos (des)governa

  3. PJL diz:

    Sintomas de um capitalismo aristocrático…

  4. Anónimo diz:

    Outra forma de demagogia podia ser:

    Este é o valor que o governo quer transferir para as autarquias para que paguem as suas dívidas, o que fará com que os capitalistas/proprietários das micro/pequenas/médias empresas aumentem os seus lucros e dividendos.

    • lpb diz:

      Essa é nova: uma pequena empresa que distribui dividendos aos seus accionistas. Estou a tentar imaginar o que fará uma unipessoal.

      Pensar antes de escrever dá jeito e, que eu saiba, a austeridade ainda não chegou lá.

    • De diz:

      A forma de demagogia está expressa no comentário bem acima..(Demagogia e não só. Mas adiante).
      Com pezinhos de lã, um anónimo disparata.Quer esconder que o governo protege os grandes interesses económicos.Protege os seus interesses de classe que,no actual panorama, são antagónicos dos interesses das micro/pequenas/médias empresas.
      O resto é conversa balofa feita escrita na água fazendo joguinhos de palavras.É mesmo uma pena que a realidade seja mais forte do que os jogos florais com que pretendem continuar a reproduzir a voz do dono.
      A.Silva às 16 e 48 já pôs o dedo na ferida.Tudo indica que a banca nacional irá financiar-se no BCE em cerca de 10 mil milhões de euros por 3 anos com uma taxa de juro de 1%.
      Ora agora averigue-se qual os juros cobrados pela banca.
      Mas há mais. A diminuição do rácio entre o montante de crédito concedido por cada um destes bancos e os depósitos obtidos de clientes, tem sido obtida, não em resultado de uma boa gestão, mas à custa da redução do crédito concedido a empresas não financeiras e a particulares.
      Os resultados estão à vista.
      Basta ir junto das tais micro/pequenas e médias empresas e perguntar-lhes a sua opinião.

  5. Pingback: Esta acertou no alvo, atravessou o governo e ficou espetada na banca | Aventar

  6. Kirk diz:

    A mim interessa antes de mais nada saber se se confirma a divida das autarquias e, caso confirme, como se chegou até esse numero; e acho que nos devia interessar a todos. Estar agora a discutir se os 12 mil milhoes seriam melhor empregues a cobrir aquela dívida sem se saber como ela aconteceu dá ideia que não há interesse em se apurar a verdade.
    A mim interessa saber, da mesma maneira que me interessa saber de que parcelas a divida do Estado é composta. Provavelmente vamos encontrar altas trafulhices na divida das câmaras. Será que alguém está interessado em remexer esse atoleiro?
    os principais interessados em conhecê-la são os trabalhadores portugueses, aqueles sobre quem recai a pior parcela da crise. A mim interessa conhecê-la enquanto contribuinte.
    Alguém sabe explicá-la?
    K

  7. Não Interessa diz:

    Eu começava a fica preocupado quando um fascistazito suíno censurador como o Sérgio Lavos me começasse a citar. Diz-me com quem andas..

  8. Gentleman diz:

    Pois, pois… de um lado temos autarquias sem dívidas (sim, existem). Do outro, autarquias que “investem” em rotundas e elefantes brancos.
    Em vez de enaltecer a boa gestão das primeiras, critica-se o Governo pela suposta relutância em perdoar a irresponsabilidade das segundas…

    • De diz:

      Este deve estar a falar no Jardim e nas suas artes de.
      Um elefante branco às vezes…outras um distinto membro do governo
      Mas sempre,sempre,mandador com a força laranja.Mandatário nacional do mandatário nacional de Merkel.

      Por favor,por favor,não critiquem o governo.
      Ele é uma entidade autónoma e sem ligações à mafia da direita caciqueira nem ao grande poder económico.
      Os mesmos que!

      • Samuel B diz:

        O Sr. De não critique os outros de opinião diferente! Tenha tolerancia! Sempre a insultar faz com que os seus comentários sejam carne para canhão! Não acrescenta nada, apenas se serve para rebaixar os outros. Assim isto não é um blogue de discussão é um blogue de conversa de bebados!!!!

        • Caxineiro diz:

          … é mesmo conversa de bebados a sua conversa
          O que fez o senhor senão criticar quem tem opinião diferente?
          Não seja crespo, tótó

  9. João Valente Aguiar diz:

    O pior dos 12 mil milhões não é o facto de não irem para as autarquias e para as PME’s. A esmagadora maioria das PME’s são pouco inovadoras e, como as grandes, estão-se a cagar para os direitos mais básicos dos trabalhadores (as excepções são ínfimas). Apesar de todas as dificuldades que o capital coloca (e quer colocar cada vez mais) qual a percentagem de trabalhadores que fazem greve nas grandes empresas e nas PME’s… É fácil de fazer as contas. O socialismo não se constrói com pequenas e médias empresas por mto que isso custe a algumas pessoas… A não ser que achemos que o Proudhon tenha razão o que não me parece de todo…

    O problema dos 12 mil milhões é que é dinheiro sugado aos cortes de salários e de pensões, fecho de escolas, deterioração criminosa do SNS, etc. Portanto, o problema é que, mais uma vez, isto é dinheiro tirado aos trabalhadores para ajudar e favorecer o grande capital financeiro. O problema é de onde vem este volume assombroso de capital (da exploração dos trabalhadores, da não cobrança devida de impostos às grandes empresas e da destruição de serviços públicos) e para onde vai (alimentar os rácios da banca).

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      João, não tenho dados para rebater o teu argumento sobre a situação laboral na maioria das micro/pequenas/médias empresas, mas também não me parece que os tenhas. Ao invés acho que é um erro considerar que numa empresa com 2 trabalhadores há um explorador e um explorado por natureza. O capital já tratou de determinar que a maioria das micro e pequenas empresa são exploradas.
      Vê o caso da Parque Escolar, por exemplo. Os concursos foram todos feitos para as grandes empresas que, depois, subcontratavam a preços de miséria pequenas empresas locais. O valor do trabalho era todo redistribuído entre trabalhadores, materiais e impostos. A mais valia ficou com a grande empresa.

      • João Valente Aguiar diz:

        As PME’s não são exploradas Tiago. As grandes empresas “tiram-lhes” (e de modo abusivo mtas vezes como tu bem indicaste a propósito da Parque Escolar) fatias de mercado. A exploração implica que quem produz a riqueza (os trabalhadores) a veja subtraída por outrém (a burguesia). A não ser que se ache que afinal quem produz riqueza são as empresas…
        E se as PME’s poderiam ser, no plano teórico, adversárias das políticas monopolistas do grande capital, a verdade é que, inversamente, falta explicar porque elas sempre apoiaram políticas definidas pelo grande capital… Não há, salvo erro, um caso histórico de parte relevante de PME’s alguma vez terem estado lado a lado com processos de luta dos trabalhadores.

  10. Kirk diz:

    off topic
    ontem pus aqui um comentario a este post do TMS, cujo desapaeceu.
    É a segunda vez q acontece me acontece o mesmo no cinco dias.
    Começo a pensar que a liberdade aqui é condicionada. Para já vou pensar que se tratam apenas de probs técnicos. Mas foi até agora o unico local em que esses problemas ocoreram.
    K

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      Kirk, o seu comentário não “desapareceu”. Está lá em cima. Admita por uns momentos que eu não estou sempre a vigiar os comentários do 5dias.

      • Kirk diz:

        Tiago, tenha paciencia mas esta manhã o comentário que escrevi ontem á noite nao estava cá. Podia estar a aguardar moderação, mas ao contrário do habitual, não estava cá, como é habitual nos comentários que aguardam moderação. Tive o cuidado de ver com cuidado . Posso garantir que olhei para todos os comentarios que cá estavam esta manhã, ás 7 e 47, e o meu nao estava mesmo.
        Aliás, repito, é a segunda vez que acontece aqui no 5dias, e a primeira não foi consigo. Ok, ponho na conta de problema técnico, mas é chato acontecer.
        E acredito que Vc ache que tenho mau feitio porque parece que só acontece comigo.
        Saúde e Viva a Greve!
        K

Os comentários estão fechados